sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

Sistema alimentar global é a principal causa da perda de biodiversidade

A perda da biodiversidade continuará a acelerar, a menos que mudemos a maneira de produzir alimentos. Mais destruição dos ecossistemas e habitats ameaçará nossa capacidade de sustentar as populações humanas. UNEP · Um novo relatório da Chatham House destaca que o sistema alimentar global é o principal motor da perda de biodiversidade. · A perda da biodiversidade continuará a acelerar, a menos que mudemos a maneira de produzir alimentos. Mais destruição dos ecossistemas e habitats ameaçará nossa capacidade de sustentar as populações humanas. · O novo relatório pede uma reforma urgente dos sistemas alimentares, sugerindo três ações interdependentes: mudar os padrões alimentares globais, proteger e reservar terra para a natureza e cultivar de forma mais amigável à natureza e que sustente a biodiversidade. · Os formuladores de políticas são instados a adotar uma abordagem sistêmica para levar em conta os impactos dos sistemas alimentares, desenvolver uma orientação global para a mudança e traduzi-la em metas nacionais. Impacto do Sistema Alimentar na Perda da Biodiversidade (Food System Impacts on Biodiversity Loss), o novo relatório da Chatham House, descreve três ações necessárias para a transformação do sistema alimentar em benefício da biodiversidade, e estabelece recomendações para incorporar a reforma do sistema alimentar nos processos políticos de alto nível sobre a natureza que estão ocorrendo este ano. O relatório foi apoiado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e a organização Compassion in World Farming (Compaixão na Agricultura Mundial). O sistema alimentar mundial é o principal motor da perda da biodiversidade. A agricultura foi a única ameaça identificada para 24.000 das 28.000 (86%) espécies em risco de extinção. A taxa global de extinção de espécies hoje é maior do que a taxa média dos últimos 10 milhões de anos. Nas últimas décadas, nossos sistemas alimentares seguiram o paradigma de produzir mais alimentos a menor custo, aumentando o uso de insumos como fertilizantes, pesticidas, energia, terra e água. Este modelo leva a um círculo vicioso: o menor custo de produção de alimentos cria uma maior demanda por alimentos que também devem ser produzidos a um custo menor através de um aumento da intensificação e maior desmatamento de terra. Os impactos da produção de mais alimentos a um custo menor não se limitam à perda de biodiversidade. O sistema alimentar global é um dos principais motores da mudança climática, sendo responsável por cerca de 30% do total de emissões produzidas pelo homem. De acordo com o novo relatório, uma reforma dos sistemas alimentares é uma questão urgente e deve se concentrar em três ações interdependentes: · Em primeiro lugar, os padrões alimentares globais precisam avançar para dietas mais ricas em as plantas, principalmente devido ao impacto desproporcional da agricultura animal sobre a biodiversidade, o uso da terra e o meio ambiente. Tal mudança, associada à redução do desperdício global de alimentos, reduziria a demanda e a pressão sobre o meio ambiente e a terra, beneficiaria a saúde das populações ao redor do mundo e ajudaria a reduzir o risco de pandemias. · Em segundo lugar, é necessário proteger mais terras e preservar áreas exclusivamente selvagens. Os maiores ganhos para a biodiversidade ocorrerão quando preservarmos ou restaurarmos ecossistemas inteiros. Portanto, precisamos evitar a conversão de terras para a agricultura. As mudanças na dieta humana são essenciais para preservar os ecossistemas nativos existentes e restaurar aqueles que foram eliminados ou degradados. · Em terceiro lugar, precisamos cultivar de forma mais amigável à natureza e sustentável para a biodiversidade, limitando o uso de insumos e substituindo a monocultura por práticas agrícolas de policultura. A mudança alimentar é necessária para permitir que a terra seja devolvida à natureza e para permitir a adoção generalizada de uma agricultura amigável à natureza sem aumentar a pressão para converter a terra natural em agricultura. Quanto mais a primeira ação for tomada sob a forma de mudança alimentar, mais espaço haverá para a segunda e terceira ações. As conclusões e recomendações do novo relatório da Chatham House foram apresentadas hoje, durante um evento on-line que incluiu palestrantes do PNUMA, Chatham House e Compassion in World Farming, assim como Jane Goodall, PhD, DBE, Fundadora – o Instituto Jane Goodall & UN Messenger of Peace. Seguiu-se um inspirador painel de discussão com Louise Mabulo, uma chef, ambientalista e Jovem Campeã da Terra da ONU das Filipinas, e Lana Weidgenant, Vice-Presidente da Mudança para Padrões de Consumo Sustentável na Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU e Diretora Adjunta da Zero Hora Internacional. Citações adicionais Susan Gardner, Diretora da Divisão de Ecossistemas do PNUMA, disse: “Nosso sistema alimentar atual é uma espada de dois gumes, moldada durante décadas pelo paradigma de produzir mais alimentos, rápida e barata, sem considerar os custos ocultos para a biodiversidade – e seus serviços de suporte de vida – e nossa própria saúde. Mudar a forma como produzimos e consumimos alimentos é uma prioridade urgente: precisamos mudar os padrões alimentares globais, proteger e reservar terra para a natureza e a cultivar de uma forma mais amigável à natureza e que sustente a biodiversidade”. O Professor Tim Benton, Diretor de Pesquisa, Riscos Emergentes; Diretor do Programa de Energia, Meio Ambiente e Recursos da Chatham House, disse: “As maiores ameaças à biodiversidade surgem do uso exploratório da terra – convertendo habitats naturais em agricultura e terras agrícolas intensivamente – e estas são impulsionadas pela demanda econômica para produzir alimentos cada vez mais ricos em calorias, mas nutricionalmente pobres, a partir de cada vez menos commodities cultivadas em escala. Estas commodities sustentam um sistema alimentar desperdiçador que não nos nutre, mina a biodiversidade e impulsiona a mudança climática”. Philip Lymbery, Diretor Executivo Global da Compassion in World Farming, disse: “Em uma época em que grande parte do mundo continua a combater a pandemia da Covid-19, nunca foi tão óbvio que o bem-estar das pessoas e dos animais, selvagens e de criação, está entrelaçado. Como mostra este novo relatório, o futuro da humanidade depende de nós vivermos em harmonia com a natureza. Precisamos trabalhar com a natureza, não contra ela. Nunca foi tão oportuno para nós percebermos que proteger as pessoas significa proteger também os animais. O futuro da agricultura deve ser amigo da natureza e regenerativo, e nossas dietas devem se tornar mais baseadas em plantas, saudáveis e sustentáveis. Sem um fim à agricultura industrial, corremos o risco de não ter futuro”. Jane Goodall, PhD, DBE, Fundadora do Jane Goodall Institute & UN Messenger of Peace, disse: “A criação intensiva de bilhões de animais em todo o mundo prejudica seriamente o meio ambiente, causando perda de biodiversidade e produzindo emissões maciças de gases de efeito estufa que aceleram o aquecimento global”. As condições desumanas de superlotacão não só causam intenso sofrimento aos seres sensíveis, mas também permitem a transferência de patógenos dos animais para os seres humanos, o que pode causar novas doenças zoonóticas. Por razões éticas, deve ser eliminada o mais rápido possível”. NOTAS: Sobre o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente O PNUMA é a principal voz global em temas ambientais. Ele promove liderança e encoraja parcerias para cuidar do meio ambiente, inspirando, informando e capacitando nações e pessoas a melhorarem a sua qualidade de vida sem comprometer a das futuras gerações. Saiba mais em www.unep.org/pt-br. Sobre a Chatham House Fundada em 1920, Chatham House é um instituto independente, líder mundial em políticas, com sede em Londres. Sua missão é ajudar os governos e as sociedades a construir um mundo sustentável, próspero e justo. Ela envolve governos, o setor privado, a sociedade civil e seus membros em debates abertos e discussões privadas sobre as principais questões internacionais. Sobre a Compassion in World Farming Compassion in World Farming (Compaixão na Agricultura Mundial) foi fundada em 1967 por um produtor britânico de laticínios que ficou horrorizado com o desenvolvimento da agricultura intensiva em fábricas. Hoje, ela é a principal organização de bem-estar animal dedicada a acabar com a pecuária industrial e alcançar alimentos sustentáveis e produzidos pelo homem. in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 25/02/2021

Nenhum comentário: