terça-feira, 11 de julho de 2017

Acidificação dos oceanos reduzirá significativamente a diversidade de peixes


Acidificação dos oceanos reduzirá significativamente a diversidade de peixes

Pesquisadores da Universidade de Adelaide demonstraram, pela primeira vez, que a acidificação dos oceanos, esperada no futuro, reduziria significativamente a diversidade de peixes.

Em estudo publicado na Current Biology, os pesquisadores estudaram as interações das espécies em ambientes marinhos naturais em aberturas vulcânicas subaquáticas, onde as concentrações de CO 2 combinam com as previstas para os oceanos no final do século. Eles foram comparados com ambientes marinhos adjacentes com níveis atuais de CO 2 .
“A maioria das pesquisas sobre os impactos das mudanças climáticas, até agora, envolveu o estudo de espécies individuais ou pequenas em curtos períodos de tempo”, diz o líder do projeto, Professor Ivan Nagelkerken*, ecologista marinho no Instituto de Meio Ambiente da Universidade.
“A partir desses estudos, houve previsões de que a biodiversidade dos peixes seria reduzida – mas nunca fomos capazes de fornecer provas firmes antes.
“Este estudo foi feito em um ecossistema de algas de águas rasas, usando vapor de CO 2 vulcânicas como laboratórios naturais, para identificar o que os futuros ecossistemas podem ter como exemplo. Ele mostra ainda que os efeitos de previsão das mudanças climáticas nos futuros ecossistemas são impossíveis se o fizermos sem incorporar interações de espécies complexas “.
Os pesquisadores mostraram, em pesquisas e experimentos subaquáticos ao longo de três anos que, em ambientes marinhos de alto teor de CO 2 , uma ou duas espécies de peixes menores e com comportamento dominante proliferam enquanto as espécies menos agressivas e menos comuns desaparecem.
“Se olharmos o número total de peixes, verificamos que estes aumentam sob a acidificação do oceano, mas a biodiversidade local está perdida”, diz o professor Nagelkerken. “Há aumentos na abundância de alimentos, como pequenos crustáceos e caracóis e, porque as espécies dominantes tendem a ganhar quase todos os combates com outras espécies e são atraídas para o alimento muito mais rápido, seus números aumentam.
“As espécies pequenas de plantas daninhas normalmente serão mantidas sob controle por seus predadores – e por predadores, queremos dizer os predadores de tamanho médio que estão associados à algas marinhas. Mas a acidificação dos oceanos também está transformando os ecossistemas da algas, então estamos perdendo o habitat que protege esses predadores intermediários e, portanto, perdendo essas espécies.
Uma maneira como essa perda de biodiversidade pode ser adiada é reduzir a sobrepesca de predadores intermediários.
“Nós mostramos como a diminuição do número de predadores tem um efeito em cascata sobre a diversidade de espécies locais”, diz o professor Nagelkerken. “Controles fortes sobre a sobrepesca podem ser uma ação-chave para bloquear a perda de diversidade e a mudança do ecossistema em um mundo de CO 2 elevado “.
* Professor Ivan Nagelkerken, Environment Institute. University of Adelaide
Species Interactions Drive Fish Biodiversity Loss in a High-CO2 World
Ivan Nagelkerken3, Silvan U. Goldenberg, Camilo M. Ferreira, Bayden D. Russell, Sean D. Connell
DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.cub.2017.06.023

Por Robyn Mills**, Media Officer, University of Adelaide em EurekAlert!
Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate
in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/07/2017

Nenhum comentário: