terça-feira, 20 de junho de 2017




Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Água, Amazônia, Áreas Protegidas, Bacia do Ribeira, Belo Monte, Garimpo, Licenciamento Ambiental, Mudanças Climáticas, Povos Indígenas
Ano 17
20/06/2017

 

Amazônia

 
  Presidência veta MPs 756 e 758, mas ministro do Meio Ambiente anuncia envio de projeto ao Congresso para retomar desproteção de florestas no Pará e em Santa Catarina Direto do ISA, 19/6.
  O presidente Michel Temer vetou integralmente ontem medida provisória que reduzia o nível de proteção de parte da Floresta Nacional (Flona) do Jamanxim, no Pará. O texto modificado na Câmara e aprovado na Casa e no Senado previa a transformação de 486 mil hectares da floresta em APA (Área de Proteção Ambiental), a categoria mais baixa de proteção, que permite propriedade privada e atividades rurais. A medida visava legalizar dezenas de grileiros e posseiros. Contudo, o ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, anunciou que o presidente enviará ao Congresso Nacional um projeto de lei com o teor da proposta original -ou seja, de redução de nível proteção de 300 mil hectares da floresta, o equivalente a quase duas cidades de São Paulo. Segundo ele, a iniciativa terá "urgência constitucional" FSP, 20/6, Cotidiano, p.B5; O Globo, 20/6, País, p.4; Valor Econômico, 20/6, Brasil, p.A6.
  A Noruega, maior financiador externo para o combate ao desmatamento no Brasil, condiciona a liberação de recursos à resposta do governo federal sobre o desmatamento na Amazônia. Na preparação para a viagem de Temer ao país europeu a diplomacia brasileira já ouviu dos escandinavos que, no atual ritmo de desmate, a verba pode ter cortes. O ministro do Meio Ambiente norueguês, Vidal Helgeser, enviou carta ao ministro José Sarney Filho, para criticar o avanço das medidas provisórias, entre outros pontos. Em resposta, Sarney Filho destacou o veto às MPs e reforçou o compromisso com a causa OESP, 20/6, Metrópole, p.A14.
  
 

Bacia do Ribeira

 
  Inaugurado oficialmente em 2012, o Legado das Águas é o nome oficial da reserva ambiental mantida pela Votorantim desde 1940, quando a Companhia Brasileira do Alumínio (CBA) adquiriu as terras ao longo do rio Juquiá, no Estado de São Paulo. O plano de negócios de cinco anos, que vence em 2017, investiu cerca de R$ 4 milhões ao ano para descobrir os potenciais de negócios da região. A Votorantim quer chegar daqui a cinco anos com uma receita anual de R$ 7 milhões e no mínimo com as operações no "zero a zero", sem dar prejuízo. Para isso, vai apostar no arrendamento de terras por exigência ambiental, no ecoturismo e na bioprospecção das espécies locais. A reserva em si atinge principalmente três municípios - Juquiá, Miracatu e Tapiraí - em 31 mil hectares Valor Econômico, 19/6, Empresas, p.B5.
  
 

Belo Monte

 
  As obras atrasadas da linha de transmissão da hidrelétrica de Belo Monte trocaram de dono. Depois de mais de um ano gasto em disputas judiciais, a Aneel retirou da espanhola Abengoa os trechos das obras que a companhia não executou, repassando esses projetos para a chinesa State Grid. É grande a preocupação do governo com a conclusão da linha de transmissão, que precisa estar pronta para distribuir energia da hidrelétrica em fevereiro do ano que vem. A linha de mais de 2 mil km de extensão, entre Pará e São Paulo, é erguida pela concessionária BMTE, liderada pela chinesa State Grid OESP, 20/6, Economia, p.B6.
  
 

Água

 
  "Era de esperar, após a grave crise hídrica que se abateu sobre a região metropolitana de São Paulo em 2014-15, que o poder público dedicasse mais cuidado à proteção de seus mananciais. Não foi o que se observou nos últimos quatro anos. Embora as 75 invasões mencionadas tenham acontecido na administração de Fernando Haddad (PT), seria ingênuo deixar de reconhecer que a fonte de origem da deterioração dos mananciais brota de uma negligência generalizada, contumaz e suprapartidária", editorial FSP, 20/6, Editoriais, p.A2.
  
 
Imagens Socioambientais

Nenhum comentário: