terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Cientistas descobrem novos sapos em montanhas na Mata Atlântica de SC

Com tamanhos que variam de 1 cm a 2,5 cm, eles pertencem ao gênero Melanophryniscus e vivem em grandes altitudes e em meio de bromélias terrestres

Três novas espécies de sapos foram descobertas na Mata Atlântica em Santa Catarina, sul do Brasil, entre as cidades de Garuva e Blumenau. A exemplo de outras espécies de anfíbios, eles são altamente sensíveis às mudanças climáticas e pelo menos uma das espécies foi classificada como ameaçada de extinção na categoria “em perigo”. A descrição dos novos sapos foi realizado por meio da publicação de um artigo científico na revista internacional PLOS ONE. As três novas espécies pertencem ao gênero Melanophryniscus e foram descobertas em campos no alto da serra do Quiriri e em florestas no alto da serra Queimada e nos morros do Baú e do Cachorro. As espécies são endêmicas dessas regiões, ou seja, só podem ser encontradas ali.

“As novas descobertas mostram quão rica é a biodiversidade da Mata Atlântica, ainda que restem apenas 8% desse ambiente natural tão vasto e desconhecido para muitos brasileiros apesar de concentrar cerca de 70% da população do país”, afirmou Malu Nunes, diretora-executiva da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, instituição que apoiou a pesquisa desse projeto. Entre 2013 e 2015, esse mesmo projeto propiciou a descoberta de oito novas espécies de mini sapinhos de outro gênero, Brachycephalus.

As três novas espécies descobertas são Melanophryniscus biancaeMelanophryniscus milanoi e Melanophryniscus xanthostomus, essa última em alusão a uma característica muito peculiar dessa espécie – a cor amarela (xanthos) que orna a boca do sapinho. As demais espécies homenageiam Bianca L. Reinert e Miguel S. Milano pela expressiva contribuição de ambos à conservação da natureza no Brasil.

Os novos sapos têm tamanho variado de 1 cm a 2,5 cm e possuem a pele escura com verrugas e espinhos e se alimentam basicamente de formigas e ácaros. Esses alimentos liberam substâncias químicas que irão se acumular na pele dos sapos e os tornam venenosos, sobretudo aos seus predadores, tais como cobras.

“O mais notável das espécies descobertas é que elas vivem em água acumulada pela chuva na base das folhas de bromélias terrestres, enquanto que as demais espéciesreproduzem em córregos e em poças”, disse o pesquisador da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Marcos R. Bornschein, biólogo e estudioso de aves e anfíbios desde o final da década de 1980. Participaram também da pesquisa os biólogos Márcio Pie, também da UFPR, e Luiz Fernando Ribeiro, da PUCPR. Todos são pesquisadores associados do Mater Natura - Instituto de Estudos Ambientais, que é a organização proponente e a executora do projeto junto à Fundação Grupo Boticário.

Apesar de viverem no alto de montanhas, os pequenos sapos são vulneráreis a impactos provocados diretamente pela ação humana, como desmatamentos, queimadas, atividades silviculturais e mineração. “A nossa preocupação é com a ameaça de extinção dessas espécies”, alerta Bornschein. De acordo com as pesquisas e levantamentos efetuados pelos cientistas, foi proposto formalmente que a espécie Melanophryniscus biancae seja classificada como em perigo de extinção. As outras duas espécies possuem dados deficientes que não possibilitam ainda classificá-las de acordo com os critérios da IUCN. “Para ter uma análise mais precisa das outras duas espécies, necessitamos ampliar nossas pesquisas em campo para avaliar a extensão de suas ocorrências e os riscos que sofrem”, ressalta o pesquisador.

Além das outras instituições, a STCP Engenharia de Projetos e a Prefeitura de Joinville também contribuíram para a realização da pesquisa.

Sobre a Fundação Grupo Boticário: a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza é uma organização sem fins lucrativos cuja missão é promover e realizar ações de conservação da natureza. Criada em 1990 por iniciativa do fundador de O Boticário, Miguel Krigsner, a atuação da Fundação Grupo Boticário é nacional e suas ações incluem proteção de áreas naturais, apoio a projetos de outras instituições e disseminação de conhecimento. Desde a sua criação, a Fundação Grupo Boticário já apoiou 1.439 projetos de 482 instituições em todo o Brasil. A instituição mantém duas reservas naturais, a Reserva Natural Salto Morato, na Mata Atlântica; e a Reserva Natural Serra do Tombador, no Cerrado, os dois biomas mais ameaçados do país.  Outra iniciativa é um projeto pioneiro de pagamento por serviços ambientais em regiões de manancial, o Oásis. Nainternet: www.fundacaogrupoboticario.org.brwww.twitter.com/fund_boticario e www.facebook.com/fundacaogrupoboticario.

Sobre o Mater Natura: O Mater Natura – Instituto de Estudos Ambientais é uma associação civil ambientalista, sem fins lucrativos, de caráter científico, educacional e cultural. Com uma história que se iniciou em 1983, sua missão é contribuir para a conservação da diversidade biológica e cultural, visando à melhoria da qualidade da vida. O Mater Natura tem a finalidade de atuar pela preservação, conservação, recuperação e manejo sustentável do meio ambiente, do patrimônio paisagístico e dos bens e valores culturais. Ao longo desse período executou 71 projetos que resultaram na descoberta de 21 novas espécies de animais da Mata Atlântica.

Relacionamento com a Imprensa
Maria Luiza Campos (marialuiza@nqm.com.br)
(41) 3254-6077 e (41) 9235-3107

Melanophryniscus biancae crédito Luiz Fernando Ribeiro/Fundação Grupo Boticário

Melanophryniscus milanoi crédito Luiz Fernando Ribeiro/Fundação Grupo Boticário

Melanophryniscus xanthostomus crédito Luiz Fernando Ribeiro/Fundação Grupo Boticário

Nenhum comentário: