quinta-feira, 30 de março de 2017




Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Água, Amazônia, Belo Monte, Biodiversidade, Mineração, Mudanças Climáticas, Pecuária, Povos Indígenas, Quilombolas, UCs
Ano 17
30/03/2017

 

Direto do ISA

 
  Empresa responsável por hidrelétrica não compareceu à audiência convocada pelo MPF para discutir condições de vida de indígenas e ribeirinhos Direto do ISA, 29/3.
  
 

Quilombolas

 
  "A luta dos quilombolas é por terra, direitos sociais, trabalho e renda. No quilombo Maria Joaquina, a comunidade quer recuperar o velho moinho de farinha, destruído pelo efeito do tempo e pelas fortes chuvas de 2016, para produzir tapioca, derivado mais valorizado da mandioca nos dias de hoje. Da vegetação do terreno, saem banana, carambola, abacate e noni, o fruto a que os antigos atribuem efeitos benéficos à saúde. Nenhuma fruta é vendida; são consumidas pela comunidade ou doadas aos vizinhos. Porque as comunidades quilombolas nasceram da luta pela liberdade, mas também das tradições culturais e religiosas, dos modelos tradicionais de produção, dos laços familiares e das redes de solidariedade do povo oprimido", coluna de Flávia QuaresmaO Globo, 30/3, Sociedade, p.34.
  
 

Mudanças Climáticas

 
  Poucas horas depois de o presidente Donald Trump ter anunciado o maior ataque contra regulações que limitam emissões poluentes nos EUA, seu colega chinês, Xi Jinping, plantou árvores em Pequim e exaltou os habitantes do país mais populoso do mundo a respeitar a natureza. Ao mesmo tempo, seu governo declarava estar "100%" comprometido com o Acordo de Paris. O contraste marca a inversão de papéis entre os dois maiores poluidores do planeta e indica que a China assumirá a liderança mundial no combate à mudança climática, enquanto Trump se retira e aposta no renascimento de minas de carvão e da indústria de combustíveis fósseis OESP, 30/3, Internacional, p.A13.
  
 

Poluição do Ar

 
  Um estudo assinado por pesquisadores americanos, britânicos e chineses alertou ontem que consumidores de roupas, brinquedos e produtos eletrônicos estão contribuindo para dezenas de milhares de mortes nos locais em que estes bens são produzidos. De acordo com o levantamento, 3,5 milhões de pessoas morrem prematuramente a cada ano devido à poluição atmosférica. Cerca de 22% dos óbitos seriam relacionados a bens e serviços fabricados em uma região e depois importados. Professor de economia do clima da Universidade de East Anglia, Dabo Guan ressalta que o estudo considerou dados de 228 países e, por isso, reivindica uma ação internacional contra a deterioração no ar. "Até agora se pensava na poluição atmosférica como um assunto local", disse O Globo, 30/3, Sociedade, p.34.
  
 

Água

 
  Para encher os tanques do Instituto de Pesca, que será inaugurado nesta quinta-feira, 30, o governo estadual desviou água e secou o Córrego do Morais, afluente do rio que abastece parte de São José do Rio Preto, no interior paulista. A captação da água na represa, ocorrida dentro de uma estação ecológica (unidade de proteção integral do Estado), fez sumir a Cachoeira do Ipa, atração turística. Segundo ambientalistas, a seca também prejudica a fauna. O Instituto de Pesca, órgão do Estado, disse que interrompeu a captação de água ontem, após constatar o problema OESP, 30/3, Metrópole, p.A16.
  Quatro anos após ter sido paralisado, o programa de limpeza de córregos da capital paulista está sendo retomado em uma ação conjunta entre o governo Geraldo Alckmin e a gestão do prefeito João Doria, ambos do PSDB. A parceria, que foi lançada em 2007 e abandonada em 2013, é considerada essencial para o projeto de despoluição do Rio Tietê, que começou há 25 anos e já consumiu cerca de US$ 3,5 bilhões. Inicialmente, o foco será recuperar 89 dos 149 córregos que foram despoluídos pelo programa desde 2007, a um custo de R$ 240 milhões OESP, 30/3, Metrópole, p.A15.
  Depois de tentativas frustradas do poder público em despoluir o Rio Pinheiros, a iniciativa privada decidiu, por conta própria, captar dinheiro e financiar estudos para elaborar um projeto de concessão que prevê a requalificação do rio que corta a capital para que suas águas possam ser revertidas permanente para a Represa Billings, aumentando o potencial de geração de energia elétrica na Usina Henry Borden, em Cubatão, e de produção de água na Grande São Paulo OESP, 30/3, Metrópole, p.A16.
  
 

Nenhum comentário: