sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018



Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA


HOJE:
Amazônia, Belo Monte, Cidades, Desmatamento, Povos Indígenas, Produtos da Floresta, Resíduos Sólidos
Ano 17
18/01/2018


Produtos da Floresta



Farinha de babaçu amazônica

"Sempre tive farinha de babaçu na despensa, geralmente vinda do Maranhão, o maior produtor. Mas confesso que nunca havia me dedicado verdadeiramente a entender melhor o ingrediente. Só agora, depois de uma imersão ao universo-babaçu graças a um convite da ONG Instituto Socioambiental, posso dizer que ela passou a ser ingrediente indispensável. O convite era para que a cozinheira e apresentadora Bela Gil e eu desenvolvêssemos algumas receitas com o produto para apresentar a merendeiras, nutricionistas e gestores educacionais de Altamira e Vitória do Xingu, no Pará, para incentivar seu uso e melhorar sua aceitação na merenda escolar", coluna Nhac, de Neide Rigo - OESP, 18/1, Paladar, p.D2.

 


Povos Indígenas



Francisco pede paz entre indígenas e Estado

Em sua visita ao Chile o Papa esteve ontem (17/1) em Temuco, região de conflitos constantes entre indígenas mapuche e empresas, proprietários de terras e Estado. Os mapuche reclamam que suas terras foram confiscadas e exigem sua devolução, o reconhecimento de sua cultura e a inclusão de sua língua no currículo das escolas da região. Nos dias que antecederam a visita aconteceram ataques a igrejas e um protesto bloqueou uma estrada, provocando conflitos com a polícia e deixando feridos. Francisco pediu o fim da violência tanto do lado do Estado quando dos indígenas - FSP, 18/1, Mundo, p.A8; OESP, 18/1, Internacional, p.A11; O Globo, 18/1, Sociedade, p.23.

 


Amazônia



Retrato mais preciso

A Amazônia perdeu 184 quilômetros quadrados de florestas em dezembro de 2017, segundo o Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Os dados mostram aumento expressivo do desmatamento em relação ao mesmo mês de 2016, quando foram registrados apenas 9 quilômetros quadrados. Esse aumento no entanto não representa um surto de desmate na Amazônia. Reflete uma melhora na capacidade tecnológica de monitorar a floresta. O Imazon incorporou em seu sistema imagens de um novo satélite, o Sentinel-1, da Agência Nacional Europeia - O Globo, 18/1, Sociedade, p.22.

Na Amazônia, floresta paga o preço pela crise vivida pelo país

Em razão das incertezas políticas surgidas depois do impeachment e da derrubada da ex-presidente Dilma Rousseff, em 2016, e com o Brasil diante das eleições mais imprevisíveis em décadas, parece que a Amazônia volta a ficar vulnerável. Críticos sustentam que as incertezas fortaleceram elementos conservadores no Congresso, em particular os ruralistas. Isso quer dizer que a eleição geral de outubro não é importante apenas para o futuro do Brasil, mas também para o da maior floresta tropical do mundo, um dos principais baluartes contra as mudanças climáticas na Terra, de acordo com os ativistas - Valor Econômico, 18/1, Especial, p.A12.

Concessão de títulos de terra dispara em Rondônia

Nos últimos seis meses, o superintendente do Incra em Rondônia, Cletho Muniz de Brito, aprovou mais de 2 mil títulos de cessão de terras do governo a pequenos proprietários no Estado. Em 2017, o governo federal aprovou uma lei, defendida por políticos de Rondônia, que permite a ocupantes ilegais ou irregulares de terras do governo com até 2,5 mil hectares obterem o título da propriedade. Ambientalistas argumentam que a lei garante uma anistia aos que ocupam terras do governo e temem que ela encoraje mais desmatamento - Valor Econômico, 18/1, Especial, p.A12.

Em Rondônia, desmatamento é caso de polícia

Ao longo de 2017, pequenos agricultores ouviram a história de uma terra prometida em Buritis, Rondônia. Para ter acesso a ela, eles pagaram até R$ 1.000 por lote e pegaram emprestado equipamentos para derrubar a floresta, com a promessa de que poderiam construir casas, fazer um roçado ou criar gado. Mas a terra prometida tem dono – o governo. É o Parque Estadual Guajará-Mirim, importante Unidade de Conservação do estado. Em três operações no ano passado, governo e a Polícia Civil conseguiram evitar o loteamento, o desmatamento e prender os mandantes. Isso foi possível graças a uma mudança de abordagem: os agentes consideraram a operação como ação contra o crime organizado. - Época, 17/1, Blog do Planeta.

 

OUTRAS NOTÍCIAS

Cientistas temem que projeto de lei europeu incentive desmatamento no Brasil
Fortalecimento da bancada ruralista com crise política deixa Amazônia vulnerável, diz Financial Times
Amazônia peruana ganha parque nacional do tamanho da Costa Rica
União Europeia contra o plástico
Mosquitos vetores de doenças ganham com redução de áreas verdes em São Paulo
Lago de água podre e peixes doentes: conheça os impactos de megaprojetos no rio Xingu

Nenhum comentário: