segunda-feira, 7 de março de 2016

A maior ameaça à saúde deste século

Até 2050, a redução do consumo de frutas e verduras poderá causar duas vezes mais óbitos que a desnutrição. Foto: Shutterstock
Até 2050, a redução do consumo de frutas e verduras poderá causar duas vezes mais óbitos que a desnutrição. Foto: Shutterstock
Estudo afirma que impacto das mudanças climáticas sobre a produção de alimentos poderá causar mais de 500.000 óbitos adicionais até 2050. 
Por Redação da Envolverde – 
Nos próximos 35 anos, as mudanças climáticas reduzirão a produtividade da agricultura no planeta, fazendo com que a disponibilidade de comida por pessoa caia de 2% a 3% no mundo todo. O resultado são 529 mil mortes até 2050, a maioria na China e em outros países asiáticos. No Brasil serão cerca de 4.000 mortes adicionais.
Os resultados são de um estudo publicado na quarta-feira (2) no periódico médico The Lancet, a mesma publicação que no ano passado havia chamado a mudança climática de “a maior ameaça à saúde deste século”. A nova pesquisa, feita por um grupo do Reino Unido, analisou 155 países e modelou em computador o que aconteceria com a produção de alimentos, o comércio internacional e o consumo em diferentes cenários de emissão de gases de efeito estufa.
Sua principal conclusão é que o aquecimento global cortará em um terço o número de mortes por desnutrição e má alimentação que seriam evitadas naturalmente pelas melhoras na produtividade e na distribuição de comida nas próximas décadas.
Segundo os pesquisadores, liderados por Marco Springmann, do Programa Oxford Martin sobre o Futuro da Alimentação, a maior parte das mortes será decorrência da redução no consumo de frutas, verduras e legumes, não de desnutrição pura e simples. Por outro lado, foi visto efeito positivo da mudança do clima na redução global da obesidade e na redução do consumo de carne vermelha – que, no entanto, são mais do que compensado pelos dois fatores negativos.
Springmann e colegas afirmam que a adoção de trajetórias de redução de emissões poderia evitar até 71% dessas mortes adicionais. (#Envolverde).

Nenhum comentário: