quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Acordo de Paris começa a gerar frutos no Brasil

II JornadaEncontro pretende analisar como governos locais podem contribuir para minimizar impactos das mudanças climáticas
Por Redação da Envolverde* 
Qual o papel das cidades no enfrentamento das alterações do clima? Como colocar em prática ações que permitam ao Brasil estar alinhado às indicações do Acordo de Paris? Essas são algumas das discussões da II Jornada sobre Cidades e Mudanças Climáticas, realizada entre 24 e 25 de fevereiro, em Fortaleza (CE). O evento é promovido pelo ICLEI, principal associação mundial de governos locais dedicados ao desenvolvimento sustentável, em parceria com a prefeitura da cidade e Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.
Esse é o primeiro encontro nacional após a 21ª Conferência das Partes (COP-21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, quando foi firmado o Acordo de Paris que estabelece diretrizes e metas para que os países reduzam suas emissões de gases de efeito estufa para manter a temperatura média da Terra  abaixo de 2ºC em relação à era industrial, com esforços para limitar a 1,5ºC no máximo. A Jornada pretende, a partir do que foi definido, discutir como as cidades podem contribuir para minimizar o impacto das mudanças climáticas na vida das pessoas, incorporando práticas adequadas no desenvolvimento urbano do país.
“Essa discussão assume uma importância ainda maior porque este ano teremos eleições municipais em todo o Brasil e o tema mudanças climáticas não pode ficar de fora da campanha, dos debates e das plataformas dos candidatos”, afirma Pedro Roberto Jacobi, presidente do Secretariado para América do Sul do ICLEI.
Dentre os temas que serão debatidos estão o panorama pós COP21, compromisso das cidades com a sustentabilidade, financiamento climático, planejamento e adaptação às mudanças climáticas. Nesse último, será feita uma abordagem sobre utilização da Adaptação baseada em Ecossistemas (AbE). Nessa estratégia, aproveitam-se os serviços prestados pelos ambientes naturais equilibrados (como produção de água e proteção do solo) para auxiliar a sociedade na adaptação aos efeitos das alterações do clima.
“Temos percebido que o meio ambiente equilibrado é grande aliado para reduzir o impacto, por exemplo, das inundações e de estiagens que tem sido cada vez mais frequentes e intensas”, explica Guilherme Karam, coordenador de estratégias de conservação da Fundação Grupo Boticário e palestrante sobre o tema no evento. Karam também participou de discussões sobre o tema na COP21.
A II Jornada sobre Cidades e Mudanças Climáticas contará ainda com a participação de prefeitos de diversas regiões brasileiras, além de representantes de governos estaduais, do governo federal e de cidades de outros países da América do Sul. Também estão previstos representantes de instituições como Avina, BID, Future Cities Catapult, CEBDS, Fundação Konrad Adenauer, GIZ, ITDP, MercoCiudades, ONU Habitat, SOS Mata Atlântica, WRI e WWF.
Serviço:
II Jornada sobre Cidades e Mudanças Climáticas
Data: 24 e 25 de fevereiro
Local: Centro de Eventos do Ceará – Av. Washington Soares, 999 – Edson Queiroz, Fortaleza/CE.
Inscrições, programação e mais informações: http://iclei.org.br/jornadaclima/
* Com informações da Fundação Grupo Boticário. 

Nenhum comentário: