terça-feira, 13 de outubro de 2020

Agricultura é a principal fonte de aumento do óxido nitroso atmosférico

Gases de efeito estufa de longa duração podem prejudicar as metas climáticas internacionais, dizem os pesquisadores University of California, Irvine* Uma equipe internacional de pesquisadores – incluindo cientistas do sistema terrestre na Universidade da Califórnia, Irvine – concluiu recentemente a mais completa revisão do óxido nitroso desde a emissão até a destruição na atmosfera do planeta. Além de confirmar que o aumento de 20% na quantidade do gás de efeito estufa desde o início da Revolução Industrial pode ser totalmente atribuído ao homem, a equipe expressou dúvidas sobre a capacidade de reduzir as emissões ou mitigar seus impactos futuros. Em um estudo publicado esta semana na Nature , os pesquisadores documentam os detalhes das emissões de N2O de origem humana e como elas se intensificaram em 30 por cento nas últimas quatro décadas, a parte dominante vindo de fertilizantes de nitrogênio sintético e esterco animal usado na agricultura . O jornal observa que as economias emergentes – especialmente Brasil, China e Índia – estão se tornando os principais emissores do gás à medida que aumentam sua produção de alimentos. Uma vez liberado no ar, o óxido nitroso permanece por cerca de 116 anos. O acúmulo de N 2 O, que é gerado naturalmente, bem como por meio de atividades humanas e também é conhecido por empobrecer o ozônio estratosférico, cria um dilema para as nações que trabalham para travar as mudanças climáticas descontroladas, de acordo com o co-autor Michael Prather , ilustre Professor de ciência do sistema terrestre na UCI. “As emissões de óxido nitroso estão aumentando mais rápido do que qualquer cenário considerado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – tão rápido que, se não for verificado, junto com o dióxido de carbono vai empurrar o aumento da temperatura média global para bem acima de 2 graus Celsius dos níveis pré-industriais , a meta nominal do acordo climático de Paris ”, disse ele. Os cientistas estimam que, para atingir esse objetivo do fim do século, as emissões cumulativas de CO 2 não devem ultrapassar cerca de 700 gigatoneladas nos próximos 80 anos; para limitar o aquecimento global a ainda mais ambiciosos 1,5 grau, essa soma cai para 500 gigatoneladas.orçamento global de N2O “Há um certo otimismo cauteloso de que essas metas serão alcançáveis ​​se pudermos reduzir as emissões de combustíveis fósseis e tomar medidas para remover ativamente o CO 2 da atmosfera”, observou Prather. O óxido nitroso é um gás de efeito estufa consideravelmente mais persistente, entretanto. O estudo constatou que essas emissões sempre excederam as expectativas e, com o uso de nitrogênio vinculado à produção de alimentos, parece haver formas limitadas de mitigar significativamente a liberação do gás. Além disso, ao contrário do CO 2 , o N 2 O não é fotossintetizado pelas plantas, nem é quimicamente reativo o suficiente para ser sequestrado por métodos de geoengenharia. Prather disse que o caminho para controlar as emissões de N 2 O é por meio do uso mais eficiente de fertilizantes e da terra onde o gado é criado. Segundo ele, se as atuais emissões de óxido nitroso continuarem, elas serão equivalentes a cerca de 230 gigatoneladas de emissões cumulativas de CO 2 até o final do século – quase metade das emissões totais de CO 2 permitidas permanecer dentro de um aumento de temperatura global de 1,5 grau . “Os cenários mais otimistas exigem que as emissões de N 2 O sejam reduzidas para o equivalente a 178 gigatoneladas de CO 2 ”, disse Prather. “Mas nosso trabalho mostra que isso será difícil de alcançar porque as emissões de N 2 O não estão ligadas ao setor de carbono, mas à agricultura, que deve continuar a se expandir com o crescimento da população e do produto interno bruto.” Ele disse que o estudo é um passo importante para enfrentar o desafio apresentado por este gás de efeito estufa não cooperativo. “Em comparação com o entendimento bem estabelecido das contribuições do dióxido de carbono e do metano para a mudança climática, o óxido nitroso há muito era considerado o mais ‘incerto’ dos gases de efeito estufa”, disse Prather. “Com este documento, podemos confirmar que as fontes e sumidouros de N 2 O agora estão bem definidos e atribuídos, portanto, lidar com a tarefa de reduzir as emissões pode ser acompanhado por verificações e procedimentos de validação adequados.” Ele disse que o terceiro e mais importante gás de efeito estufa, freqüentemente esquecido, pode se tornar uma ameaça de longo prazo ao controle das mudanças climáticas. O projeto foi apoiado pela NASA, a Fundação Nacional de Ciência, a Administração Oceânica e Atmosférica Nacional e a divisão de Ciência Rural e Ambiental e Serviços Analíticos da Escócia. Referência: Tian, H., Xu, R., Canadell, J.G. et al. A comprehensive quantification of global nitrous oxide sources and sinks. Nature 586, 248–256 (2020). https://doi.org/10.1038/s41586-020-2780-0 * Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate. in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/10/2020

Nenhum comentário: