quinta-feira, 30 de abril de 2020

Coronavírus está ligado a crises climáticas e de biodiversidade

Por Ina Fried*, Axios
Lidar com o coronavírus sem prestar atenção às mudanças climáticas e às crises de biodiversidade seria um erro, dadas as maneiras pelas quais os três estão inter-relacionados, disse um especialista em conservação da vida selvagem ao “Axios on HBO“.
Por que é importante: se não reconhecermos a conexão, provavelmente veremos mais doenças de difícil tratamento saltarem de animais para seres humanos, disse Joe Walston, da Wildlife Conservation Society, em entrevista.
Contexto: Muita atenção concentrou-se nos chamados “mercados” na China, onde muitos animais selvagens são mantidos juntos e vendidos ao homem para consumo. Embora as doenças possam se espalhar dos animais para os seres humanos em outros locais, Walston disse que as chances aumentam muito quando os animais são retirados de seus habitats naturais e colocados sob estresse e próximos a outros animais.
  • O fechamento de tais mercados tornaria muito mais difícil para vírus como o SARS-CoV-2, que causa o COVID-19, pular de animais para humanos, disse ele.
O quadro geral: mais de um bilhão de pessoas a cada ano ficam doentes de doenças relacionadas a animais, disse Walston. Muitas das novas doenças graves mais recentes vieram de animais.
  • A remoção de animais selvagens de seus ambientes interrompe seus ecossistemas nativos, o que prejudica a biodiversidade e agrava as mudanças climáticas, acrescentou.
  • “Quando você remove elefantes das florestas da África Central, remove o principal dispersor de sementes e o principal jardineiro desse sistema, e as florestas começam a se degradar”, disse ele.
Nas entrelinhas: Walston jogou água fria na teoria de que o vírus foi criado em um laboratório ou mesmo de que um laboratório de pesquisa teve um papel importante em sua disseminação. “Antes de passar desse morcego para os humanos, não havia absolutamente nenhuma evidência de que fosse proveniente de qualquer laboratório”.
Walston sugeriu que esse momento perigoso para a humanidade poderia ser um ponto de virada nas três crises se prestarmos atenção ao aviso.
  • “Na verdade, infelizmente, leva as pessoas a morrer na porta das pessoas, a morrer na família das pessoas, para que a chamada de despertar aconteça, que é sempre inevitavelmente mais tarde do que deveria ser. Mas acredito que o mundo está percebendo agora que esses são problemas ambientais, que vão acontecer novamente, a menos que tomemos medidas “.
Conclusão: o ciclo pode facilmente se repetir e se intensificar se não tomarmos as medidas apropriadas.
  • “Temos todo o poder para destruir praticamente tudo”, disse Walston.
* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/04/2020
Coronavírus está ligado a crises climáticas e de biodiversidade, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/04/2020, https://www.ecodebate.com.br/2020/04/30/coronavirus-esta-ligado-a-crises-climaticas-e-de-biodiversidade/.


Dicas para produzir frutas em apartamentos

jabuticaba
Galhos e frutas verdes e maduras da jabuticabeira. A jabuticaba, também conhecida pelo nome de guapuru. É nativa da Mata Atlântica. Foto: Embrapa
Em tempos de distanciamento social, como estratégia para conter o avanço do novo coronavírus (Covid-19), é preciso ter criatividade para ocupar a cabeça dos adultos e crianças. Que tal aproveitar o tempo mais livre do final de semana para cultivar dentro de casa – e até mesmo em apartamentos – algumas fruteiras, que lembram a infância no interior? Acerola, amora, goiaba, pitanga e jabuticaba podem ser cultivadas em vasos, no quintal ou na sacada de prédios.
É o que diz o pesquisador da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, que atua na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), José Antônio Alberto da Silva.
O pesquisador explica que essas frutas nem sempre são fáceis de serem encontradas nos supermercados das grandes cidades. “São frutas com alto potencial produtivo e que possuem mercado nos grandes centros. Há pessoas, que por conta do saudosismo da época de vivência no interior, pagam caro por elas. O problema é que estragam muito rápido depois de colhidas, por isso, nem sempre são fáceis de serem encontradas no mercado”, explica.
Para driblar o problema, o pesquisador da APTA dá algumas dicas. Confira!
Plantio no vaso
O primeiro passo é adquirir mudas de boa procedência em viveiros idôneos. Isso evita que se compre plantas improdutivas ou que acabe levando para casa um tipo de fruta e mais tarde descobre que é outra.
Em tempos de pandemia, alguns viveiros estão fazendo entregas por delivery dessas fruteiras em São Paulo e no interior. A Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável (CDRS), também ligada à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, comercializa mudas de fruteiras em Itaberá, Marília, Pederneiras, Presidente Prudente, São Bento do Sapucaí e Tietê. Mais informações a respeito podem ser consultadas aqui. O plantio pode ser feito no chão ou em vasos com pelo menos 40 litros.
– Primeiro é necessário fazer um dreno com pedras no fundo do vaso, para evitar acúmulo e excesso de água.
– Faça o plantio da muda utilizando terra fértil, rica em matéria orgânica, que pode ser facilmente encontrada em casas especializadas. Não utilize substratos puro, mas sim misturas com terra vermelha.
– É necessário escolher bem o local em que o vaso ficará no quintal ou na sacada. Geralmente as fruteiras gostam de locais bem arejados e que batam sol pelos menos durante um período do dia.
– É importante estar atento se a planta está com água suficiente. Sempre verifique se a terra está úmida, pois, tanto falta como o excesso de água faz mal a planta.
– Faça adubação complementar a cada dois ou três meses, utilizando esterco curtido e formulações NPK (nitrogênio, fósforo e potássio). Se perceber que há alguma praga ou doença na planta, procure um engenheiro agrônomo.
Plantio no chão
Para o plantio no chão, devem-se ter os mesmos cuidados. A diferença é a necessidade de realizar a poda da copa das árvores mais frequentes. “Como no chão a planta tem mais espaço para se desenvolver, crescerá com mais vigor, por isso, a necessidade de sempre realizar a poda de ramos que crescerem demasiadamente e assim manter a copa no formato e altura que quiser. Vale lembrar que estas frutíferas não possuem sistema radicular muito agressivo, principalmente, quando é realizada a poda”, explica Silva.
Fonte: Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/04/2020
Dicas para produzir frutas em apartamentos, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/04/2020, https://www.ecodebate.com.br/2020/04/30/dicas-para-produzir-frutas-em-apartamentos/.