sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Alemanha: Autoridades questionam segurança alimentar após escândalo de ovos e carne de aves contaminados com dioxina


A descoberta da substância química altamente tóxica dioxina em ovos e carne de aves na Alemanha desencadeou uma extensa investigação e provocou uma reavaliação das normas de segurança alimentar.

Contaminação com substãncia cancerígena já causou a interdição de mais de mil granjas na Alemanha e o sacrifício de mais de 8 mil frangos

Promotores no estado da Renânia do Norte-Vestfália lançaram uma investigação a fim de comprovar se produtores de ração para frangos usaram de fato ingredientes contaminados com a substância tóxica dioxina. O secretário estadual de Defesa do Consumidor, Johannes Remmel, exigiu nesta terça-feira (4/1) que os responsáveis pela contaminação sejam punidos.

“Isso é um escândalo, cujas consequências políticas terão que ser discutidas. Temos que falar sobre a cadeia (produtiva) e avaliar se o controle é suficiente”, disse Remmel à emissora alemã ARD.

Remmel disse ainda que mais produtores poderão ainda ser interditados ao longo das investigações. “Não acho que haja um risco muito sério, mas a dioxina simplesmente não faz parte dos alimentos. Existe uma razão para termos limites máximos permitidos. A dioxina é perigosa para a saúde e pode causar câncer”, disse ele.

Autoridades afirmam que ingerir ovos contaminados não traz sério perigo à saúde, mas crianças devem evitá-los todos os dias.

A Secretaria de Agricultura da Baixa Saxônia, no entanto, qualificou as normas atuais como suficientes para a proteção dos consumidores.

“Pelas informações que temos, não há sério risco para os consumidores ao ingerir ovos”, disse Helmut Schafft, diretor de alimentação animal do Instituto Federal de Avaliação de Risco. A Sociedade Alemã de Nutrição (DGE) alertou também contra reações de pânico, mas disse que, por medidas de segurança, as crianças não devem ingerir ovos diariamente.

Mais de mil granjas em toda a Alemanha foram proibidas de vender ovos e carne de aves, e mais de 8 mil frangos foram sacrificados depois que a substância cancerígena foi encontrada na ração animal.

Autoridades nos estados de Brandemburgo e Saxônia-Anhalt disseram que, de um total de 527 toneladas de ração animal, pelo menos 55 toneladas de ração suspeita foram utilizadas para alimentar frangos. E mais de 100 mil ovos contaminados já foram destinados ao mercado.

Conexões fora do país

Acredita-se que as propriedades rurais afetadas tenham comprado ração animal contaminada com dioxina do fabricante de ração animal Harles & Jentzsch, no estado de Schleswig-Holstein, no norte da Alemanha. A empresa teria, por sua vez, comprado produtos de um parceiro comercial na Holanda. O ministério público investiga a responsabilidade da empresa.

Empresa diz ter acreditado que resíduos de biodiesel fossem adequados para ração animal

O diretor da empresa Harles & Jentzsch, Siegfried Sievert, disse nesta terça-feira que há anos mistura-se resíduos da produção de biodiesel à ração animal. “Acreditamos equivocadamente que os resíduos de ácidos graxos da produção de óleo de palma, soja e canola (utilizados na produção de biocombustíveis e fornecidos pela companhia holandesa) seriam adequados para a alimentação animal”, declarou.

A empresa alemã Petrotec, que fornece os ácidos graxos para a empresa alimentícia holandesa, disse que seus produtos são adequados apenas para lubrificantes industriais e não para a alimentação animal.

No entanto, a fonte exata da contaminação por dioxina ainda não foi identificada. O porta-voz da Secretaria Estadual da Agricultura da Baixa Saxônia, Gert Hahne, disse que pode levar semanas até que todos os produtos das granjas afetadas possam ser testados para detectar a presença de dioxina.

A previsão que deixou a Associação Alemã de Agricultores indignada. Seus representantes alertam que a medida pode levar os agricultores à falência e exigem que os culpados paguem pelos danos.
************************
FONTE : Reportagem da Agência Deutsche Welle, publicada pelo EcoDebate, 07/01/2011. (Revisão: Soraia Vilela).

3 comentários:

Anônimo disse...

O senhor faz análise fria e precisa dos fatos então observados pelo senhor para dar seu veredicto sobre a terapia em comento.
Mas para um exame mais profundo do assunto, é necessário que se sigam os rastros do passado.
A auto-hemoterapia deriva de um processo clínico inventado século atrás denominado Proteinoterapia. Tal processo era aplicado da seguinte forma: Objetivando uma passageira leucocitose, e em conseqüência seus efeitos positivos, injetavam-se proteínas num músculo do paciente. Esta proteína podia ser leite, soro, albuminas etc. Referenda a existência deste processo, diversos livros de Medicina de então. Em determinado momento, que ao que me parece, foi na França de 1905, um médico/cientista, com seus conhecimentos e limitações, descobriu que a proteína mais segura e de fácil obtenção seria o próprio sangue do paciente. Daí então surgiu a AUTO-HEMOTERAPIA.
Esta, por sua simplicidade e eficácia, substituiu na prática médica, a proteinoterapia e suas variantes.A Auto-Hemoterapia foi então prescrita e usada regularmente, até que surgiram os antibióticos, que levaram ao abandono de tal procedimento. Não vou tecer comentários sobre os motivos de abandonarem a AH, posto que ainda nos anos 70, aqui no Brasil, antibióticos custavam muito caro, enquanto que a AH, mesmo restrita aos consultórios de médicos “das antigas”, custava pouco mais que o serviço do aplicador.
Também não vou tecer comentários sobre os muito denunciados esquemas de propinas pagas aos médicos, seja pelos laboratórios que verificam o receita de seus produtos, cuja paga são viagens e estadias à paraísos turísticos a guisa seminários, congressos e que tais ou mesmo reformas de consultórios, seja pelas farmácias pela indicação destas aos clientes.
Vamos nos ater à AH propriamente... O berço da AH não foi de todo abandonado não. Está ressurgindo do passado, nas mãos dos pesquisadores da FIOCRUZ,USP e UFRJ, que produziram uma vacina denominada ZIMDUCK. Pesquisada há 15 anos, recentes, desde 1995, esta vacina usa leite como matéria prima única, que injetado no músculo do paciente, semanalmente, estimula o seu Sistema Imunológico. Resulta nos mesmos efeitos alegados por quem receita e recebe a Auto-Hemoterapia.
Mas a Ah não tem somente estes indícios não. Está registrada na FIOCRUZ de 1918, onde é consignada a sua eficácia na gripe espanhola, e na FIOCRUZ e agora, onde existem estudos recentes na área da Veterinária. Aliás, em Veterinária este tratamento é amplamente estudado e largamente empregado.

Olivares Rocha
olivares@oi.com.br
(continua)

Anônimo disse...

(continuação)

Mas voltemos aos homens. Venais ou não.
Doutra feita, está a AH registrada no PUBMED, onde existem algumas pesquisas sobre a Ah aqui discutida ( no campo de busca digitem AUTOHEMOTHERAPY – O solitário autor do único parecer que “embasou” a proibição da AH, exclusividade brasileira pelo que me consta, não sabia desta grafia, suponho, pois no mês que dedicou a este ofício, nem menciona estes estudos) e que este mesmo PUBMED classifica toda e qualquer utilização de sangue autólogo no doente, como autohemotherapy.
Acho este raciocínio até lógico, afinal, se diversos tratamentos coletam o sangue do paciente, manipulam-no ou não, e o injetam de volta no seu paciente/doador, por que não grafá-las desta forma? Auto (de si mesmo) Hemo (sangue) terapia (tratamento)????
Todas as auto-hemoterapias estão hoje validadas e devidamente autorizadas, rendendo o seu justo quinhão de lucro aos seus proponentes aplicadores. Somente a simples e extremamente barata AH aqui debatida segue proibida. Não entendem os médicos que a prescreveram durante décadas, seus inúmeros pacientes, os usuários voluntários da terapia, seja antes ou depois de sua sinistra e questionável proibição, quais os meandros patológicos, orgânicos, químicos ou quiméricos que fazem com que o sangue asséptico, puro ou composto, íntegro ou parcial, injetado na coluna, olhos ou lesões ortopédicas e ortodônticas do doador seja salutar, mas este mesmo sangue asséptico, puro e íntegro, injetado num simples músculo, seja, segundo somente nossas autoridades, inútil, perigoso e até mesmo mortal...
Não entendem, se de fato a Ah aqui descrita fosse tão danosa, por que não se tem notícias de mortes ou danos sérios em quem sofre simples hematoma....
Não entendem por que não há sequer UM registro destes tão temíveis danos, rejeições, infecções, criações de anticorpos que agiriam contra o próprio sangue do doador, e tantos outros efeitos negativos que alegam as nossas autoridades serem causados pela AH.
Não entendem por que a AH é autorizada em Veterinária, onde animais de alto valor comercial recebem este tratamento como curativo ou como preventivo já a décadas...
Não entendem como a Ah pode ser proibida somente aqui, enquanto é liberada a décadas em vários países, como Alemanha, México e tantos outros...
Não entendem como pode ser a AH nociva, se todo o trabalho científico perscrutor de seus efeitos, sempre referenda seus benfazejos efeitos, não apontando sequer um efeito negativo, ainda que estes sempre apontem para a necessidade de mais pesquisas...(Recentemente um pesquisador da UFRJ teve seu projeto de pesquisas sobre a AH boicotado pela diretoria daquela instituição. A mesma proibição cientificamente "tapetônica" emperra as pesquisas da vacina ZIMDUCK - conforme atestam seus pesquisadores)
Ora, se tão nocivo os efeitos da AH, por que os cientistas que os examinaram nunca apontaram seus malefícios? Por que não há um registro sequer destes nos órgãos de saúde brasileiros e mesmo nos dos outros países? Por que a AH foi placidamente receitada por médicos no Brasil durante décadas sem que as autoridades a proibissem?
É, realmente existem muitas evidências fracas ... Mas não na sua eficácia, mas nos motivos que levaram as autoridades a banirem este tratamento sem ao menos fomentarem sequer um estudo mais aprofundado.
Da minha parte tudo que posso falar deste tratamento resume-se em uma frase: Saúde gratuita!
Olivares Rocha
olivares@oi.com.br

(continua...)

Anônimo disse...

(derradeira continuação)
Já se vão mais de 44 meses de uso ininterrupto deste tratamento, mais de 190 aplicações,mais de 800 aplicações num pequeno grupo familiar de 5 pessoas e como resultado, diversas doenças abrandadas, controladas ou mesmo assintomáticas. Curadas mesmo diria leigamente eu. Como "efeito colateral", ao menos para quem deixou de ver meu $$, deixamos de "consumir" algo em torno de R$800/MÊS em remédios que foram dispensados pelos médicos que os prescreveram, ao observarem a melhora na nossa saúde, APÓS a AH.

PS: Informo preventivamente que não comercializo nada, não represento ninguém, nem pratico qualquer atividade ligada com a prática da AH. Meu único objetivo é o de poder discutir sobre este tratamento na esperança de que um dia, quem sabe, algum eminente da área, seja da iniciativa privada - duvido pois como bem disse o Médico/professor Paulo Varanda em sua entrevista concedida à rádio Câmara -www.camara.gov.br - não há como patentear seu sangue, portanto não se lucra com a AH - ou da área pública, inicie pesquisas, baseado nestes "indícios" que apresentei aqui e nos milhões de pessoas que podem estar hoje se beneficiando deste maravilhoso estímulo imunológico.(site especializado em cinema afirma que estimam que a entrevista do médico Luis Moura teve mais de 20 milhões de espectadores. Acredito eu que a esmagadora maioria ganhou o DVD com a entrevista pois somente eu dei mais de 800 cópias a todos que porventura se poderiam se interessar pelo tema.
( O médico Luis Moura foi processado 2 vezes por receitar a auto-hemoterapia. Foi absolvido em todos os processos, no CFM.)
PS 1: não precisa acreditar em mim não, basta conferir o que afirmo, ancorado que estou nestes links: Um livreto, em versão digital, de graça onde compilei tudo que achei sobre a Ah desde 2007 até setembro de 2008:
http://www.4shared.com/dir/14857797/4b1e39d7/sharing.html
e
fórum: CLUBE CÉTICO – WWW.CLUBECETICO.ORG
http://clubecetico.org/forum/index.php?topic=8361.0
... debate com médicos e detratores da terapia, cujo argumento final foi o de fechar o fórum… e

AUTO-HEMOTERAPIA MANUAL REFERÊNCIA
(The AUTOMED Project)
by S. H. (Hale) Shakman (Author)
Kindle Price: $11.99 & includes international wireless delivery via Amazon Whispernet
EM http://www.amazon.com/dp/B003UV8MLK/?tag=eb_ff-20
http://www.olharvital.ufrj.br/2006/index.php?id_edicao=060&codigo=2

Olivares Rocha
olivares@oi.com.br