quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Governador admite possibilidade de racionamento ‘severo’ de água em Minas


Governo de Minas estabeleceu meta de economia de 30% de água na região metropolitana de Belo Horizonte e criará uma sobretaxa para quem consumir mais que em 2014. Foto: Divulgação/Cesan

O governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, disse ontem (28) que o estado pode enfrentar um racionamento “severo” de água daqui a três meses. O estado é um dos mais atingidos pela crise hídrica que ameaça o abastecimento em parte do país.
“Se não chover, se o consumo não cair e a vazão não aumentar – se não conseguirmos mais captação, em três meses vamos ter que racionar severamente”, disse o governador após reunir-se com a presidenta Dilma Rousseff e o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, no Palácio do Planalto, para discutir a situação dos reservatórios mineiros.
Apesar do diagnóstico pessimista, Pimentel espera que medidas emergenciais possam atenuar os impactos da escassez e evitar o racionamento. O governo mineiro estabeleceu a meta de economia de 30% de água na região metropolitana de Belo Horizonte e criará uma sobretaxa para quem consumir mais água que em 2014. Além disso, uma obra de transposição do Rio Paraopeba para o Rio Manso, que abastece a capital, deverá melhorar o cenário até o fim do ano, antes da próxima estiagem.
“Vai chover um pouco, podemos aumentar a captação mesmo sem essa obra [transposição] e o consumo vai cair. Colocamos essa meta de 30%, que é uma meta factível e que nos permite vislumbrar atravessar o ano sem medidas drásticas, mas se isso não acontecer, vamos para o rodízio e para o racionamento”, confirmou.
Por Luana Lourenço, da Agência Brasil.
Publicado no Portal EcoDebate, 29/01/2015

Nenhum comentário: