sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

A ciência, a tecnologia, as despreocupações e alguns interesses objetivos

Artigo do presidente da Agapan, Leonardo Melgarejo, publicado originalmente na revista Opiniões.

Reprodução revista Opiniões
Coautor: José Maria Guzman Ferraz, professor de Agroecologia da Unicamp 

A influência dos mercados e a pressão dos interesses econômicos açodam competições e vêm determinando rápida sucessão de itens oferecidos à sociedade, tanto bens de consumo intermediário como final. Implicando decréscimo no tempo de vida útil de tecnologias e mercadorias, esse fato pressiona os investidores a exigir rápida realização do capital aplicado em seus negócios. Na prática, resulta que a visão de curto prazo se torna dominante, com implicações óbvias.

O mais grave parece se relacionar ao fato de que muitas tecnologias e produtos são lançados no mercado antes que se obtenha conhecimento consolidado sobre possíveis efeitos colaterais, negativos, de médio e longo prazo. Em campos científicos recentemente abertos, como o da engenharia genética, a questão se torna alarmante porque a tecnologia derivada, geradora de seres vivos, tende a se descolar da ciência básica e, atuando como tecnociência, perde a sustentação que deveria fundamentar a segurança dos processos e seus produtos.

Confira o texto completo aqui ou aqui.

Nenhum comentário: