quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Os culpados das próximas enchentes

Será que o brasileiro tem uma tara especial para fazer sua casa ou muitas vezes barraco em lugares perigosos?

Sorte grande. Há mais de 15 dias que não há enchentes no Rio. O morro do Bumba, em Niteroi já está esquecido. O mesmo pode-se dizer dos deslizamentos de Ilha Grande. Quem ainda se lembra? Das avalanches de Friburgo e Teresópolis ainda há lembranças, mas mesmo estas começam a esvair-se. Quantos mortos foram mesmo? 500, 700? Mas agora parou. São Pedro está calmo.

Mas afinal quem são os culpados por essas tragédias?

Fala-se de aquecimento global, calotas polares, problemas que o sistema capitalista não está interessado em solucionar. E aí se fazem grandes seminários para descobrir a raiz destes desastres. Como se já não estivéssemos cansados de saber.

Será que o brasileiro tem uma tara especial para fazer sua casa ou muitas vezes barraco em lugares perigosos? Será que é uma mania de irresponsabilidade do nosso povo? Aliás, por que o brasileiro adora morar em favelas? Será que se diverte em construir barracos na beira de córregos, de esgotos, em encostas impossíveis?

Se assim o fosse, seria um povo de estranhas manias. Mas não é.

O Ministério das Cidades diz que há 10 milhões de moradias em condições precárias no Brasil. Se diz 10, com certeza são 20. O recém empossado ministro de Ciência e Tecnologia, Aloísio Mercadante, fala de 5 milhões de famílias convivendo com o perigo de enchentes ou deslizamentos de encostas, ou qualquer outro desastre “natural”.

Por que milhões de pessoas vivem nessa situação?

Dados do IBGE revelam que há no país mais de 40 milhões de trabalhadores que não podem nem sonhar em morar decentemente. São pessoas que ganham, de acordo com o órgão, até um salário mínimo por mês. Mas isso é um luxo frente aos 30 milhões de pessoas que vivem, ou melhor, sobrevivem ou vegetam com até R$ 140 mensais. Com esse salário dá para escolher onde morar?

E ainda há “otoridade” que diz que os pobres são culpados de morar em áreas de risco. Essas pessoas, que moram em condomínios fechados, muito bem planejados e seguros, não veem que as nossas cidades não tem plano urbanístico. Não querem ver que há vereadores, deputados ou nobre senadores que, em troca de votos dos moradores das encostas perigosas, autorizam qualquer tipo de construção, antes da próxima enchente. O problema não é que o povo tem tara pela irresponsabilidade. É o sistema todinho a ser mudado. Por este povo das encostas. Um dia.
****************************
FONTE : Vito Giannotti, escritor e Coordenador do Núcleo Piratininga de Comunicação. (Publicado originalmente na edição 415 do Brasil de Fato - http://www.brasildefato.com.br/node/5648). (Envolverde/Brasil de Fato).

Um comentário:

Mimirabolante disse...

Hoje estive em Petrópolis....fui fazer umas doações e visitar minha mãe,meus sobrinhos.....fiquei estarrecida em ver as caçambas vazias e o lixo nas calçadas......aí,na hora do jantar ,vi o Jornal Nacional a chuvinha inundação em São Paulo.......conclusão:nós somos os verdadeiros responsáveis das catástrofes !!!!bjcas