terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Igreja explora animais selvagens em evento de Natal nos EUA

15 de dezembro de 2014 

(da Redação da ANDA)
Foto: PETA
Foto: PETA
A ONG PETA (People for the Ethical Treatment of Animals) enviou um apelo à igreja Phoenix First Assembly of God, de Phoenix (Arizona, EUA), pedindo que a mesma pare de usar animais vivos em seu musical de Natal. As informações são do site da PETA.
Segundo a ONG, a igreja está planejando a aparição de leões, tigres e um elefante em sua “Celebração de Natal”, descrita como uma performance musical em estilo “Broadway” para comemorar a época do ano.
A PETA afirma que as empresas que fornecem os animais – Have Trunk Will Travel e Gentle Jungle – têm um histórico de reclamações de abusos dirigidas contra elas. Entre outras coisas, treinadores da Have Trunk Will Travel foram filmados dando choques elétricos e espancando elefantes enquanto os animais gritavam em pânico, e a Gentle Jungle repetidamente negou aos animais tratamento veterinário e abrigo apropriado.
Assim como muitas outras ONGs, a PETA também defende que “os animais não são nossa propriedade para que sejam usados para entretenimento”. Em um relatório, a PETA afirma que as leis do estado do Arizona proíbem a exibição de leões e tigres “exceto em certas circunstâncias que não se aplicam ao show da igreja Phoenix First”.
A igreja declarou, em um comunicado por escrito, que “A aparição de animais ao vivo acrescentou muito deleite e alegria a milhares de crianças e famílias que assistiram ao espetáculo. Uma vez que a igreja não possui os animais, nós recorremos a empresários e manipuladores profissionais para prover essa experiência de qualidade à nossa audiência. Nos 36 anos em que lidamos com animais vivos em nossos shows, nós não observamos nenhuma atividade que sentimos constituir abuso ou maus-tratos. Se algo assim for detectado, podem ter certeza de que iremos agir rápida e enfaticamente”.
A declaração da igreja não abordou a acusação feita pela PETA de que o uso de leões e tigres viola as leis estaduais.

Nenhum comentário: