quinta-feira, 25 de junho de 2015



Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Água, Amazônia, Biodiversidade, Cidades, Clima, Energia, Povos Indígenas
Ano 15
25/06/2015

 

Direto do ISA

 
  O movimento multissetorial Coalizão Brasil - Clima, Florestas e Agricultura lançado ontem, 24 de junho, em São Paulo, reuniu cerca de 400 pessoas, e apresentou propostas para influenciar a participação brasileira na COP 21, em Paris, no final do ano Direto do ISA, 25/6.
  
 

Energia

 
  O TCU (Tribunal de Contas da União) vai iniciar uma investigação sobre recursos públicos usados na construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte (PA), maior obra em andamento no país. A decisão foi tomada após pedido do Ministério Público para que fosse analisada a participação de empresas investigadas na Operação Lava Jato, que apura desvios de recursos na Petrobras, também nas estatais do setor elétrico. Andrade Gutierrez, Odebrecht, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e OAS integram consórcio que constrói a usina. A obra de Belo Monte está estimada em cerca de R$ 33 bilhões. A maior parte dos recursos para a construção viria de financiamento do BNDES -ao menos R$ 22,5 bilhões FSP, 25/6, Poder, p.A6.
  Em depoimento em março deste ano, o ex-presidente da construtora Camargo Corrêa Dalton Avancini apresentou o nome de executivos das empreiteiras Odebrecht e Andrade Gutierrez que, segundo ele, teriam participado de reunião em que se discutiu o pagamento de propina ao PMDB no empreendimento da usina Angra 3 já durante as investigações da Operação Lava-Jato. O encontro teria acontecido em agosto de 2014, na sede de outra construtora, a UTC, com a presença de representantes de outras empreiteiras participantes do consórcio vencedor para instalação e montagem de equipamentos na usina O Globo, 25/6, País, p.5.
  
 

Geral

 
  Um grupo de mais de 50 empresas e organizações, da Sociedade Rural Brasileira à WWF, lançou ontem a Coalizão Brasil pelo clima, pelas florestas e pela agricultura. Participam da Coalizão empresas de setores como papel e celulose, cana, química, madeira e construção. Entre os objetivos está influenciar o compromisso que o governo brasileiro precisa apresentar para a conferência do clima. Como o desmatamento ainda é a maior fonte de emissões de gases de efeito estufa no país (cerca de 35%), a maioria das propostas do manifesto se relaciona com ele. Empresas que assinam o documento apresentaram o compromisso de eliminar o desmatamento ilegal em suas cadeias de fornecimento. Apoiam ainda o desmatamento líquido zero FSP, 25/6, Ciência, p.B11.
  Medida prevista na lei de zoneamento proposta pela gestão Fernando Haddad (PT) e agora em debate na Câmara, a cota ambiental para novas construções deverá ter um efeito limitado, segundo a avaliação de urbanistas. Pelo texto, novos empreendimentos acima de 500 m2 devem atingir uma nota verde mínima, sob pena de não serem aprovados. A soma de pontos para atingir essa nota está baseada em quatro itens principais: região do terreno, tamanho da área verde que será mantida, número de árvores e plantas introduzidas e existência de pequenos reservatórios para acumular água da chuva. Embora a prefeitura avalie que a cota possa atingir 50% das áreas ainda edificáveis, especialistas estimam que, caso aprovada, ela não alcançará nem metade disso FSP, 25/6, Cotidiano, p.B8.
  "O beneficiário do serviço de coleta e tratamento de esgoto não é o indivíduo, e sim toda a coletividade. Portanto a conexão à rede e o pagamento pelo serviço de saneamento deveriam ser compulsórios, independentemente do trajeto seguido pela água servida. Se assim fosse, o senhor Y faria a sua parte no esforço coletivo de melhorar a salubridade e a qualidade do ambiente, em benefício de todos", artigo de Jerson Kelman FSP, 25/6, Tendências/Debates, p.A3.
  
 
Imagens Socioambientais

Nenhum comentário: