quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Penalizando vidas, valores e destruindo raízes

Manifesto da ecologista de Goiás, minha amiga IRACEMA DANTAS DE ARAUJO.
Envie esta mensagem de repúdio ao Prefeito Iris Rezende, no sentido de motivá-lo
a mudar de idéia com relação a essa decisão.
E-mail: irisrezende@goiania.go.gov.br – Fax: 62 3524.1058 – Fone: 62 3524.1063.
***********************************

"Você sabe da nefasta iniciativa da Prefeitura de demolir as casas da rua CD, no centro, para construir um viaduto e urbanizar toda a região? Um desatino essa idéia de derrubar imóveis que ainda guardam resquícios da arquitetura original, inspirada no estilo art déco, formado por casas que remontam ao início dos anos 40 quando o Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Comerciários (IAPC) construiu um dos primeiros conjuntos residenciais de Goiânia. Além do mais, essa área nunca foi objeto de atenção do governo Iris. Prova disso é a penosa situação em que se encontra o Mutirama. Concordamos que o Parque Mutirama precisa ser revitalizado, mas não às custas de penalizar vidas, valores e destruir raízes.

“Toda vez que nós matamos uma flor, derrubamos uma árvore, ceifamos a história de vidas, fazemos desaparecer valores e destruímos raízes, a Humanidade morre um pouco. E quando o prefeito Iris tomar consciência disso, pode ser tarde demais. De mãos dadas, o Homem é ilimitado”.
Iracema Dantas - ecologista

Um comentário:

antes que a natureza morra disse...

RECEBIDO POR EMAIL
*************************
From: Iracema Dantas de Araújo
Sent: Wednesday, February 10, 2010 5:23 PM
To: James Pizarro
Subject: Explicando melhor






Professor James, moro nas imediações. Aqui é um local que nunca mereceu sequer "um olhar de soslaio da prefeitura”. Além do mais, estamos em fim de mandato. Essa obra é caríssima. Pelo jeito, vão sobrar apenas buracos.
O Parque Botafogo foi criado com o intuito de preservar uma área verde de 540.000m2 e de tornar-se um local de lazer para a população. Atualmente conta com 172.033,06m². É cortado pelo Córrego Botafogo e pela Marginal Botafogo, resultando em duas áreas distintas. A Área 1 possui mata com espécies nativas e várias nascentes, tem caminhos, estares com mesas, bancos e lago. Já a Área 2 tem pista de cooper e de bicicross, boxes, sanitários e chuveiros próximos ao campo de futebol em terra batida, arquibancada, quadra polivalente e de peteca. Unindo-as, tem uma ponte.
Em 1989 reuni um grupo para defender o Parque Botafogo, totalmente abandonado pelas autoridades e quase todo engolido pelas invasões.
É comum eu ir ao Parque e vê o abandono, o descaso que a Comurg tem com ele. Se você for no Vaca Brava, Parque Areião, Flamboyant e outros, está tudo capinadinho, tudo arrumadinho. Aqui, não. Não fosse eu pedir à Amob para asfaltar a entrada pelo Colégio Murilo Braga, seria impossível trafegar por esse local.
Considero-me meio “mãezona” desse pedaço. O que tem por aqui: iluminação, telefone público, sinalização horizontal/vertical, troca de árvores, foi graças à minha “implicância” com as autoridades. Na época em que eu podia andar, nada escapava aos meus olhos.
Por favor, veja em anexo a carta que enviei ao Nion Albernaz e o convite para o plantio de árvores (em 1989). E uma foto da vista do local em questão, tirada da cozinha do meu apê.
Quem garante que ele será implantado nesse quimba de governo?
Abraços,

Iracema