sexta-feira, 1 de abril de 2016

Mudança climática seca a Nicarágua

Duas barcas permanecem perdidas no rachado fundo da principal laguna de Moyúa, um conjunto lacustre do norte da Nicarágua, que perdeu 60% de seu volume de água pela pertinaz seca que sufoca o país desde 2014. Foto: Cortesia de Rezayé Álvarez
Duas barcas permanecem perdidas no rachado fundo da principal laguna de Moyúa, um conjunto lacustre do norte da Nicarágua, que perdeu 60% de seu volume de água pela pertinaz seca que sufoca o país desde 2014. Foto: Cortesia de Rezayé Álvarez
Uma seca de três anos e o desmatamento maciço de suas florestas nas últimas décadas secaram a maioria das fontes superficiais hídricas da Nicarágua, e afundaram sua população em uma crise cada dia mais angustiante de acesso a água potável.
Por José Adán Silva, da IPS – 
Manágua, Nicarágua, 1/4/2016 – Desde janeiro, as redes sociais, imprensa local, blogs e boletins eletrônicos de organizações ambientais e usuários comuns publicam fotografias e vídeos que mostram grandes rios, lagoas e outras fontes superficiais como poços e riachos, todos secos.
Jaime Incer Barquero, ex-ministro de Ambiente e Recursos Naturais e presidente da Fundação Nicaraguense para o Desenvolvimento Sustentável (Fundenic-SOS), é uma das vozes que mais denunciam a acelerada deterioração ambiental do país. Incer afirmou à IPS que, até o final de março, o país perdeu 60% das fontes superficiais, seja por terem secado ou estarem contaminadas, e que, possivelmente, até 50% das fontes subterrâneas tiveram o mesmo destino.
Incer apontou como exemplo o desaparecimento de pelo menos cem rios e seus afluentes no país, e a contaminação das lagoas de Tiscapa e Nejapa, na área de Manágua, bem como as de Venecia, no departamento costeiro de Masaya, e as de Moyúa, no departamento de Matagalpa.
O cientista destaca que os grandes corpos de água também estão sofrendo a deterioração de seus volumes e bacias: o rio Coco, o mais longo da América Central, com 680 quilômetros, que serve de fronteira norte com Honduras, está completamente seco em vários trechos de até oito quilômetros de distância. Seu volume baixou a níveis históricos, ao extremo de ser possível atravessá-lo a pé com profundidades que não superam o tornozelo.
Também se denuncia que outro grande rio, o San Juan, na fronteira sul com a Costa Rica, apesar dos trabalhos de dragagem nos últimos anos, apresenta grandes praias e bancos de areia que impedem a passagem de lanchas e barcos. Seu principal afluente, o grande lago Cocibolca – maior reserva de água doce potável da região centro-americana, com 8.624 quilômetros quadrados – apresenta graves perdas desde 2012, que afetam o uso de embarcações, porque a água se afasta das costas e dos embarcadouros.
Fenômeno igual afeta outro grande lago do país, o Xolotlán, que tem Manágua em sua margem sudoeste. Apesar de ter sido iniciado um processo de saneamento de suas águas contaminadas em 2009, até agora se desconhece o resultado de tal investimento, mas é visível que, desde o início da seca em 2014, suas costas se afastaram até 200 metros em algumas zonas costeiras, segundo os informes da Fundenic-SOS.
Assim eram as lagoas de Moyúa, no norte da Nicarágua, antes de secarem pelos efeitos do fenômeno El Niño, que no caso desse país centro-americano equivale à seca. Foto: Matagalpa.org
Assim eram as lagoas de Moyúa, no norte da Nicarágua, antes de secarem pelos efeitos do fenômeno El Niño, que no caso desse país centro-americano equivale à seca. Foto: Matagalpa.org
Essa organização não só atribui a crise ao impacto da mudança climática, que afeta a Nicarágua desde 2014 mediante o fenômeno El Niño/Oscilação do Sul, mas também à falta de políticas públicas para deter o desmatamento das florestas do país.As grandes reservas florestais do sul nicaraguense perderam até 40% de sua vegetação, segundo uma pesquisa da consultoria britânica Environmental Resources Management (ERM), contratada pelo consórcio chinês HKND Group para fazer os estudos de viabilidade do projetado canal interoceânico da Nicarágua.
A deterioração ambiental da Reserva Biológica IndioMaíz, no sudeste do país, e as reservas naturais Cerro Silva e Punta Gorda, na mesma área, foi maior entre 2009 e 2011 do que nos 26 anos anteriores, revelou a ERM no ano passado. Segundo o estudo, entre 1983 e 2011,“quase 40% da cobertura terrestre natural no sudeste da Nicarágua se perdeu”.
Outras organizações, como o não governamental Centro Humboldt, denunciam que a mesma deterioração afeta 40% de Bosawas, a maior reserva florestal da América Central, declarada em 1997 como reserva de biosfera pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).O impacto da seca já afeta a economia e a segurança alimentar de grande parte do país de 6,2 milhões de habitantes, dos quais 2,5 milhões sobrevivem com menos de US$ 2 por dia e que em 20% estão subnutridos, segundo organismos internacionais.
Entidades de produtores agrícolas, pecuaristas e do setor turístico começam a se queixar dos danos econômicos pelo desaparecimento do recurso hídrico. Por exemplo, a Comissão Nacional Pecuarista da Nicarágua confirmou, em fevereiro, que existe uma profunda preocupação do setor pela escassez de água em várias áreas, onde se encontra pelo menos 30% do gado nacional. O que mais preocupa é que, segundo informes internacionais e nacionais de meteorologia, a seca provocada pelo El Niño poderia se estender até agosto, quando se espera que caiam as primeiras chuvas de 2016.
Do mesmo modo, a União de Produtores Agropecuários da Nicarágua calculou,em março, em até US$ 200 milhões as perdas ocasionadas pela seca em 2015. Em fevereiro,o Banco Central do país reconheceu que a seca afetou a produção de energia hidrelétrica no ano passado, considerada a energia mais barata em seus custos de produção.
Porém, para o sociólogo e diretor do Centro de Iniciativas de Políticas Ambientais Cirilo Otero, a parte mais afetada pela escassez de água é o chamado corredor seco da Nicarágua, uma faixa extensa e árida de florestas secas onde se localizam até 35 municípios dos 153 existentes no país. Segundo seus estudos, o impacto da seca e da falta de água nessa região, que atravessa o país de norte ao centro-sul, é tão forte que se perderam 100% das colheitas e secaram 90% das fontes de água.
“As medidas adotadas pelo governo são assistencialistas, água e alimentos para determinados dias, mas as políticas públicas para frear o corte de florestas das cordilheiras de Dipilto e Jalapa não existem e essa é uma das principais causas para o desaparecimento de rios e poços”, denunciou Otero à IPS.De acordo com suas estimativas, já existe uma realidade de insegurança alimentar na zona seca, onde os mais afetados são as populações infantil e idosa. “Há famílias inteiras que só têm milho e sal para comer. É uma situação grave”, destacou.
O governo, que recebeu queixas por não declarar emergência nacional pela seca, não parou de ajudar as famílias afetadas com remédios, alimentos e água. ErvinBarreda, presidente da estatal Empresa Nicaraguense de Aquedutos e Esgotos, informou que diariamente estão sendo abastecidas, com cerca de 65 caminhões-tanque, as zonas mais críticas, à razão de duas mil famílias por dia. Segundo dados oficiais, em fevereiro deste ano, havia 51.527 famílias assentadas em 34 localidades que se abastecem de aquíferos com alta vulnerabilidade. Envolverde/IPS

Nenhum comentário: