sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Para proteger rinocerontes, parque da África do Sul intensifica ações contra a caça

30 de agosto de 2013 -


Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Pelo menos três cidadãos moçambicanos foram mortos no Kruger Park, a maior área de conservação de fauna bravia da África do Sul, envolvidos na caça de rinocerotes.
O Kruger National Park e o Gonarezhou National Park, do Zimbabwe, constituem o Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo, a maior reserva natural do mundo.
O facto foi revelado quinta-feira, em Maputo, durante o Conselho Consultivo do Governo da Policia da República de Moçambique (PRM) na província de Maputo, cuja cerimónia de abertura foi presidida pela Governadora provincial, Maria Jonas.
“Ontem às 13 horas houve troca de tiros, onde foi assassinado um rinocerote. Supõe-se que tenham sido mortos três indivíduos”, disse uma fonte da PRM durante o encontro.
Entretanto, durante aquele encontro, o agente revelou que duas armas foram recuperadas com os caçadores de rinocerontes.
Nos últimos tempos, os caçadores moçambicanos atravessam se tem envolvido neste tipo de crime, o que concorre para o rápido desaparecimento das espécies de rinocerontes naquele país vizinho.
Ano passado, activistas e veterinários sul-africanos alertaram que os rinocerontes poderão estar extintos nos parques sul-africanos até 2050, caso se mantiverem os actuais níveis de caça desta espécie protegida.
Em 2012, pelo menos 668 rinocerontes foram assassinados, o número que representa um aumento em aproximadamente 50 por cento em relação aos animais perdidos em todos os anos anteriores.
Fonte: África 21 Digital

Nenhum comentário: