quinta-feira, 25 de maio de 2017

"O GRITO DO BICHO" - Boletim do dia 25.05.2017

Confiram nossas postagens de hoje na página principal de www.ogritodobicho.com ou diretamente nos títulos abaixo:
Vejam ainda matérias específicas e tudo que publicamos sobre:

Não deixem de compartilhar e opinar nas publicações. Todos gostam muito de ler os comentários de outras pessoas.
Abração a todos e obrigado pelo carinho com nosso trabalho.
sheila moura

EcoDebate - Edição 2.760 de 25 / maio / 2017

Desejamos a todos(as) um bom dia e uma boa leitura
Compreendemos desenvolvimento sustentável como sendo socialmente justo, economicamente inclusivo e ambientalmente responsável. Se não for assim não é sustentável. Aliás, também não é desenvolvimento. É apenas um processo exploratório, irresponsável e ganancioso, que atende a uma minoria poderosa, rica e politicamente influente.” [Cortez, Henrique, 2005]

quarta-feira, 24 de maio de 2017




Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Amazônia, Áreas Protegidas, Biodiversidade, Energia, Povos Indígenas, Quilombolas, Violência no Campo, Política Socioambiental
Ano 17
24/05/2017

 

Política Socioambiental

 
  Medidas Provisórias de Michel Temer abrem 600 mil hectares de áreas protegidas para desmatadores e grileiros. Votação durou poucos minutos Direto do ISA, 24/5.
  Em sua 5ª edição, o Encontro Nacional das Comunidades Quilombola ocorre entre 22 a 26 de maio, com o objetivo de manter a articulação entre as comunidades na luta pela manutenção dos direitos já garantidos e por novas conquistas Blog do ISA, 24/5.
  Sem alterações, o Senado ratificou ontem duas medidas provisórias que reduzem a proteção de 597 mil hectares de áreas protegidas na Amazônia, o equivalente a quatro municípios de São Paulo. As medidas provisórias 756 e 758, que abrem caminho para a legalização de grileiros e posseiros, haviam sido aprovadas pela Câmara na semana passada e agora seguem para sanção ou veto do presidente Michel Temer (PMDB). A área de conservação mais afetada ê a Floresta Nacional do Jamanxim, na região de Novo Progresso (PA), que pode perder 486 mil hectares (37% do total) FSP, 24/5, Ciência, p.B5; OESP, 24/5, Metrópole, p.A18; Valor Econômico, 24/5, Ciência, p.B5.
  A Câmara de Populações Indígenas e Comunidades Tradicionais do Ministério Público Federal divulgou nesta terça-feira (23) nota pública contra o teor do relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) destinada a investigar fatos relativos à Funai e ao Incra. Apresentado no início do mês, o documento foi aprovado na última semana pela comissão e aguarda votação dos destaques apresentados. De acordo com o MPF, a CPI extrapolou sua atribuição e atropelou leis e a própria Constituição quando decidiu analisar, “superficial e tendenciosamente”, documentos e testemunhas relacionados a processos de identificação e demarcação de terras indígenas e de territórios quilombolas MPF, 23/5.
  "Para votar a favor da Medida Provisória, porém, alguns congressistas exigiram a edição de outra Medida Provisória, agora desprotegendo 305 mil hectares em outra unidade de conservação da região. Temer concordou. E assim nasceram as Medidas Provisórias 756 e 758, em 21 de dezembro de 2016, como parte do acordo para viabilizar a Ferrogrão. Deputados e senadores foram acatando vários pedidos de desproteção da floresta e rapidamente a área ameaçada passou de 305 mil para incríveis 1,2 milhão de hectares. Naquela madrugada de 17 de maio, uma forte ação de resistência conseguiu reduzir o massacre pretendido, e a desproteção da floresta amazônica que poderia chegar a 1,2 milhão de hectares parou em 600 mil. Mas não podemos esquecer que para construir a Ferrogrão bastaria reduzir a proteção em 862 hectares", artigo de Ciro Campos e Nurit Bensusan Carta Capital, 23/5, Justificando.
  
 

Energia

 
  A Petrobras pretende de vender os campos de gás de Juruá e Azulão. Há anos fora das prioridades da estatal, os ativos estão localizados no meio da Floresta Amazônica e demandarão investimentos vultosos em infraestrutura. Os campos, no entanto, possuem perfis diferentes de negócios. Enquanto Azulão (Bacia do Amazonas) está localizado próximo à linha de transmissão Tucuruí-Manaus e já tem estudos avançados para instalação de uma termelétrica gas-to-wire (geração de energia na cabeça do poço), o projeto de desenvolvimento de Juruá (no Solimões) contempla a construção de um gasoduto para escoar a produção até o mercado consumidor, em Manaus (AM) Valor Econômico, 24/5, Empresas, p.B4.
  "Lançado pelo Ministério de Minas e Energia no fim de 2016, o RenovaBio tem como principal premissa auxiliar, por meio de uma política de descarbonização do setor de transporte, a implementação dos compromissos que o Brasil assumiu no Acordo de Paris. Através da valorização dos combustíveis renováveis e do destravamento do investimento na capacidade de produção dos biocombustíveis, o programa visa contribuir para o alcance desses objetivos ambientais. Trata-se, então, da construção de um caminho bem pavimentado para a reformulação da matriz energética de transporte brasileira", artigo de Adriano Pires O Globo, 24/5, Opinião, p.23.
  
 

Biodiversidade

 
  O Coletivo Timbaktu usou a agricultura orgânica para desmarginalizar pessoas no sul da Índia e ainda recuperou áreas florestais. Por causa do trabalho que vem desenvolvendo há 25 anos, a organização recebeu ontem, no Reino Unido, um prêmio ecológico. É a primeira edição do Lush Spring Prize. O Timbaktu nasceu no quintal de Manisha Kairaly, no distrito de Anantapur, na Índia. "Nós não tínhamos árvores", conta. Para reverter o quadro -havia apenas 23 espécies de árvores e arbustos- e de terras áridas, a organização, no início da década de 1990, iniciou um processo de proteção do solo. O resultado, cerca de seis anos depois, foi o crescimento da biodiversidade para um total de 320 espécies diferentes de plantas. Após obter esse resultado, o coletivo direcionou energias para uma questão correlata, a agricultura orgânica FSP, 24/5, Ciência, p.B5.
  Quase todas as baleias existentes hoje são gigantes, com comprimento que varia de 10 a 30 metros. Mas, de acordo com um novo estudo, esses animais foram pequenos ao longo da maior parte de sua evolução. As primeiras baleias surgiram há 30 milhões de anos, e as espécies gigantes começaram a predominar apenas nos últimos 2 ou 3 milhões de anos. Para reconstituir as medidas das baleias nos últimos 30 milhões de anos, um grupo de cientistas americanos estudou os fósseis de 63 espécies extintas e de 13 espécies de baleias que ainda existem nos mares. O estudo foi publicado nesta terça-feira, 23, na revista científica Proceedings of the Royal Society B. OESP, 24/5, Metrópole, p.A18.
  
 
Imagens Socioambientais
SOS Mata Atlântica
24 de Maio de 2017
 nº. 605
O Piquenique Colaborativo é uma atividade aberta ao público. Participe!

No dia 27 de maio, Dia Nacional da Mata Atlântica, serão realizadas brincadeiras, contação de histórias e atividades de educação ambiental em um piquenique no Parque Ibirapuera, em São Paulo.

Piquenique Colaborativo no Parque Ibirapuera

A 13ª edição do Viva a Mata, em São Paulo, também conta com uma programação aberta ao público! No dia 27 de maio, Dia Nacional da Mata Atlântica, serão realizadas brincadeiras, contação de histórias e atividades de educação ambiental em um piquenique colaborativo no Parque Ibirapuera. Os presentes terão a oportunidade de vivenciar uma experiência […]

Leia mais

Viva a Mata 2017 faz oficina e discussão sobre os rios

A Fundação SOS Mata Atlântica realiza neste mês a 13ª edição do Viva a Mata, um dos principais eventos de seu calendário anual. O segundo dia do encontro, na última sexta-feira (19/05), propôs uma reflexão sobre o uso da água. Na ocasião, foi lançada também a Chamada Criativa Expresse a sua relação com os rios […]

Leia mais

Viva a Mata tem exemplos práticos de transformação

A Fundação SOS Mata Atlântica abriu, nessa quinta-feira (18), a 13ª edição do Viva a Mata, evento anual que reúne ambientalistas, pesquisadores, voluntários e a população em geral na discussão de ideias e alternativas para a preservação da Mata Atlântica. As atividades desse primeiro dia trouxeram exemplos práticos de transformação e engajamento na causa ambiental liderados […]

Leia mais

Concurso: Expresse a sua relação com os rios

Já reparou que as cidades são cortadas por rios e que por mais que não percebamos, sempre tem um rio, córrego ou nascente pertinho da gente? #EuJuroQueÉVerdade O problema é que o conceito que temos de rio muitas vezes é diferente do que vemos por aí. Em nosso imaginário, pensamos logo num balneário, com peixes, […]

Leia mais
Fundação SOS Mata Atlântica
(11) 3262-4088

Avenida Paulista, 2073, Cj. 1318
Cd. Conjunto Nacional, Torre Horsa 1 - 13º andar
Bela Vista, São Paulo - SP
CEP: 01311-300