sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Feedback do albedo é um dos principais impulsionadores no recuo do gelo marinho do Ártico

Hokkaido University*

Concentrações de gelo do mar em setembro. Os mapas esquerdo e direito mostram a média de concentração de gelo no Oceano Ártico nos anos 80 e 2010, respectivamente. O contorno em forma de fã marca a área de estudo. Os mapas são baseados em informações fornecidas pelo National Snow and Ice Data Center.
Concentrações de gelo do mar em setembro. Os mapas esquerdo e direito mostram a média de concentração de gelo no Oceano Ártico nos anos 80 e 2010, respectivamente. O contorno em forma de fã marca a área de estudo. Os mapas são baseados em informações fornecidas pelo National Snow and Ice Data Center.
A análise quantitativa evidenciou o sistema de aceleração do gelo derretido: as superfícies das águas escuras absorvem mais calor do que superfícies de gelo brancas, derretendo o gelo e aumentando a superfície de água no oceano Ártico.
As áreas marítimas cobertas de gelo no oceano Ártico durante o verão quase diminuíram a metade desde a década de 1970 e 1980, aumentando o alarme de que o oceano está mudando de uma zona de gelo de vários anos para uma estação de gelo sazonal. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) prevê que a cobertura de gelo do verão no oceano polar possa desaparecer quase completamente já em 2050. Vários fatores foram citados como causas, incluindo o aumento das temperaturas e mudanças nos padrões de circulação atmosférica.
Recentemente, no entanto, o “feedback do albedo” do oceano gelado surgiu como uma das principais causas da derretimento do gelo marinho. O feedback é gerado por uma grande diferença no albedo – uma medida da reflectividade da luz – entre as águas abertas e as superfícies de gelo. À medida que as superfícies do oceano escuro absorvem mais luz do que as superfícies de gelo brancas, a entrada de calor solar através da água aberta derrete o gelo marinho, aumentando as áreas de águas abertas e a entrada de calor e, assim, acelerando a derretimento do gelo do mar.
Para examinar essa teoria, uma equipe de pesquisadores, incluindo a professora da Universidade de Hokkaido, Kay I. Ohshima e Haruhiko Kashiwase, do Instituto Nacional de Pesquisa Polar, realizaram uma análise quantitativa de fatores-chave, como entrada de energia solar, volume de derretimento do gelo e divergência de gelo de um mar área que mostrou grande derretimento no gelo.
Analisando os dados de 1979 a 2014, os pesquisadores descobriram que a entrada de calor solar através de superfícies de águas abertas correlacionava-se bem com o volume de derretimento do gelo, sugerindo que a entrada de calor é um dos principais fatores causadores do derretimento do gelo. Isso foi particularmente óbvio após 2000, quando houve reduções consideráveis no gelo marinho.
A entrada de calor acumulada através de superfícies de águas abertas na área pesquisada de maio a agosto (linha vermelha) correlacionou-se bem com variações interanuais no volume de derretimento do gelo (linha preta) entre 1979 e 2014. O volume de derretimento do gelo do mar é convertido na entrada de calor necessária para o gelo fundição.
A entrada de calor acumulada através de superfícies de águas abertas na área pesquisada de maio a agosto (linha vermelha) correlacionou-se bem com variações interanuais no volume de derretimento do gelo (linha preta) entre 1979 e 2014. O volume de derretimento do gelo do mar é convertido na entrada de calor necessária para o mais derretimento.
Os seus dados também revelaram que a divergência do gelo marinho, que reflete a quantidade de gelo do mar espalhando-se para fora fazendo mais superfícies de água, na estação inicial de derretimento (maio-junho) desencadeia feedback em larga escala, que posteriormente amplifica a derretimento do gelo no verão. O volume de divergência do gelo dobrou desde 2000 devido a uma cobertura de gelo mais móvel, já que o gelo de vários anos diminuiu, o que pode explicar a drástica redução de gelo no oceano Ártico nos últimos anos.
“Este estudo foi o primeiro a elucidar quantitativamente que o feedback do albedo do gelo-oceano é um dos principais impulsionadores das variações sazonais e anuais no recuo do gelo marinho do Ártico”, diz Kay I. Ohshima. “O estudo apontou a possibilidade de prever o maior recuo de gelo do mar em um determinado ano, com base na magnitude da divergência do gelo em maio e junho. Além disso, desvendar as causas do recuo do gelo marinho deve nos ajudar a entender os mecanismos por trás das mudanças climáticas em um nível global, que está inter-relacionado com a redução do gelo no oceano Ártico “.
Referência:
Kashiwase H., Ohshima K. I., et al., Evidence for ice-ocean albedo feedback in the Arctic Ocean shifting to a seasonal ice zone, Scientific Reports, August 15, 2017.
DOI: 10.1038/s41598-017-08467-z

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate
in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 08/09/2017

Nenhum comentário: