segunda-feira, 8 de agosto de 2016

O fim de todas as guerras

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Por Dal Marcondes, da Envolverde* 
Milhares de pessoas continuam morrendo em guerras em todo o mundo, seja em frentes de combates ou em ações terroristas. O legado de Hiroshima deveria ser de paz.
A Bomba Atômica foi desenvolvida durante a Segunda Guerra Mundial como sendo a arma que poria fim a todas as guerras. No dia 6 de agosto de 1945, um Boeing B-29 denominado Enola Gay lançou sua carga sobre a cidade japonesa de Hiroshima. 80 mil pessoas morreram imediatamente e outras milhares morreram nos dias seguintes, além de sequelas em outras tantas.
O argumento para a produção da Bomba Atômica é que ela seria uma arma de dissuasão, que a simples existência de tal arma faria com que os países não pensassem mais na possibilidade de um confronto militar. De fato, nunca mais uma bomba desse tipo, e nem suas sucedâneas tecnologicamente mais potentes, foi utilizada em um conflito armado. Mas longe de colocar um fim em todas as guerras, passou a ser um fantasma pairando sobre a humanidade.
O Memorial da Paz de Hiroshima, chamado Cúpula Genbaku ou Cúpula da Bomba Atômica, pelos japoneses, localiza-se em Hiroshima, Japão.
O Memorial da Paz de Hiroshima, chamado Cúpula Genbaku ou Cúpula da Bomba Atômica, pelos japoneses, localiza-se em Hiroshima, Japão. Foto: Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas (06/12/2014)
Os anos de Guerra Fria, nas décadas de 50 e 60, espalharam os conflitos pelo mundo, tornando o mercado de armas convencionais uma atividade de extremo vigor. Nestas primeiras décadas do século 21 pouco se pensa sobre a possibilidade de um conflito nuclear. No entanto, existe cerca de 10 mil ogivas nucleares operacionais no Planeta, o suficiente para um holocausto total, com a possível extinção não apenas da humanidade, mas de milhares de outras espécies que compartilham a Terra conosco.
As imagens de Hiroshima, e de Nagasaki, cidade bombardeada apenas dois dias depois, serviram para pôr fim à guerra no Pacífico, e até hoje provocam reações de pavor em todo o mundo. Mas não foram suficientes para eliminar da Terra os horrores da guerra.
Hoje o mundo vive uma nova crise militar e política de grandes proporções. Países estão desestabilizados em diversas partes e hordas de milhões de refugiados transitam pelas fronteiras. A xenofobia toma conta de países até bem pouco tempo muito liberais com diferenças e com estrangeiros. Uma onda de conservadorismo ameaça interromper décadas de cooperação global e de liberdades civis.
O legado de Hiroshima deve ser de Paz, de cooperação, para que a humanidade não precise mais enfrentar os horrores das guerras. Vamos, então, fazer um Minuto de Silêncio, não pelas vítimas da Bomba Atômica lançada em 1945, mas por todas as vítimas de guerras atuais, em todos os fronts em que elas acontecem. (#Envolverde)

Nenhum comentário: