terça-feira, 27 de junho de 2017


Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Amazônia, Biodiversidade, Clima, Ferrovias, Mata Atlântica, Povos Indígenas
Ano 17
27/06/2017

 

Amazônia

 
  Construção da usina de Belo Monte levou a crescimento rápido e desordenado que estimulou violência na cidade paraense - Ponte Jornalismo, 26/6.
  
 

Clima

 
  Primeiro semestre registrou 1.311 municípios em situações climáticas críticas, com impacto negativo na qualidade de vida da população; saiba por que a mudança do clima pode ser uma das causas - Observatório do Clima, 27/6.
  A situação das estradas é crítica no município de Uiramutã, na região nordeste de Roraima. O inverno rigoroso deixou submersos vários trechos das estradas. O município ainda sente os efeitos da enchente histórica ocorrida em maio deste ano, quando fortes chuvas na região do Caburaí afetaram a cabeceira do Rio Maú, que transbordou durante a madrugada. A enxurrada atingiu mais de 15 localidades do Uiramutã, a maioria formada por comunidades indígenas, totalizando mais de 900 pessoas desabrigadas, além do comprometimento de cerca de 50 hectares de áreas produtivas, a destruição de 45 casas e de duas escolas - Folha de Boa Vista, 27/6.
  Da Grande Barreira da Austrália até Seychelles, na África Oriental, os recifes de coral do mundo estão em grave risco de desaparecer completamente até 2100, caso o nível de emissões de gases-estufa não seja reduzido, segundo um novo relatório da Unesco. O documento é o primeiro a avaliar a situação de 29 ecossistemas listados como Patrimônio Mundial e revela que pelo menos 25 deles experimentarão decréscimo severo até 2040 - o que "matará rapidamente a maioria dos corais presentes e impedirá a reprodução necessária para sua recuperação". Nos últimos três anos, 21 deles sofreram estresse de calor severo ou repetido, e apenas quatro não alcançaram o nível de branqueamento - O Globo, 27/6, Sociedade, p.23.
  
 

Ferrovias

 
  O governo poderá receber de volta apenas 16% de todos os recursos aplicados desde 2005 na construção do trecho de 1.537 quilômetros da Ferrovia Norte-Sul que será concedido à iniciativa privada. A concessão, que terá suas minutas de edital e de contrato divulgadas hoje, vai para audiência pública com um valor mínimo de outorga de R$ 1,679 bilhão. Isso representa, no entanto, só uma fração do investimento feito com recursos orçamentários ao longo dos últimos 13 anos. Com um histórico de desmandos e superfaturamento, além de um ex-dirigente da estatal Valec condenado por corrupção, a ferrovia entre os municípios de Porto Nacional (TO) e Estrela D'Oeste (SP) ficará pronta ao custo total de R$ 10,1 bilhões para os cofres públicos. Em outras palavras: 84% de tudo o que foi gasto acabará sendo, na prática, a fundo perdido - Valor Econômico, 27/6, Brasil, p.A4.
  
 
Imagens Socioambientais

Nenhum comentário: