sábado, 11 de junho de 2016

PORTO ALEGRE : Agapan lança troféu de ecologia em homenagem a Padre Balduíno Rambo


Ludwig Buckup relata convivência com padre Rambo

A Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) comemorou o Dia Mundial do Meio Ambiente, 5 de junho, lançando o Troféu de Ecologia Padre Balduíno Rambo. A cerimônia aconteceu na última segunda-feira (06/06) no auditório do Museu de Ciências Naturais do Colégio Anchieta, com a presença de terceiristas, professores, representantes de centros acadêmicos e ambientalistas. A primeira edição do prêmio ocorrerá daqui a um ano, também na Semana do Meio Ambiente.

Zoravia Bettiol
O obra que representará a premiação será criada pela artista plástica e conselheira da Agapan Zoravia Bettiol e é a homenagem que a Agapan faz a padre Balduíno Rambo, um dos maiores intelectuais gaúchos, cientista, ambientalista e historiador, que trouxe à luz da botânica diversas espécies novas da flora gaúcha.

"A ideia é recordar o padre Rambo, nosso primeiro grande naturalista, que deixou ensinamentos que associam ecologia a valores éticos e morais", explica o presidente da entidade, Leonardo Melgarejo, que conduziu a cerimônia de lançamento do Troféu. "Queremos homenagear pessoas que sirvam de símbolo, como o padre Rambo serviu para a criação da própria Agapan, e incentivar a produção de estudos e trabalhos nessa área", aponta Melgarejo, ao destacar que, cabe à Agapan, além da confecção do troféu, a escolha das personalidades a serem premiadas e o planejamento, organização e divulgação dos eventos de premiação.


LEGADO

O evento foi aberto pelo diretor do Anchieta, padre João Cláudio Rhoden, que falou sobre o legado de Balduíno Rambo e sua relação com todas as profissões. Em seguida, o ex-professor do Anchieta e membro do Conselho Editorial da Unisinos Carlos Alberto Gianotti falou sobre A Fisionomia do Rio Grande do Sul, a obra clássica do padre Rambo, editada pela própria Unisinos.

O economista e ecologista Cilom Estivalet, responsável pela criação de uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN) em Canela, contou que ergueu uma capela na área da Reserva dedicada à memória do padre Rambo. Além da conservação do patrimônio natural na RPPN, Estivalet destacou o teatro infantil, no qual Rambo é um marionete, e a edição de publicações sobre a RPPN e a vida e a obra do naturalista.

Durante a homenagem, o legado de Rambo foi lembrado pelo também ambientalista e professor Ludwig Buckup, recentemente homenageado como Professor Emérito da Ufrgs, que da sua convivência com Rambo, lembrou que, por um parecer contrário à venda da área do Parque Zoológico de Sapucaia, elaborado por Rambo, o então governador Ildo Menegheti retirou o projeto encaminhado à Assembleia Legislativa, que previa a privatização daquela área.

Já o irmão de padre Rambo, professor Arthur Blasio Rambo, contou passagens da sua vida e leu um texto citando diversas passagens notáveis retiradas dos escritos do homenageado. Jesuíta e biógrafo, Arthur é considerado o maior conhecedor da obra de Rambo, mas antecipa que “um estudo completo sobre o alcance do trabalho de Rambo é um projeto a ser realizado”.


FLORA NATIVA DO RS

Balduíno Rambo 1906-1961
Nascido em Montenegro em 1905, Balduíno Rambo foi ordenado sacerdote, rezando a primeira missa na localidade de Tupandi, em novembro de 1936. Mesmo sendo sacerdote, dedicou sua vida à botânica. Em 56 anos, reuniu um acervo de 50 mil exemplares de plantas, sendo cerca de 90% da flora nativa do RS.

Foi um dos maiores especialistas de Botânica do Brasil, sendo sua obra de mais de 1.600 páginas reconhecida no mundo inteiro, pela riqueza de detalhes e experimentos. Deu aulas de Geografia e Ciências Naturais no Colégio Anchieta em dois períodos distintos: de 1931 a 1934, quando saiu para concluir sua formação jesuítica; e depois de 1939 a 1961. Também foi professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), onde lecionou até seu falecimento, em 1961.

Sua primeira grande obra literária foi escrita em 1942: A fisionomia do Rio Grande do Sul trazia um verdadeiro retrato físico do Estado, com texto, mapas e ilustrações paisagísticas, feitas a partir de fotos tiradas em viagens aéreas por todo o território gaúcho. Mas sua maior obra literária e científica, segundo o próprio padre Rambo, é seu diário, escrito de 1919 a 1961. São mais de 10 mil páginas escritas em alemão gótico sobre os mais variados assuntos, inclusive suas aspirações e conflitos pessoais.

José Lutzenberger, ambientalista fundador da Agapan, considerava o livro A Fisionomia do Rio Grande do Sul uma obra decisiva na sua formação ecológica e indispensável para os ecologistas gaúchos. Augusto Carneiro, idealizador e fundador da Agapan, comprou o que restava do estoque do livro, editado pela Livraria Selbach, e oferecia aos novos associados da Agapan esta valiosa raridade bibliográfica.

Fonte: Imprensa Agapan

Nenhum comentário: