sexta-feira, 6 de novembro de 2015



Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Água, Amazônia, Biodiversidade, Energia, Mineração, Mudanças Climáticas, Pesca, Povos Indígenas, UCs, Política Socioambiental
Ano 15
06/11/2015

 

Povos Indígenas

 
  Uma comissão formada por seis lideranças ingarikó visitou as comunidades Pemon Kuramakapay e Paraitepuy para conhecer os desafios da atividade turística no Monte Roraima Direto do ISA, 4/11.
  
 

Mineração

 
  O rompimento de duas barragens de rejeitos da mineradora Samarco provocou enxurrada de lama que destruiu parte do distrito de Bento Rodrigues, na cidade histórica de Mariana, em Minas. Até as 23h, haviam sido confirmados 17 mortes e 75 feridos. Bombeiros continuavam procurando soterrados. A lama chegou a três metros de altura e se estendeu por oito quilômetros, cobrindo casas e arrastando carros e caminhões. A mineradora pertence à Vale e à australiana BHP Billiton. As causas do acidente estão sendo investigadas OESP, 6/11, Metrópole, p.A13; O Globo, 6/11, País, p.3; FSP, 6/11, Cotidiano, p.B1.
  
 

Mudanças Climáticas

 
  A grande maioria das 45 mil pessoas entrevistadas em 40 países dos cinco continentes é favorável a que seus governos assumam compromissos de redução da emissão de gases que provocam efeito estufa, revela levantamento do Pew Research Center, um dos mais respeitados institutos de pesquisa do mundo. Divulgado ontem, o estudo mostra que uma mediana de 78% dos entrevistados apoia a contenção de emissões em seus países. O índice supera o grau de preocupação da opinião pública com a mudança climática: 54% disseram considerar o fenômeno um problema "muito sério". Os brasileiros lideram o ranking do grau de apreensão com o fenômeno. A mudança climática é vista como algo "muito sério" por 86% entrevistados OESP, 6/11, Metrópole, p.A17; O Globo, 6/11, Sociedade, p.26; FSP, 6/11, Mundo, p.A18.
  Para especialistas, não é surpresa o Brasil estar no topo do ranking dos preocupados com o clima. Um em cada quatro municípios do país declarou estado de emergência ou calamidade pública desde o início do ano - a maioria devido à estiagem no Nordeste. Carlos Rittl, do Observatório do Clima, avalia que a população está assustada com a exposição a eventos extremos. "O brasileiro ainda lembra de tragédias como as enchentes na Região Serrana do Rio. Os desastres naturais e a crise hídrica impactam a qualidade de vida e a economia. Há uma percepção de que o governo faz menos do que deve, mas as pessoas ainda não sabem exatamente como agir", diz O Globo, 6/11, Sociedade, p.26.
  
 

Geral

 
 
A situação alarmante da falta de água do Rio São Francisco levou o Ministério de Minas e Energia a examinar uma condição extrema para garantir o mínimo de água para o reservatório de Sobradinho, na Bahia. O ministro Eduardo Braga pediu ao ONS que avalie a possibilidade de reduzir a liberação de água de Sobradinho para apenas 400 m3/s. Trata-se de menos de um terço do volume mínimo que Sobradinho teria de entregar em condições normais. Hoje, o maior reservatório da Região Nordeste está com apenas 3% de sua capacidade plena de armazenamento, índice nunca visto desde 1979, quando foi fechado no sertão baiano. A previsão é de que o reservatório chegue a apenas 1% de sua capacidade OESP, 6/11, Economia, p.B9.
  Os deputados impuseram mais uma derrota ao governo ontem ao aprovarem um projeto de decreto legislativo cancelando os efeitos de uma portaria publicada no início de outubro que suspendeu dez períodos do defeso -quando a pesca é proibida por conta da reprodução dos peixes. Ao suspender o período do defeso, a portaria liberava a pesca no período de reprodução, o que faria os pescadores perderem o direito de receber o seguro-defeso. Com isso, a ideia do governo era fazer uma economia com o excesso de pagamentos do seguro, aproveitar para recadastrar pescadores artesanais e fazer a revisão dos períodos do defeso. Para os deputados, a liberação de pesca no período reprodutivo compromete a produção pesqueira FSP, 6/11, Poder, p.A10; OESP, 6/11, Economia, p.B7.
  "O governador Geraldo Alckmin (PSDB) deveria olhar com cuidado e sem paixão a pesquisa Datafolha publicada na quarta-feira (4). É inequívoco que as opiniões colhidas indicam o repúdio dos paulistanos à maneira como têm sido administrados os recursos hídricos. Apenas 15% dos 1.092 entrevistados avaliam como ótima ou boa a atuação do tucano na crise. Em contraste, 48% a consideraram ruim ou péssima. Outros 35% preferiram qualificá-la como regular. Tais são os números. Cabe ao governador trabalhar para mudar a realidade que lhes dá razão", editorial OESP, 6/11, Espaço Aberto, p.A2.
  "No âmbito da Operação Zelotes, foram presas várias pessoas da administração federal e o vice-presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores , sob suspeita de terem manobrado para a aprovação de três medidas provisórias, que deram vantagem fiscais a montadoras. Enquanto isso, mais de 30% dos brasileiros consomem mais de uma hora diária ao deslocar-se para o trabalho - e não se veem políticas públicas adequadas para minorar suas dificuldades. Também não é preciso agora enveredar por outros dramas urbanos, como a escassez de água em grandes cidades brasileiras, ou as deficiências na saúde e no saneamento. A sociedade precisa com urgência organizar-se, formular e exigir a aprovação de políticas públicas adequadas nessas áreas - em lugar dos privilégios a alguns setores, como os mencionados neste artigo", artigo de Washington Novaes OESP, 6/11, Espaço Aberto, p.A2.
  
 
Imagens Socioambientais

Nenhum comentário: