terça-feira, 25 de agosto de 2009

Jovens fazem comícios para definir acordo climático


Encontro de jovens na Coreia do Sul encerrou com a promessa de mobilização para um acordo na Conferência sobre Mudança Climática, em dezembro; participantes dizem que medidas adotadas hoje pelos governos vão definir o futuro dos jovens e do mundo no qual irão viver.

Jovens de todos o mundo vão organizar comícios em 100 cidades para exigir que os governos firmem um acordo decisivo para reduzir a emissão de gases que causam o efeito estufa durante a Conferência sobre Mudança Climática marcada para dezembro, em Copenhague, na Dinamarca.

Uma nota do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Pnuma, indica que a decisão reflete o compromisso dos 800 participantes da Conferência Juvenil Internacional Tunza sobre o Meio Ambiente, que foi encerrada neste domingo em Daejeon, na Coreia do Sul.

Juventude em Ação

Durante o encontro, foram escolhidos 13 representantes da conferência que irão formar o Conselho Juvenil do Pnuma.
Segundo o diretor-executivo do órgão, Achim Steiner, se a paixão, dedicação e as idéias dos jovens forem adotadas pelos governos nas próximas semanas, será possível obter um acordo para reduzir as emissões de gás carbono, e ainda implementar uma economia verde eficiente.

Os participantes afirmaram, numa declaração conjunta feita no dia 20 de agosto, que as medidas adotadas hoje pelos governos irão definir o futuro dos jovens e do mundo no qual irão viver.

Pressão

Na declaração, eles pediram ainda aos governos que se comprometam com a implementação do Protocolo de Kyoto e pressionem empresas e instituições governamentais a produzirem produtos compatíveis com o meio ambiente.

O encontro promovido pela ONU reuniu jovens de 10 a 24 anos que representaram mais de 3 bilhões de pessoas no mundo todo.

Para ouvira esta notícia clique em http://downloads.unmultimedia.org/radio/pt/real/2009/0908245i.rm ou acesse: http://www.unmultimedia.org/radio/portuguese/detail/168650.html
***************************************
FONTE : Marco Alfaro, da Rádio ONU em Nova York (Envolverde/Rádio ONU)

Nenhum comentário: