quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014


Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Água, Amazônia, Energia, Povos Indígenas, Política Ambiental
Ano 13
19/02/2014

 

Povos Indígenas

 
  O Termo de Compromisso que deverá garantir os recursos para a implementação das ações de prevenção, mitigação e compensação dos impactos socioambientais aos povos indígenas atingidos pela usina de Belo Monte ao longo de 35 anos está sendo redigido pela Funai - Direto do ISA, 18/2.
   
 

Amazônia

 
  Em somente quatro anos de trabalho na maior floresta tropical do mundo, a Amazônica, pesquisadores do Museu Paraense Emílio Goeldi descobriram a existência de 169 novas espécies da fauna e da flora. O levantamento será anunciado hoje pelo museu. Entre os achados, estão 14 plantas e 155 animais, sendo a maioria (112) de aracnídeos. Há ainda 12 espécies de peixes, 10 de aves, 10 de anfíbios, 6 de répteis, 4 de dípteros (grupo dos mosquitos e moscas) e um mamífero - um pequeno primata - OESP, 19/2, Metrópole, p.A17.
   
 

Energia

 
  A chinesa State Grid quer iniciar em agosto de 2015 as obras da linha de transmissão de Belo Monte, de mais de 2 mil quilômetros de extensão. "Esperamos conseguir as licenças ambientais prévia e de instalação o mais breve possível", afirmou o presidente da empresa no Brasil, Cai Hongxian. Segundo ele, o investimento previsto na obra é de R$ 4,5 bilhões. Sem considerar o linhão de Belo Monte, a State Grid planeja investir R$ 2,2 bilhões no país até 2015. A maior parte dos recursos será destinada às obras da linha de transmissão que conectará a hidrelétrica de Teles Pires (MT) ao Sistema Interligado Nacional. Hongxian também contou que a empresa tem interesse em disputar o leilão da hidrelétrica de São Luiz do Tapajós - Valor Econômico, 19/2, Empresas, p.B2.
  Mesmo com o pacote de 2012 para reduzir o custo da eletricidade, o Brasil ainda tem a 11ª tarifa mais elevada do mundo, mostra levantamento da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). O valor é 8,8% superior à média de uma lista de 28 países selecionados pela organização. Antes das medidas adotadas pela presidente Dilma Rousseff, o Brasil estava na quarta posição. A tributação responde por boa parte do problema. Segundo a Firjan, impostos e contribuições federais e estaduais, mais os encargos setoriais respondem por 36,6% da tarifa - OESP, 19/2, Economia, p.B4.
  O governo decidiu aliviar a pressão sobre as usinas eólicas e suspendeu as regras impostas sobre a capacidade de geração desses empreendimentos. A decisão, tomada pela Aneel, diz respeito à oferta de energia que essas usinas tinham de garantir nos horários de pico de consumo do país. No caso das eólicas, valia a mesma condição imposta às hidrelétricas, ou seja, cada parque eólico tinha de garantir que possuía, em sua estrutura, uma energia equivalente a 1,5 vez a sua geração lançada no sistema. Com a decisão, as usinas de vento estão isentas de multas e não têm mais obrigação de contratar energia de reposição - Valor Econômico, 19/2, Brasil, p.A4.
  A estiagem e o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas fazem com que a dependência da energia gerada pelas usinas térmicas cresça cada vez mais no País. Em fevereiro, as termoelétricas foram responsáveis pela maior parte da energia gerada no Nordeste, superando a geração por hidrelétricas. Além disso, o governo autorizou o acionamento da usina de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, cuja operação é uma das mais caras do País. Segundo o secretário executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, ela deve funcionar nos meses de março e abril deste ano - OESP, 19/2, Economia, p.B4; O Globo, 19/2, Economia, p.23.
   
 

Água

 
  O governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) descartou ontem a possibilidade de racionamento de água, apesar de o índice do Sistema Cantareira ter voltado a cair, atingindo 18,4%, novo recorde negativo. Segundo Alckmin, a redução no consumo de água aumentou entre os dias 9 e 16 de fevereiro, na segunda semana do programa proposto para incentivar o uso consciente de água - OESP, 19/2, Metrópole, p.A16.
  A presidente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Dilma Pena, disse ontem que existem diferentes formas de medir o volume de água desperdiçada na distribuição aos consumidores e que a empresa tem um programa "muito agressivo" de redução de perdas. Segundo ela, porém, é "muito complicado" diminuir o índice de água perdida no trajeto da represa até a caixa d'água dos imóveis - OESP, 19/2, Metrópole, p.A16.
  A Sabesp terá de pagar uma multa diária de R$ 50 mil à Prefeitura de Guarujá caso não resolva problemas de fornecimento de água no município em até 24 horas. A decisão é da Justiça, que, às vésperas do Carnaval, manteve uma liminar a favor da prefeitura e obtida após áreas ficarem até oito dias sem água no começo do ano. No início de janeiro, uma pane elétrica numa das estações do município somada à alta demanda deixou muitos turistas sem água. Segundo análise dos promotores, "a manutenção precária do sistema e a ausência de efetivas ações para dar cumprimento às obrigações previstas no Código de Defesa do Consumidor demonstram de forma inequívoca a negligência da Sabesp" - FSP, 19/2, Cotidiano, p.C3.
   
 

Geral

 
  "Será que a escassez atual de água em diversos reservatórios da Região Sudeste, colocando em risco a geração de energia hidrelétrica e o abastecimento de água em várias cidades, é devida principalmente à falta de chuvas? O problema crucial não é a falta de chuva, e nem necessariamente as mudanças climáticas, mas sim a degradação de nossas bacias hidrográficas, que estão cada vez mais impermeabilizadas. O equilíbrio do ciclo hidrológico na natureza é fundamental para a produção sustentável de água doce, para o atendimento ao abastecimento de água, irrigação e geração de energia, bem como para o amortecimento das enchentes, devido ao trabalho fundamental das florestas, que retêm a água das chuvas", artigo de Agostinho Guerreiro - O Globo, 19/2, Opinião, p.19.
  A corrente Novo Rumo do PT conseguiu emplacar o novo secretário do Verde e do Meio Ambiente do município de São Paulo e venceu a disputa com o PCdoB, que defendia a nomeação do deputado estadual Alcides Amazonas (PCdoB). A nomeação do arquiteto Wanderley Meira do Nascimento, que já trabalhou na gestão da prefeita Luiza Erundina e em outras prefeituras petistas, saiu ontem no Diário Oficial da Cidade - OESP, 19/2, Metrópole, p.A15.
   
 
Imagens Socioambientais

Nenhum comentário: