quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Verdadeiros inimigos são os mosquitos, artigo de Paulo Cesar Guimarães


Os mosquitos Haemagogus, como o Hg. leucocelaenus, são vetores primários da febre amarela silvestre
Os mosquitos Haemagogus, como o Hg. leucocelaenus, são vetores primários da febre amarela silvestre. Foto: Josué Damacena / Fiocruz


[EcoDebate] Sabemos que a expressão está batida e não parece séria, mas, em ano de Copa do Mundo, é boa como alerta: estamos perdendo de 7 a 1 para os mosquitos. Se antes só o Aedes aegypt preocupava, por conta de dengue, zika e chicungunha, agora os Haemagogus e Sabethes tiram o nosso sono com o crescimento dos casos de febre amarelasilvestre no Brasil. Isso sem contar que o Aedes é que pode transmitir a doença na versão urbana.
O fato é que não podemos seguir sendo golpeados por mosquitos, principalmente por aqueles que ajudamos a criar com descuido, deixando acumular água parada nas nossas residências. Perder dentro de casa é triste.
Também não é possível negligenciar com a vacinação contra a febre amarela. Se você já recebeu a vacina, mas sabe de alguém que ainda não o fez e está, principalmente, em área rural, dê o alerta e insista com a pessoa para se proteger. No início dos anos 1900, Oswaldo Cruz deu todos os alertas, saiu vacinando a população e erradicou a febre amarela, apesar das críticas e da desconfiança da população.
Hoje, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) segue na batalha contra doenças que insistem em nos ameaçar, nas asas dos mosquitos. A cada verão, com chuvas e sol forte, sabemos que os mosquitos se multiplicam nas cidades e que precisamos redobrar a guarda contra eles. O problema é que muitos acabam esquecendo as orientações e deixam os insetos à vontade. Como a versão urbana da febre amarela só existe através do Aedes, ele continua sendo o inimigo a ser batido.
A morte de macacos infectados dá o sinal do problema maior, nas áreas de florestas. E eles são os melhores sentinelas, dando o primeiro alerta do risco da febre amarela, ao perder a própria vida para o mosquito. Por isso, não devem ser encarados como vilões. Vale repetir que os verdadeiros inimigos são bem menores e têm asas. Daí a importância de virarmos o jogo nessa luta diária, na defesa da nossa saúde.
Paulo Cesar Guimarães é infectologista e diretor da Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP/Fase), no RJ.

Colaboração de Renato Guima, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 01/02/2018
"Verdadeiros inimigos são os mosquitos, artigo de Paulo Cesar Guimarães," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 1/02/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/02/01/verdadeiros-inimigos-sao-os-mosquitos-artigo-de-paulo-cesar-guimaraes/.

Nenhum comentário: