quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Criança, a alma do negócio

"Por que meu filho sempre me pede um brinquedo novo? Por que minha filha quer mais uma boneca se ela já tem uma caixa cheia de bonecas? Por que meu filho acha que precisa de mais um tênis? Por que eu comprei maquiagem para minha filha se ela só tem cinco anos? Por que meu filho sofre tanto se ele não tem o último modelo de um celular? Por que eu não consigo dizer não? Ele pede, eu compro e mesmo assim meu filho sempre quer mais. De onde vem este desejo constante de consumo?" Este documentário reflete sobre estas questões e mostra como no Brasil a criança se tornou a alma do negócio para a publicidade. A indústria descobriu que é mais fácil convencer uma criança do que um adulto, então, as crianças são bombardeadas por propagandas que estimulam o consumo e que falam diretamente com elas. O resultado disso é devastador: crianças que, aos cinco anos, já vão à escola totalmente maquiadas e deixaram de brincar de correr por causa de seus saltos altos; que sabem as marcas de todos os celulares mas não sabem o que é uma minhoca; que reconhecem as marcas de todos os salgadinhos mas não sabem os nomes de frutas e legumes. Num jogo desigual e desumano, os anunciantes ficam com o lucro enquanto as crianças arcam com o prejuízo de sua infância encurtada. Contundente, ousado e real, este documentário escancara a perplexidade deste cenário, convidando você a refletir sobre seu papel dentro dele e sobre o futuro da infância.
**********************************
FONTE : Vídeos do 2° Fórum Internacional Criança e Consumo realizado em 2008: http://www.forumcec.org.br/ (Envolverde/Horizonte Vermelho)

2 comentários:

Mimirabolante disse...

Olha,eu acho este bombardeio um absurdo......deveria ter uma lei,um limite para isso.....é um excesso de consumismo.....

Suziley disse...

É, o consumismo exagerado e inconsequente entre as pessoas, sobretudo, partindo das crianças é bastante preocupante. Além da pergunta "Que mundo vamos deixar para nossos filhos?" temos que reverter, muitas vezes, também, para a seguinte indagação: "Que filhos vamos deixar para o mundo?". Tudo começa em casa. Só há um caminho para reverter esse quadro alarmante (é muito triste ver as crianças desconhecerem os nomes dos legumes...), a educação e o exemplo dos pais e das pessoas responsáveis pelas crianças. Vamos lá então! Parabens pela postagem James!
Um grande abraço, :)
Suziley.