quinta-feira, 22 de março de 2018

Empresas estão longe de terem ações e a consciência dos riscos climáticos

Embora uma maioria significativa de empresas informe amplo controle de assuntos relacionados ao clima, apenas 1 em cada 10 atualmente oferece incentivos para que os membros do conselho gerenciem riscos e oportunidades relacionados ao clima. A responsabilidade pela ação climática ainda não está vinculada às remunerações dos conselhos de administração ou das equipes de administração;
Empresas na França, no Reino Unido e na Alemanha estão liderando a divulgação de informações em três das quatro áreas temáticas destacadas pela Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD) – Governança, Gestão de Riscos, Métricas e Metas;
As empresas da China, os setores de saúde e finanças estão atrasados nas quatro áreas de divulgação identificadas pela TCFD, embora a China continue a ser um mercado de divulgação a ser observado em 2018 à medida que novas políticas de reporte obrigatório entrarem em vigor;
Novos regulamentos estão melhorando a divulgação corporativas sobre clima e ampliando a diferença entre líderes e retardatários;
As organizações que seguem a TCFD são encorajadas a realizar uma análise de como elas funcionarão em diferentes cenários, incluindo um mundo de 2 ° C ou inferior.
Um novo relatório divulgado hoje pelo CDP e CDSB mostra que há uma lacuna entre a forma como as empresas identificam riscos e oportunidades relacionados ao clima e como eles estão se preparando para enfrentá-los.
A pesquisa em 1.681 empresas em 14 países e 11 setores que divulgam seus dados para o CDP analisa as quatro áreas de divulgação identificadas pela Força-Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima (TCFD) – governança, estratégia, gerenciamento de riscos e métricas e metas – e destaca se as empresas em setores e países específicos estão preparadas para divulgar informações sob esses temas.
A grande maioria das empresas reconhece que as mudanças climáticas representam riscos financeiros para seus negócios, com 83% das empresas reconhecendo os riscos físicos e 88% identificando mudanças políticas / novos regulamentos como os principais riscos de transição para uma economia de baixo carbono.
Mas quando se trata de tornar a conscientização em ação, ainda há uma desconexão em muitos setores e países. Por exemplo, mais de 8 em cada 10 empresas supervisionam as mudanças climáticas no nível do conselho, mas apenas 1 em 10 oferece incentivos para a gestão de questões de mudança climática.
Jane Stevensen, Diretor de Engajamento da Força Tarefa no CDP, disse: “Em geral, vemos que existe um nível de preparação de superfície das empresas em todo o mundo para supervisionar o risco e a oportunidade do clima no nível do conselho. Os principais impulsionadores são a ação dos investidores, a reputação da empresa e a reação do consumidor ao risco climático. O que não estamos vendo é o aumento da governança que se traduza em mitigação da mudança climática. 2018 é o ano em que as empresas precisam intensificar a ação climática à medida que nos aproximamos do ponto de inflexão. Fundamental para isso é conduzir o engajamento no nível do conselho com o risco climático para o restante da organização “.
China
• Menor percentual de empresas que divulgam emissões de GEE em todo o Escopo 1, 2 e 3
• A menor proporção (24%) identificando reputação e / ou alteração do comportamento do consumidor como fatores de risco
• Progresso esperado na adoção do preço do carbono (28% prevêem usá-lo até 2019)
França
• Segunda maior proporção de empresas que oferecem incentivos ao conselho para a gestão de questões relacionadas com mudança do clima (25%)
• Maior proporção de empresas que oferecem produtos ou serviços de baixo carbono que permitem emissões evitadas (78%)
• 67% das empresas identificam a reputação e / ou a mudança do comportamento do consumidor como um risco
• 74% das empresas relatam uma diminuição das emissões resultantes de atividades de redução de emissões
Alemanha
• Maior proporção de empresas que oferecem incentivos ao conselho para gerenciamento de questões de mudança climática (29%)
• Apenas 88% das empresas divulgam emissões de Escopo 1
• Somente 35% das empresas usarão preços de carbono em 2019
Norte da América (EUA + Canadá)
• Os EUA têm menor proporção usando (15%) e preparando-se para usar (9%) preços de carbono
• EUA têm menor proporção com supervisão do conselho (66%)
• Canadá tem a menor proporção proporcionando incentivos ao conselho para o gerenciamento das questões de mudança climática (2%)
• O Canadá tem a segunda menor proporção de produtos ou serviços de baixa emissão de carbono que permitem emissões evitadas (54%)
Reino Unido
• Maior proporção de empresas com supervisão do conselho a temas relacionados com mudanças climáticas (96%)
• Maior proporção de empresas que divulgam as emissões de Escopo 1 e 2 (> 97%)
• Apenas 17% das empresas financeiras divulgaram as emissões do Escopo 3 de seus investimentos
• Somente 35% das empresas usarão preços de carbono em 2019. (#Envolverde)

Nenhum comentário: