quinta-feira, 22 de março de 2018



Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA


HOJE:
Água, Agropecuária, Amazônia, Áreas Úmidas, Bacia do Rio Negro, Energia, Oceanos, Política Socioambiental, Povos Indígenas, Unidades de Conservação
Ano 18
22/03/2018


Unidades de Conservação



Brasil amplia em 16 vezes sua proteção marinha e ganha maior sítio de áreas úmidas do mundo

Anúncio das medidas foi feito ontem, em Brasília, no Fórum Mundial da Água. Sítio Ramsar inclui oito Terras Indígenas e 16 reservas ambientais no Rio Negro (AM) - Direto do ISA, 21/3.

 


Povos Indígenas



Índios Manoki lutam por território invadido por fazendas

A demora na homologação da TI Manoki (em Brasnorte, MT), tem facilitado a ação de invasores. Números do Programa de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), mostram que, até 2016, 37,4 mil hectares dos 206 mil hectares ainda não homologados haviam sido desmatados – o que representa mais de 18% do total. Segundo o Ibama, a retirada de vegetação, muitas vezes por meio de queimadas, visa, sobretudo, à extração ilegal de madeira e à abertura de lavouras e pastos - A Pública, 21/3.

Organizações brasileiras consideram inaceitável intimidação da Relatora da ONU para povos indígenas pelo governo das Filipinas

Organizações indígenas, indigenistas, ambientalistas, acadêmicas e de promoção dos direitos humanos do Brasil vêm a público manifestar sua preocupação com informações de que o governo das Filipinas teria incluído, em lista de pessoas associadas a terrorismo, conhecidos ativistas e defensores de direitos humanos e dos povos indígenas, como a Sra. Victória Tauli-Corpuz, atual Relatora Especial das Nações Unidas sobre os Direitos dos Povos Indígenas, e solicitar que seja retirada tal acusação. Consideramos inaceitável que o governo das Filipinas utilize esse artifício para intimidar a Relatora da ONU, e exigimos que sejam tomadas medidas visando sua proteção física e a continuidade de seu trabalho - RCA, 21/3.

 


Energia



70 milhões sem luz

Uma falha na recém-inaugurada que leva eletricidade da usina hidrelétrica de Belo Monte, no Pará, para o restante do país interrompeu ontem o fornecimento de energia em 14 estados das regiões Norte e Nordeste., atingindo cerca de 70 milhões de pessoas. Ao todo, as regiões afetadas correspondiam a 22,5% da carga total do Sistema Interligado Nacional (SIN) no momento da falha. Foi o maior apagão a afetar Norte e Nordeste desde 2010, quando praticamente todos o estados dessas regiões ficaram sem luz. A falha dos sistema, que ocorreu no meio da tarde, teve reflexos ainda em estados do Sul, Centro-Oeste e Sudeste por causa de um mecanismo previsto no sistema para evitar que um blecaute atinja todo o país - O Globo, 22/2, Economia, p.21; OESP, 22/3. Economia, p.B1; Valor Econômico, 22/3, Brasil, p.A6.

 


Água



Fórum mundial discute água sem debate

Com edição atual em Brasília, principal evento internacional sobre o tema tem paineis com falta de visões opostas.Isso porque, embora tenha prezado pela diversidade dos temas e origem dos palestrantes, oriundos de mais de cem países, o que se tem visto dentro de parte dos paineis até aqui foi, na maioria das vezes, a falta de visões opostas sobre o tema em discussão. Um dos painéis, por exemplo, trazia o debate sobre o uso da água para agricultura e produção de alimentos — a estimativa é que 67% do consumo no país seja do setor. Frisou-se a necessidade de aumentar a captação da água da chuva e o uso de tecnologias, mas pouco se falou sobre o gasto atual da água - FSP, 22/3, Cotidiano, p.B1.

Na dúvida, juiz deve decidir a favor da água

A água deve ser reconhecida pelos tribunais de diferentes países mais como um direito humano do que como mercadoria. Em caso de dúvida ao julgar casos na área de direito ambiental, magistrados também devem adotar o princípio de "in dubio, pro aqua", ou seja, tomar decisões a favor da preservação dos recursos hídricos - FSP, 22/3, Cotidiano, p.B1.

O século da escassez

Após décadas de uso descontrolado, destruição de matas que protegem nascentes e rios, falta de saneamento e mudanças climáticas, país testemunha as maiores secas desde 1900 e vive crise hídrica sem precedentes . No século XXI, morre um dos mitos mais consolidados de nossa História: o da abundância de água. Sob o mito da abundância, sepultado por especialistas, em 20 anos o volume de água retirado de nossos 12 mil rios aumentou 80%. A estimativa é que até 2030 cresça 30% - O Globo, 22/3. País, p.9.

Brasil já registra um conflito por água a cada dois dias

No oeste baiano, plantações de soja, milho e algodão formam um mar verde e branco de ponta a ponta. A região, onde o agronegócio avança e prospera, foi palco recentemente da revolta de pequenos agricultores, que culminou com a invasão de duas grandes fazendas e prejuízos estimados em R$ 50 milhões. Não, não era uma tradicional disputa por terra. O que estava em jogo desta vez era o acesso à água, uma categoria de conflito que não para de crescer no Brasil. Foram 172 registros em 2016, segundo o último relatório da Comissão Pastoral da Terra. Ou praticamente um conflito a cada dois dias - O Globo, 22/3. País, p.12.

O Velho Chico agoniza

No lago de Sobradinho, o 'mar virou sertão', e ruínas antes submersas se tornaram casas, marcas da tragédia do maior rio totalmente brasileiro. Castigado por secas e degradação, o São Francisco perdeu 98% das matas que protegiam suas margens. E tem hoje 50% do volume de 30 anos atrás. Os peixes perderam diversidade, quantidade e tamanho, mostram estudos da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). Surubins e dourados nativos do São Francisco nadam ali em abundância só nas águas da história - O Globo, 22/3. País, p.10.

Reflexões sobre a água

"São mais de 45 mil grandes barragens em todo o mundo que ajudam a produção de alimentos, geração de energia elétrica, controle de inundações, produção industrial e abastecimento público para as residências e os estabelecimentos comerciais e de prestação de serviços. Especialistas afirmam que cerca de 30 a 40% das terras irrigadas e cultivadas vêm de águas represadas, além de 19% da eletricidade mundial. Atualmente, se discute a sustentabilidade dos grandes reservatórios artificiais, por conta dos impactos causados como a geração de gases de efeito estufa pela degradação anaeróbia da vegetação encoberta pela água e o deslocamento de pessoas de suas terras, incluindo as civilizações indígenas e tradicionais”, artigo de Cristiane Lima Cortez e José Goldemberg - Valor Econômico, 22/3, Opinião, p.A15.

 

Nenhum comentário: