sábado, 28 de março de 2009

Hora do Planeta desliga luzes em Santa Catarina


Movimento mundial teve adesão de sete municípios catarinenses
O movimento mundial que pretende apagar as luzes por 60 minutos no sábado a partir das 20h30min, em um ato simbólico pela preocupação com o aquecimento global, também terá a adesão em Santa Catarina.

Os municípios de Itajaí, Blumenau, Joinville, Balneário Camboriú, Corupá (Norte) e Pinhalzinho (Oeste), além de Florianópolis, declararam a participação na Hora do Planeta e irão desligar as luzes de seus monumentos mais importantes. Na Capital, serão apagadas as luzes da Ponte Hercílio Luz, um dos principais cartões-postais do Estado.

No país, monumentos como o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, e prédios públicos como o Congresso Nacional, em Brasília, ficarão às escuras. Curitiba (PR), Porto Alegre (RS) e Rio Branco (AC) estão entre as capitais que comunicaram adesão ao movimento.

Na terceira edição, a Hora do Planeta tem a intenção de alcançar mais de um bilhão de pessoas em mil cidades ao redor do mundo.

Os organizadores estimulam que qualquer pessoa apague a luz e reflita sobre o ambiente no horário indicado. Trata-se de uma espécie de reflexão coletiva, que pode envolver famílias, escolas ou grupos de amigos.

Em Blumenau, para citar um exemplo, a Unimed desligará as luzes de sua sede para reforçar o movimento.

WWF garante que efeito estufa está aumentando

A rede WWF, organizadora do movimento no mundo, quer engajar e mobilizar a sociedade para manifestar a preocupação com o problema do aquecimento global. A rede trabalha com a perspectiva de que as mudanças climáticas sempre aconteceram no mundo. Entretanto, está aumentando a concentração dos gases de efeito estufa na atmosfera — fenômeno provocado pelas ações humanas.

No Brasil, que participará pela primeira vez da Hora do Planeta, a idéia é conscientizar a população sobre os problemas gerados localmente. O desmatamento é o principal deles, representando 75% do total de emissões brasileiras do monóxido de carbônico (CO2), principal causador do aquecimento global. Como a nona economia mundial, a organização ambiental espera que o país seja um líder nas negociações com outros países para a diminuição da emissão de gases.

Além da busca pela conscientização, a Hora do Planeta é uma das maneiras encontradas pelo WWF para mostrar a manifestação social para que seja assinado, na Dinamarca, em dezembro, o Acordo Global de Clima, tratado da Organização das Nações Unidas (ONU).

O documento, envolvendo cem países, deve estabelecer as metas e regras para combater as mudanças climáticas e o aquecimento global através da diminuição das emissões pelos países.

De acordo com informações do Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima (IPCC), a manutenção dos ecossistemas, dos ciclos hídricos e da produção de alimentos depende da temperatura do planeta. Aumentando em mais 2ºC a temperatura média do planeta, segundo o IPCC, a vida humana poderá estar comprometida na Terra.

Ambientalistas de SC defendem iniciativa

Diminuir o consumo de energia durante uma hora, proposta da Hora do Planeta, pode ser o início de uma relação mais responsável com o ambiente. É o que pensam pessoas ligadas a movimentos ecologistas em Santa Catarina.

Para o coordenador da Federação das Entidades Ecologistas de Santa Catarina (FEEC), Alexandre Lemos, tudo o que envolve o ser humano, como o consumo, tem reflexo no ecossistema. Para ele, qualquer atitude que alavanque a mudança de paradigmas é importante.

— A Hora do Planeta é importante porque dissemina a consciência de que precisamos tomar uma nova postura no cotidiano — avalia.

O presidente da ONG Aliança Nativa, Rodrigo Brisighelli Salles, diz que, somente com a mudança cultural é que as diferenças no planeta poderão ser notadas. A Hora do Planeta, para ele, pode ser o primeiro passo para a criação de novos critérios de consumo, cada vez levando mais em consideração a necessidade da preservação. Na opinião de Salles, o tema deveria ser mais intensificado, especialmente com a inserção de uma matéria de educação ambiental no currículo do ensino fundamental.

A coordenadora administrativa do Instituto Sócio-Ambiental Campeche, Tereza Cristina Pereira Barbosa, ressalta que o ato pode alertar as pessoas do quanto se gasta no mesmo momento, mundialmente, com a energia. Segundo ela, as energias têm um fundo de destruição, principalmente na Europa, onde as fontes de energia são bastante poluentes.

— As pessoas precisam entender suas responsabilidades o mais breve possível. Já vemos que o planeta passa pela homeostase, uma auto-recomposição depois da destruição humana. O planeta responde às ações humanas com a busca pelo seu próprio equilíbrio.


DIARIO.COM.BR

Os principais monumentos que serão apagados

Santa Catarina
Corupá — prédios públicos

Itajaí — Teatro Municipal, Centro Eventos, Igreja Matriz, Museu Histórico, Biblioteca Pública, prefeitura e Fundação de Meio Ambiente

Florianópolis — Ponte Hercílio Luz, Praça dos Namorados

Blumenau — Prédio da Prefeitura

Joinville — Casa de Cultura, Estação Ferroviária, Museu de Arte e Museu Nacional de Imigração e Colonização

Balneário Camboriú — Cristo Luz


Brasil
Rio de Janeiro — Cristo Redentor, Pão de Açúcar, Parque do Flamengo, Orla de Copacabana, Comunidade do Morro Dona Marta, Jockey Club e Castelinho da Fiocruz

Curitiba — Teatro do Paiol, Fonte dos Anjos, Torre da Biodiversidade, Estufa do Jardim Botânico, Linha Verde — Monumento de Bambu, fontes das Praças Santos Andrade e Generoso Marques, portais Santa Felicidade e Polonês, pista de atletismo da Praça Osvaldo Cruz, Cancha polivalente da Praça Ouvidor Pardinho

Brasília — Congresso Nacional, Catedral, Conjunto Cultural da República, Teatro Nacional, ministérios e iluminação pública da Esplanada, Letreiro do Conjunto Nacional de Brasília, Câmara dos Deputados, Câmara Legislativa do Distrito Federal

Porto Alegre — Estátua do Laçador e Usina do Gasômetro

São Paulo — Ponte Estaiada, Monumento às Bandeiras, Viaduto do Chá, estádio do Pacaembu, Teatro Municipal, Obelisco, estádio do Morumbi e Parque do Ibirapuera

Belém — Mercado de São Brás, Parque Zoobotânico Bosque Rodrigues Alves

Rio Branco — Palácio Rio Branco (sede do governo estadual), prefeitura, Horto Florestal/Sede da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e o Novo Mercado Velho
Mundo
Cingapura — Merlion

Hong Kong (China) — Show Sinfonia das Luzes

Xangai (China) — Nova Torre Mundial Hong Kong

Paris (França) — Torre Eiffel

Sydney (Austrália) — Prédio da Ópera

Cidade do Cabo (África do Sul) — Montanha da Mesa

Toronto (Canadá) — Torre CN

Las Vegas (EUA) — Grande Cassino MGM

Dinamarca — Tivoli Copenhagen
******************
FONTE : DC e Hora do Planeta.

Nenhum comentário: