sexta-feira, 21 de novembro de 2014


Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Água, Amazônia, Energia, Mudanças Climáticas, Parques, Povos Indígenas, Quilombolas, Saneamento
Ano 14
21/11/2014

 

Direto do ISA

 
  O extrativista Herculano Filho foi repórter por um dia para contar uma história de festa na Resex Riozinho do Anfrísio. Confira ainda reportagens históricas sobre a área e a Terra do Meio, no sul do Pará Direto do ISA, 20/11.
  Às vésperas do Dia da Consciência Negra, comemorado nesta quinta-feira (20), o governo paulista anunciou o reconhecimento das comunidades de Abobral da Margem Esquerda, Engenho, Bombas e Aldeia Direto do ISA, 20/11.
  Participantes apresentaram mapas mentais, informações sobre a organização socioeconômica das comunidades, além de experiências de manejo, como o da pesca no Rio Mariaé Blog do Rio Negro/ISA, 19/11.
  
 

Mudanças Climáticas

 
  Apesar da economia estagnada, as emissões de gases de efeito estufa cresceram em todos os setores no Brasil, atingindo 1,57 bilhão de toneladas de CO2 em 2013 - aumento de 7,8% em relação ao ano anterior. Essas são as conclusões da edição 2014 do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG) do Observatório do Clima. É uma reversão da tendência, que era de queda desde 2005. Houve aumento das emissões nos cinco setores estudados: mudança de uso da terra, energia, agropecuária, indústria e resíduos. O setor que mais contribuiu para esse quadro, com um aumento de 16,4% das emissões, foi o de mudanças do uso da terra, com o aumento do desmatamento na Amazônia e no Cerrado OESP, 20/11, Metrópole, p.A24; FSP, 20/11, Ciência, p.C9; O Globo, 20/11, Sociedade, p.27.
  Nos dez primeiros meses deste ano, as temperaturas médias do planeta foram as mais altas já registradas desde 1880, quando cientistas começaram a monitorar o clima global. As conclusões são de um relatório produzido por pesquisadores da Agência de Administração Oceânica e Atmosférica (Noaa), do governo dos Estados Unidos. De acordo com o relatório, o período entre janeiro e outubro deste ano foi o mais quente da história, batendo os recordes anteriores de 1998 e 2010, considerando-se a combinação das temperaturas médias sobre os oceanos e os continentes. A temperatura média do período (14,78oC) aumentou 0,68oC em relação à média do século 20, que foi de 14,1oC OESP, 21/11, Metrópole, p.A21.
  "Em 2013, aumentaram 7,8% as emissões brasileiras de gases que agravam o efeito estufa. Como o PIB cresceu só 2,5%, no ano passado o Brasil passou a poluir mais a cada unidade de riqueza produzida. O País está na contramão da economia de baixo carbono", editorial FSP, 21/11, Editoriais, p.A2.
  "Estamos aumentando as emissões de carbono sem que a economia cresça. Temos menos riqueza e mais sujeira. As emissões per capita do país vinha caindo sistematicamente. Chegamos a 7,2 toneladas de CO2 por habitante, em 2012, em linha com a média mundial. Agora voltamos a nos aproximar das 8 toneladas por pessoa. As causas são claras e podem ser enfrentadas. É uma questão de vontade política. O desmatamento não está descontrolado, mas precisa voltar ser enfrentado com rigor. Não dá mais para perder tempo com números. A hora é de agir", coluna de Agostinho Vieira O Globo, 20/11, Economia, p.24.
  
 

Amazônia

 
  O Pará voltou a liderar a lista das maiores áreas abertas no país este ano. Segundo o governo estadual, pelo menos metade do desmatamento ocorrido entre julho de 2013 e agosto de 2014 se deveu à especulação de terras, na esteira de projetos de infraestrutura futuros ou em andamento. O corte raso da floresta amazônica no Pará atingiu uma área de 2.346 Km2, uma guinada expressiva de 34,8% em relação ao ano anterior, e continua subindo, conforme dados oficiais de agosto e setembro. O novo canal de escoamento dos grãos do Centro-Oeste pela "saída Norte" está diretamente associada à compra de glebas na Amazônia e ao corte da floresta. O desmatamento salta aos olhos no eixo da soja - Novo Progresso (38.183 Km2), Santarém (22.890 Km2) e Itaituba (62.095 Km2), todos à margem da BR-163, que liga o Mato Grosso ao Pará Valor Econômico, 21/11, Agronegócios, p.B10.
 
Passados três anos desde o início de suas obras, a hidrelétrica Teles Pires, usina de 1.820 megawatts, que está em construção no Rio Teles Pires, na divisa do Mato Grosso com o Pará, recebeu quarta-feira sua licença de operação, concedida pelo Ibama. Com a autorização, o consórcio Companhia Hidrelétrica Teles Pires está liberado para fechar o rio e iniciar o enchimento da barragem, processo que deve durar cerca de duas semanas. A partir daí, a usina estaria pronta para começar a gerar energia. Mas, não. Com suas turbinas prontas para serem acionadas, Teles Pires vive hoje a falta de uma linha de transmissão para escoar a energia OESP, 20/11, Economia, p.B5.
  A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) vai analisar nas próximas semanas um pedido da Santo Antônio Energia para recompor prejuízos causados pela cheia histórica do Rio Madeira. O argumento da empresa é que, ao atender ao pedido do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para reduzir o nível do reservatório, a estrutura que desvia os troncos do rio para um vertedouro próprio se rompeu e comprometeu o rendimento das turbinas OESP, 21/11, Economia, p.B4.
  
 

Água

 
  Mesmo com a crise hídrica em São Paulo, 95% das indústrias, empresas, hospitais e hotéis do Estado não têm plano de emergência para enfrentar uma eventual falta de água, mostra levantamento realizado pela Unicamp entre outubro e novembro. A pesquisa constatou que, nos casos em que há plano de contingência, a saída é telefonar para uma fornecedora de caminhão-pipa. Praticamente um terço depende totalmente de sistemas de abastecimento público. Entre os hospitais, 100% não têm outra fonte de água FSP, 21/11, Cotidiano, p.C6.
  Pela segunda vez no ano, o nível do Cantareira ficou em um dígito. Ontem, segundo a Sabesp, o sistema estava com 9,9% da capacidade. O mesmo nível foi registrado em 10 de setembro - e a queda continuou na sequência. Mas, em 23 de outubro, com 3%, a Sabesp passou a somar mais 10,7% da 2ª cota do volume morto OESP, 21/11, Metrópole, p.A21; FSP, 21/11, Cotidiano, p.C6.
  
 

Geral

 
  Cerca de um bilhão de pessoas ainda não tem acesso a sanitários, nove em cada dez delas em áreas rurais, apontou relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Deste bilhão de pessoas sem acesso a sanitários, 825 milhões se concentram em apenas dez países, cinco deles na Ásia, sendo que a Índia aparece na liderança, com 597 milhões de pessoas, seguida de Indonésia, Paquistão, Nepal e China (dez milhões). Na África, a Nigéria soma 39 milhões nessa situação. Completam a lista Etiópia, Sudão, Níger e Moçambique (dez milhões) O Globo, 20/11, Sociedade, p.28.
  A organização Education Above All (Educação Acima de Tudo), presidida pela sheika Moza bint Nasser, mãe do emir do Qatar, pequeno país do Oriente Médio rico em petrodólares, irá financiar um projeto de acesso à internet na aldeia dos índios xikrin, na cidade de Parauapebas (PA), a partir do ano que vem. A iniciativa ainda está sendo formatada, mas a ideia surgiu após a sheika do Qatar visitar os Xikrin no ano passado com a proposta de estudar parcerias com comunidades indígenas do país O Globo, 20/11, Sociedade, p.30.
  O Parque Nacional do Iguaçu é um dos quatro geridos pelo governo federal com estrutura adequada para o turista. Suas atrações sustentam a economia da cidade de 256 mil habitantes. "Recebemos 1,5 milhão de visitantes por ano", conta Bruno Marques de Oliveira, diretor-presidente da concessionária Cataratas do Iguaçu, empresa que administra o parque. "No Brasil, cada emprego direto no turismo gera 11 indiretos. É uma indústria muito pouco explorada, mas que atrai a comunidade". De acordo com Marques, o crescimento do setor é freado pela resistência às concessões privadas, ainda "vistas com desconfiança" pelo governo O Globo, 20/11, Sociedade, p.28.
  
 
Imagens Socioambientais

Nenhum comentário: