sexta-feira, 19 de maio de 2017




Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Amazônia, Áreas Protegidas, Biodiversidade, Clima, Mineração, Povos Indígenas, Regularização Fundiária, Política Socioambiental
Ano 17
19/05/2017

 

Direto do ISA

 
  Em editorial, o ISA defende a realização de eleições diretas antecipadas Blog do ISA, 18/5.
  Nova edição da série histórica do ISA será lançada na noite da próxima terça (23/5), na Banca do Largo Direto do ISA, 18/5.
  
 

Clima

 
  A forte chuva que caiu na madrugada desta quinta-feira, 18, fez estragos no interior do Estado de Roraima, deixando debaixo d’água uma das pontes que dá acesso ao município de Uiramutã, região nordeste de Roraima, deixando isolados 60 indígenas das comunidades de Kumapai e Caxirimã, além dos moradores da sede do município. Os indígenas da comunidade Kumapai precisaram se deslocar para uma serra próxima da aldeia para conseguir abrigo. Mais de 15 comunidades indígenas estão na mesma situação. Quatorze casas, a escola e o posto médico da comunidade estão debaixo d’água Folha de Boa Vista, 19/5.
  A falta de chuvas sem precedentes que assolou a região amazônica no início de 2016 impactou fortemente a oferta de castanha-do-pará. A produção da amêndoa registrou nesta safra uma quebra estimada de 70%, a maior que já se viu, o que tem provocado aumento expressivo nos preços e, em muitos casos, a necessidade de substituição por produtos similares mais baratos. Nativa da Amazônia, a castanha-do-pará é recolhida manualmente do chão da floresta no Brasil, na Bolívia e Peru por extrativistas que fazem longas viagens mata adentro e, tradicionalmente, voltam com baldes carregados para casa. Mas entre janeiro e abril deste ano, época da colheita, retornaram à cidade com um terço do volume coletado em anos anteriores Valor Econômico, 18/5, Agronegócios, p.B10.
  Um novo estudo feito por cientistas americanos aponta que uma elevação do mar de 5 até 10 centímetros dobrará o risco de inundação na maior parte das regiões costeiras do mundo. O estrago será maior nas cidades litorâneas das regiões tropicais, incluindo a costa brasileira. De acordo com a maior parte dos estudos realizados até hoje sobre o tema, entre 2030 e 2050 a elevação dos oceanos será de 5 a 10 centímetros. Segundo os autores do novo estudo, que foi liderado por Sean Vitousek, da Universidade Illinois em Chicago, nos Estados Unidos, as inundações costeiras são causadas por ressacas extremas, que por sua vez resultam de fatores simultâneos como ondas, ventos e marés OESP, 19/5, Metrópole, p.A21.
  Plantas estão crescendo na Antártida como nunca antes na modernidade, estimuladas pelo aquecimento global que está derretendo o gelo e transformando paisagem branca em verde, anunciaram cientistas. Pesquisadores que estudam musgos em uma área de 640 km de extensão descobriram um forte aumento no crescimento destes vegetais nos últimos 50 anos, de acordo com o relatório publicado no jornal "Current Biology". A Antártida possuía somente 0,3% de sua área com plantas FSP, 19/5, Ciência, p.B8.
  "Até aqui, parece que agrônomos, climatologistas, economistas e enólogos concordam. Mas eles estão cientes de que mudança climática é mais do que mero aquecimento global médio, seu efeito mais conhecido. Há também o fenômeno dos picos climáticos extremos e fora de época, cuja frequência aumenta. É o caso das geadas primaveris deste ano, com ameaça de perda total na safra em Bordeaux, apesar dos grandes investimentos para tentar mitigar o problema. São poucos os produtores que poderiam sobreviver numa conjuntura desse tipo, se ela vier a se repetir a cada poucos anos", artigo de Roberto Smeraldi Estadão Online, 17/5, Paladar
  
 

Mineração

 
  "Por se tratar de um setor que representa aproximadamente 8% do PIB brasileiro e um dos principais responsáveis pelo superávit da balança comercial, era de se esperar que o Estado dedicasse especial zelo na regulação da indústria de mineração. Contudo, temos uma legislação arcaica, que não reconhece sequer as principais formas de garantias existentes no direito civil e não cuida de outros temas extremamente importantes como a regulação ambiental e uma plataforma de incentivo para solução da questão das populações afetadas. Some-se a isso o fato de o Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) - autarquia responsável pelo setor - não possuir quadros suficientes para atender a todas as demandas existentes", artigo de Frederico Rodrigues, Eduardo Carvalho e Luciano Souza Valor Econômico, 19/5, Legislação, p.E2.
  
 
Imagens Socioambientais

Nenhum comentário: