sexta-feira, 29 de janeiro de 2016


Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
HOJE:
Agrotóxicos, Biodiversidade, Energia, Florestas, Governo Dilma, Licenciamento Ambiental, Mineração, Mudanças Climáticas, Política Ambiental, Queimadas, Trabalho Escravo
Ano 15
29/01/2016


Mineração

O Ibama apontou uma série de falhas e rejeitou o plano de recuperação ambiental da Samarco para áreas atingidas pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana. O Ibama considerou as ações propostas genéricas e superficiais. Ainda segundo o Ibama, o plano apresenta pouca fundamentação metodológica e científica. Os técnicos do instituto ressaltaram que a Samarco, cujos donos são a Vale e a BHP Billiton, não estipulou metas com prazos definidos para as ações, impossibilitando o acompanhamento das mesmas. O Ibama já notificou a Samarco para que complemente e atualize o plano até o dia 17 de fevereiro. Para o diretor do Ibama Paulo Fontes, o plano de recuperação apresentado pela Samarco é quase "amador" - O Globo, 29/1, País, p.9; OESP, 29/1, Metrópole, p.A17.
 

Energia

"Se a notícia não estivesse estampada em jornais e sites de organizações sociais (ISA, 21/1), seria difícil acreditar que a Presidência da República houvesse vetado vários pontos do Plano Pluriranual (PPA), 'com foco em objetivos, metas e iniciativas para o setor de energia elétrica'. E todos os vetos dizem respeito às energias renováveis não hidráulicas e às energias alternativas. Não houve vetos para termoelétricas e hidrelétricas. É vital aumentar a participação de energias alternativas, não poluentes, no quadro global. Esse é um dos temas centrais hoje no mundo. Infelizmente, os vetos presidenciais nos mostram regredindo nessa área e na qualidade do ar que respiramos. Como explicar o veto?", artigo de Washington Novaes - OESP, 29/1, Espaço Aberto, p.A2.
"Será difícil atingir um patamar de produção significativo antes que o torniquete do Acordo de Paris comece a apertar. A combinação entre conjuntura internacional desfavorável, erros do governo e, agora, restrições climáticas futuras toca o sino da morte para o sonho petroleiro do Brasil. Se a escola de nossas crianças depende mesmo do petróleo, como quis fazer crer a propaganda, então estamos numa roubada mais profunda que a camada do pré-sal", artigo de Carlos Rittl - FSP, 29/1, Opinião, p.A3.
 

Geral

Aumentar a produção agrícola e conservar o meio ambiente podem parecer tarefas inconciliáveis, mas um estudo anglo-brasileiro publicado ontem na revista "Science" busca desfazer essa noção. O Centro de Ciência da Conservação e Sustentabilidade do Rio, baseado na PUC-Rio, e a Universidade de Cambridge listaram quatro medidas que podem garantir ganhos para os agricultores e, ainda assim, deixar a floresta em pé. Nenhuma delas é autossuficiente: os pesquisadores recomendam a adoção de ao menos duas ao mesmo tempo. O texto diz que o Brasil avançou em relação a essas recomendações, mas os cientistas criticam o recente aumento do desmatamento na Amazônia Legal, que, em 2015, avançou 16% - O Globo, 29/1, Sociedade, p.27.
"Enquanto o governo federal confessa, sem parecer envergonhar-se, ter perdido o controle do desmatamento, que volta a crescer, o Congresso prossegue em sua avidez de desfazer os 'entraves ambientais': licenciamento, Código da Mineração, PEC 215 e outras ameaças à natureza e às comunidades tramitam com pressa sem afetar-se com escândalos e denúncias, nem com seus evidentes resultados negativos. O desastre das barragens em Mariana (MG) demonstrou os gravíssimos custos sociais e econômicos da impunidade dos que afrontam as leis ambientais. E deixa questões urgentes. Como avaliar corretamente os danos ambientais, sociais e econômicos provocados pelo acidente? Como, quando e quanto custará reparar esses danos? Como prevenir para que o problema não se repita?", artigo de Marina Silva - Valor Econômico, 29/1, Opinião, p.A11.
 
Imagens Socioambientais

Nenhum comentário: