quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Perda atual de espécies afeta diretamente a vida dos humanos

Isso é confirmado pelo Jena Experiment, um dos maiores experimentos sobre biodiversidade em que cientistas do Karlsruhe Institute of Technology (KIT) estiveram envolvidos. Karlsruhe Institute of Technology (KIT) O consórcio Jena agora relata na Nature Ecology & Evolution que as funções do ecossistema não podem apenas ser previstas a partir das propriedades das plantas, mas que toda a complexidade das interações bióticas e abióticas deve ser considerada. (DOI: 10.1038 / s41559-020-01316-9) A biodiversidade na Terra, incluindo a diversidade de espécies, a diversidade genética dentro das espécies e a diversidade dos ecossistemas, é a base da vida de todos os organismos, incluindo os humanos. Os processos fundamentais dependem da biodiversidade, como o crescimento das plantas e a estabilidade dos ciclos materiais. No entanto, a diversidade biológica está diminuindo continuamente. Segundo os pesquisadores, essa perda atingiu, entretanto, uma extensão alarmante. Por esse motivo, inúmeros estudos e experimentos científicos abordam a importância da biodiversidade para o funcionamento dos ecossistemas e seu uso pelo homem. A perda de espécies tem consequências diretas para os humanos Um dos maiores e mais longos projetos sobre biodiversidade é o Experimento Jena, que foi financiado pela Fundação de Pesquisa Alemã de 2002 a 2019 (DFG; grupos de pesquisa FOR 456 e FOR 1451) e coordenado pela Universidade Jena. No experimento, pesquisadores de diferentes instituições científicas estudaram os efeitos da biodiversidade nas pastagens. Por meio da quantificação abrangente dos ciclos dos principais elementos químicos e da investigação dos processos acima do solo e subterrâneos, eles determinaram os mecanismos básicos. O professor Wolfgang Wilcke, chefe do Grupo de Geomorfologia e Ciência do Solo do Instituto de Geografia e Geoecologia do KIT (IFGG), e a Dra. Sophia Leimer, cientista e membro deste grupo, participaram do experimento e estudaram a relação entre a diversidade de plantas e o nitrogênio e ciclo do fósforo. “As descobertas do Experimento Jena confirmam que a perda atual de espécies tem consequências diretas para a humanidade”, diz Wilcke. “Como resultado, funções da natureza que aparentemente podem ser consideradas óbvias são interrompidas.” Segundo o geoecólogo, exemplos são a produção de biomassa para alimentos, tecidos, materiais de construção e combustíveis, além dos ciclos de água e nutrientes. Suas mudanças têm impactos graves, como inundações, secas ou poluição das águas subterrâneas. “Para interromper esse desenvolvimento e proteger a diversidade de espécies, são necessárias mais pesquisas e medidas práticas em todos os níveis, desde o consumidor individual até governos nacionais e organismos internacionais”, continua Wilcke. A importância da biodiversidade só pode ser determinada por pesquisa interdisciplinar Em uma série de três publicações na Nature Ecology & Evolution, o consórcio Jena publicou os principais resultados entre 2018 e 2020: Quanto mais funções do ecossistema, como um ciclo fechado de nutrientes, e os serviços do ecossistema resultantes (por exemplo, produção de biomassa) forem alcançados, mais espécies de plantas são necessárias, dizem os cientistas. Junto com o Experimento BioDIV nos EUA, o consórcio Jena descobriu que os resultados de experimentos artificiais, nos quais misturas de espécies de plantas eram geralmente compostas de forma aleatória, são estáveis ​​e podem ser transferidos para o mundo natural. Em sua publicação mais recente, o Experimento Jena conclui que as funções e serviços do ecossistema não podem ser previstos apenas a partir das propriedades das plantas. É mais necessário considerar toda a complexidade das interações bióticas e abióticas de um ecossistema, ou seja, todas as interações na natureza viva e não viva. Publicações Meyer, S.T., R. Ptacnik, H. Hillebrand, H. Bessler, N. Buchmann, A. Ebeling, N. Eisenhauer, C. Engels, M. Fischer, S. Halle, A.-M. Klein, Y. Oelmann, C. Roscher, T. Rottstock, C. Scherber, S. Scheu, B. Schmid, E.-D. Schulze, V.M. Temperton, T. Tscharntke, W. Voigt, A. Weigelt, W. Wilcke, and W.W. Weisser (2018): Biodiversity-multifunctionality relationships depend on identity and number of measured functions. Nat Ecol Evol 2, 44-49, published online on November 27, 2017, DOI: 10.1038/s41559-017-0391-4 Jochum, M., M. Fischer, F. Isbell, C. Roscher, F. van der Plas, S. Boch, G. Boenisch, N. Buchmann, J.A. Catford, J. Cavender-Bares, A. Ebeling, N. Eisenhauer, G. Gleixner, N. Hölzel, J. Kattge, V.H. Klaus, T. Kleinebecker, M. Lange, G. Le Provost, S.T. Meyer, R. Molina-Venegas, L. Mommer, Y. Oelmann, C. Penone, D. Prati, P.B. Reich, A. Rindisbacher, D. Schäfer, S. Scheu, B. Schmid, D. Tilman, T. Tscharntke, A. Vogel, C. Wagg, A. Weigelt, W.W. Weisser, W. Wilcke, and P. Manning (2020): The results of biodiversity-ecosystem functioning experiments are realistic. Nat Ecol Evol, published online on August 24, 2020, DOI: 10.1038/s41559-020-1280-9 van der Plas, F., T. Schröder-Georgi, A. Weigelt, K. Barry, S.T.Meyer, A. Alzate, R.L. Barnard, N. Buchmann, H. de Kroon, A. Ebeling, N. Eisenhauer, C. Engels, M. Fischer, G. Gleixner, A. Hildebrandt, E. Koller-France, S. Leimer, A. Milcu, L. Mommer, P.A. Niklaus, Y. Oelmann, C. Roscher, C. Scherber, M. Scherer-Lorenzen, S. Scheu, B. Schmid, E.-D. Schulze, V. Temperton, T. Tscharntke, W. Voigt, W.W. Weisser, W. Wilcke, and C. Wirth (2020): Plant traits alone are poor predictors of ecosystem properties and long-term ecosystem functioning. Nat Ecol Evol, published online on October 05, 2020, DOI: 10.1038/s41559-020-01316-9 Para a última publicação: https://www.nature.com/articles/s41559-020-01316-9 Mais informações sobre o Experimento Jena: http://the-jena-experiment.de Mais sobre o KIT Climate and Environment Center: http://www.klima-umwelt.kit.edu/english in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 28/10/2020

Nenhum comentário: