quinta-feira, 5 de setembro de 2019

A taxação de carbono sozinha dificilmente ajudará a alcançar as metas climáticas


Pesquisadores mostram que apenas os impostos sobre o carbono não podem reduzir as emissões o suficiente para atingir as metas do Acordo de Paris.

Por Hayley Dunning* **
O Acordo de Paris, assinado em 2015, exige que as nações limitem coletivamente o aquecimento global a 2 ° C até 2100 e busquem esforços para limitar o aumento da temperatura ainda mais a 1,5 ° C.
No entanto, um novo estudo realizado por pesquisadores do Imperial College London mostra que os impostos sobre o carbono, atualmente o sistema preferido para alcançar essa meta, não serão suficientes para evitar mudanças climáticas catastróficas.
Em vez disso, sugerem que, além dos impostos sobre o carbono, que impõem um preço às emissões, também é preciso haver incentivos para estratégias que removem o CO 2 da atmosfera. Eles afirmam que isso incentivará a implementação dessas estratégias em escala comercial, a fim de alcançar as metas do Acordo de Paris. O estudo foi publicado hoje em Joule .
Cumprimento das metas do Acordo de Paris
O principal autor do estudo Habiba Daggash , do Centro de Política Ambiental do Imperial College London, disse: “O atual sistema de penalização das emissões de gases de efeito estufa por meio de impostos sobre o carbono não é suficiente para evitar mudanças climáticas catastróficas, mesmo se impostos muito altos forem aplicados. Portanto, usando essa estratégia sozinha, o Acordo de Paris com o qual a maioria dos países se comprometeu não pôde ser entregue.
“O sistema precisa ser adaptado para reconhecer que não apenas as emissões precisam ser penalizadas, mas também as ações que resultam na remoção permanente de gases de efeito estufa da atmosfera”.
A determinação de um preço do carbono, geralmente na forma de impostos sobre as emissões, tem sido apontada como uma maneira de permitir que as forças do mercado produzam uma economia de baixo carbono, na qual o uso de formas de energia de baixo carbono é visto como uma vantagem.
Usando o Reino Unido como exemplo, Habiba e o Dr. Niall Mac Dowell , também do Center for Environmental Policy, modelaram o futuro sistema de energia do Reino Unido com base em vários cenários relacionados aos níveis de tributação do carbono e incentivos à remoção de carbono.
Sua análise mostra que impostos sobre o carbono muito mais altos do que os níveis atuais são suficientes para criar um impulso para tecnologias de baixo carbono que atendam às metas de emissões no curto prazo.
Incentivando a remoção de carbono
No entanto, impostos mais altos sobre o carbono não são suficientes para incentivar o desenvolvimento e a implantação de estratégias de remoção de carbono, necessárias para alcançar objetivos de longo prazo.
Se, em vez disso, os governos incentivassem estratégias de remoção de carbono muito antes, os impostos sobre carbono poderiam permanecer mais baixos, enquanto ainda incentivariam estratégias de remoção a serem desenvolvidas e implantadas em larga escala.
Habiba disse: “Os incentivos antecipados podem reduzir o custo de entrega do Acordo de Paris e satisfazer nossa necessidade de longo prazo de emissões negativas”.
A equipe diz que o estudo de caso do Reino Unido poderia se aplicar a outras regiões e agora está investigando a situação nas economias em desenvolvimento, usando a Nigéria como um estudo de caso.

taxação de carbono

Referência:
Higher Carbon Prices on Emissions Alone Will Not Deliver the Paris Agreement
Habiba Ahut Daggash and Niall Mac Dowell
DOI: https://doi.org/10.1016/j.joule.2019.08.008

* Com informações do Imperial College London
** Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/09/2019
A taxação de carbono sozinha dificilmente ajudará a alcançar as metas climáticas, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 5/09/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/09/05/a-taxacao-de-carbono-sozinha-dificilmente-ajudara-a-alcancar-as-metas-climaticas/.

Nenhum comentário: