terça-feira, 21 de setembro de 2010

Renováveis contra a crise

A Espanha é um dos primeiros produtores mundiais de energia fotovoltaica, com potência instalada de 3.200 megawatts.

San Sebastián, Espanha, 20 de setembro (Terramérica).- Uma das causas da crise econômica espanhola é a escassa capacidade da economia para exportar bens de alto valor agregado. O pioneiro setor das energias renováveis tem potencial para preencher essa lacuna. “A matéria pendente da indústria espanhola, e um instrumento para superar a crise, é a exportação de bens, serviços e capitais”, diz um comunicado do Grupo Unisolar, dedicado – como seu nome sugere – à energia solar. Esta empresa, com sede em Madri, diz ter voltado os olhos para a América Latina, onde existe uma demanda para “conhecimento, financiamento e experiência em legislação normativa”.

A Unisolar já exporta para o Chile e começa a negociar com Colômbia e Guatemala. A companhia vende tecnologias de fabricação, equipamentos especializados, componentes e sistemas. Também está presente no Chile, desde 1987, uma filial da empresa Abengoa, com projetos de energia termosolar e eólica. A companhia saltou para as páginas dos jornais porque o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, aprovou uma garantia federal de US$ 1,45 bilhão para construção de uma usina termosolar no Arizona por essa empresa.

“No ano passado a indústria fotovoltaica espanhola exportou 75% de sua produção, sobretudo para a Alemanha. Contudo, a América Latina tem um peso ainda marginal pela falta de políticas de apoio para os sistemas conectados à rede”, explicou ao Terramérica Tomás Diaz, diretor de comunicação e relações externas da Associação da Indústria Fotovoltaica, que reúne 474 empresas do setor. “Alguns países, como Peru ou – mais atrasado – México, começam a implementar essas políticas, mas ainda são insuficientes para que exista um mercado fotovoltaico”, afirmou Tomás.

As energias renováveis representam 62% da nova capacidade de produção de eletricidade instalada na União Europeia em 2009, um avanço em relação aos 57% do ano anterior, segundo informe de julho da Comissão Europeia, órgão executivo do bloco. O setor solar está em alta. Segundo a Associação da Indústria Fotovoltaica Europeia, este setor, dedicado à conversão direta de energia luminosa em eletricidade, pretende fornecer 12% do serviço elétrico europeu em 2020. E a Espanha é um dos primeiros produtores mundiais de energia fotovoltaica, com potência instalada estimada em 3.200 megawatts, atrás da Alemanha, com 3.850 megawatts.

A Abengoa Solar, por exemplo, foi selecionada pelo consórcio Masdar, de Abu Dhabi, junto com a francesa Total, para construir e operar a maior usina solar do Oriente Médio. Além disso, o Masdar e a firma Sener formaram uma empresa conjunta, a Torresol Energy, para construir e operar usinas de energia solar por concentração (uma tecnologia fotovoltaica de alta potência) em todo o mundo. Um estudo apresentado pela consultoria Deloitte, no dia 1º de dezembro de 2009, diz que “o impacto econômico do setor das energias renováveis referente ao PIB da economia espanhola se concretiza em uma contribuição total de quase US$ 12 bilhões em 2008”, ou 0,67% do produto interno bruto.

As fontes renováveis na América Latina proporcionam 29% do fornecimento total de energia primária, “algo que parece bem impressionante em comparação com os 5,7% da cota de energias renováveis na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE)”, diz o informe do Global Energy Network Institute, de dezembro de 2009. “No entanto, a situação não é tão boa como parece. O setor da energia renovável da América Latina é quase totalmente dominado pelas energias hidrelétricas e pelos biocombustíveis”, acrescenta o documento com base em dados da Agência Internacional de Energia.

Nesses números “estão incluídos, além da grande hidráulica, os usos tradicionais da biomassa (lenha), com o que realmente reflete pobreza e não um bom dado de sustentabilidade energética”, segundo Tomás. A conclusão do Global Energy Network Institute é que “há potencial suficiente para ampliar em grande parte as energias renováveis na América Latina”.

O que podem fornecer as empresas espanholas? “A Espanha tem um desenvolvimento extraordinário de fontes renováveis, que a coloca entre os líderes do mundo. Todo este conhecimento e recursos, se não forem utilizados no mercado local por problemas regulatórios e restrições, as empresas de peso vão utilizar no exterior”, disse ao Terramérica um analista do setor.

Segundo Tomás, a energia fotovoltaica “é apropriada para aplicações isoladas da rede e projetos de eletrificação rural, para grandes usinas de produção centralizada e para sua distribuição em cidades seguindo um modelo de geração distribuída. Nenhuma outra fonte tem tal leque de opções”. Em sua opinião, as empresas espanholas “podem aproveitar os gigantescos recursos energéticos renováveis do Cone Sul: máxima radiação do planeta nos Andes para a energia solar, excepcional regime de ventos da Patagônia e oportunidade de desenvolvimento rural com cultivos energéticos”.

LINKS

Energia renovável espanhola ruma para oeste
http://www.tierramerica.info/nota.php?lang=port&idnews=3545

Povoados solares se acendem em Puna
http://www.tierramerica.info/nota.php?lang=port&idnews=3340

Volta ao mundo em avião sem combustível
http://www.tierramerica.info/nota.php?lang=port&idnews=3263

A energia solar ainda pode nos surpreender
http://www.tierramerica.info/nota.php?lang=port&idnews=233

“O potencial da América Latina com referência à energia renovável”, pdf em espanhol
http://www.geni.org/globalenergy/research/renewable-energy-potential-of-latin-america/el-potencial-de-america-latina-energia-renovable.pdf

“Estudo do impacto macroeconômico das energias renováveis na Economia espanhola”, pdf em espanhol
http://www.appa.es/descargas/NP_APPA_Estudio_Impacto_ER_Espana.pdf

Grupo Unisolar, em espanhol
http://www.grupounisolar.com/

Abengoa Solar, em espanhol e inglês
http://www.abengoasolar.com/corp/web/es/index.html

Associação da Indústria Fotovoltaica da Espanha, em espanhol
http://www.asif.org/

Associação da Indústria Fotovoltaica Europeia, em inglês
http://www.epia.org/

Torresol Energy, em espanhol e inglês
http://www.torresolenergy.com/es/index.html
****************************
FONTE : Miren Gutiérrez, correspondente da IPS. Artigo produzido para o Terramérica, projeto de comunicação dos Programas das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e para o Desenvolvimento (Pnud), realizado pela Inter Press Service (IPS) e distribuído pela Agência Envolverde.

Nenhum comentário: