segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Transtornos Alimentares E Suas Influências


saúde

Elaine Lopes, psicóloga graduada pela Universidade Católica de Santos e também especialista em transtornos alimentares e obesidade, fala sobre as características dos diferentes tipos de distúrbios e como eles podem afetar o cotidiano
A maneira com que o indivíduo se relaciona com seu próprio corpo e com sua mente é um fator que, na maioria das vezes, define como ele irá lidar com as diversas áreas de sua vida. Quando sente dificuldade em encarar suas angústias ou, até mesmo, pequenas questões do dia-a-dia, pode optar por descarregar suas frustrações na maneira como se alimenta. Por isso, é extremamente importante ficar atento às mudanças bruscas nos hábitos alimentares daqueles que estão próximos, pois podem ser um indicativo de que esteja sofrendo de algum distúrbio.
Os transtornos alimentares possuem características diferentes, mas todos podem trazer consequências que afetam o desenvolvimento pessoal, social e profissional, pois fazem com que a pessoa se preocupe exacerbadamente com sua imagem e isso passa a ser sua prioridade. Assim, passam a se sentir culpadas quando se alimentam ou se tornam fixadas em determinado tipo de alimentação. Além disso, existe também quem sofre de compulsão por comer, onde se perde o controle sobre o que é consumido e tem a sensação de insatisfação constante.
A bulimia, por exemplo, é caracterizada pela necessidade de expulsar do organismo aquilo que se considera excessivo e que pode prejudicar a manutenção do físico e o emagrecimento. Nesse processo de expurgo comumente são utilizados laxantes, indução de vômito ou, até mesmo, prática de exercícios em excesso. “A pessoa bulímica geralmente possui um pensamento perfeccionista e extremamente autocrítico e o ato de se alimentar está carregado de emoções com as quais ele não sabe lidar”, explica Elaine Lopes. Muitas vezes o indivíduo também sente vergonha de admitir o que come e é muito comum que ele esconda a comida. Outro fator preocupante é o sentimento de culpa que o invade após esses episódios podendo levá-lo, em casos extremos, ao suicídio.
Já a anorexia se caracteriza, principalmente, pelo temor intenso de adquirir peso. Nesse caso, há a recusa de manter o peso mínimo considerado saudável para sua idade e altura. Existe a rejeição de ingerir alimentos, pois acredita que já está acima do peso. De acordo com Elaine, as exigências e a cultura da beleza que se estabelecem atualmente em nossa sociedade fazem com que a pessoa desenvolva uma imagem distorcida de si. “Ela passa a se enxergar de uma maneira totalmente diferente do que realmente é. Desta forma, começa a buscar alternativas para chegar àquela forma física que acredita ser a ideal e deixa de se alimentar de forma saudável”, ressalta.
Mas também existem aqueles que se tornam obcecados em alimentação saudável e sofrem da chamada ortorexia. Essa condição ainda não é reconhecida pelos manuais diagnósticos e estáticos de transtornos mentais e consiste na busca excessiva por hábitos alimentares saudáveis. “Por demonstrarem uma preocupação demasiada em consumir apenas alimentos saudáveis, os ortoréxicos acabam excluindo alguns grupos de seu cardápio, sem fazer a substituição adequada. Desta forma, ficam suscetíveis a diversas enfermidades”, alerta a psicóloga.
Assim como a falta de alimentação ou obsessão por alimentos saudáveis, a compulsão por comida também é um transtorno que deve ser tratado de forma adequada. “Esse distúrbio pode ser identificado quando se observa a perda do controle sobre o que é consumido, comer sem limites, mastigar e engolir rápido e esconder seus hábitos alimentares. Todos esses comportamentos, em sua maior parte, são acompanhados da culpa, pois existe a consciência de que não há necessidade de comer tanto”, afirma Elaine. Além disso, a compulsão pode ser o gatilho para desencadear outros transtornos como anorexia e bulimia nervosa. “É preciso o auxílio da psicoterapia para identificar o que causa essa compulsão e tratá-la, para que não evolua”.
Ainda segundo a psicóloga, geralmente é possível evitar os primeiros indícios de transtornos alimentares ainda na infância. “Nessa fase a criança sofre a influência direta dos pais, na sua criação e desenvolvimento. Por isso é fundamental cultivar a ideia de corpo saudável e bonito, independente da silhueta e do peso”, orienta. Desta forma, existe a possibilidade de impedir que a situação se agrave e evolua para um quadro de distúrbios mais severos.
É importante ressaltar que, para se classificar um transtorno alimentar, é necessário que haja a distorção da imagem corporal, ou seja: a forma que a pessoa se vê não corresponder a forma que ela de fato é. E ao observar sinais de que o problema já existe, é preciso procurar sempre um profissional para obter um diagnóstico exato e iniciar um tratamento, quando necessário. “A psicoterapia pode ser necessária para auxiliar a pessoa a lidar com as questões que desencadeiam esses distúrbios, algumas vezes deve ser aliada à psiquiatria e também ao acompanhamento de um nutricionista, que trará orientação sobre a maneira correta de se alimentar”, finaliza Elaine.
Sobre Elaine Lopes – Elaine é psicóloga, especialista em transtornos alimentares e obesidade, possui formação em Master Practitioner em PNL e Coach Sistêmico. Atualmente é sócia-proprietária e responsável pela divisão de saúde e bem-estar da Soar Desenvolvimento Humano.

in EcoDebate, 19/09/2016

Nenhum comentário: