sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Combustão de combustíveis fósseis é o principal contribuinte para o carbono negro em todo o Ártico

Carbono Negro – Uma equipe internacional conduziu o estudo em locais na Rússia, Canadá, Suécia e Noruega, com pesquisadores da Universidade de Baylor contribuindo com medições para o Alasca.
Por Terry Goodrich*, Baylor University
Combustão de combustíveis fósseis é o principal contribuinte para o carbono negro coletado em cinco locais ao redor do Ártico, o que tem implicações para o aquecimento global, de acordo com um estudo de um grupo internacional de cientistas que incluiu uma equipe da Baylor University.
O estudo de cinco anos, para descobrir fontes de carbono negro, foi feito em cinco locais remotos ao redor do Ártico e foi publicado na revista Science Advances , uma publicação da Associação Americana para o Avanço da Ciência.
A equipe de Baylor usou radiocarbono para determinar as contribuições de queima de fósseis e biomassa para o carbono negro em Barrow, no Alasca, enquanto seus colaboradores usaram a mesma técnica para locais na Rússia, Canadá, Suécia e Noruega.
A pesquisa de Baylor foi liderada por Rebecca Sheesley, Ph.D., professora associada de ciência ambiental na Faculdade de Artes e Ciências, e Tate Barrett, Ph.D., ex-aluna de Sheesley e agora pesquisadora de pós-doutorado na Universidade do Norte do Texas. Seu interesse pela pesquisa resultou de um desejo de entender por que o Ártico está mudando e quais poluentes devem ser controlados para mitigar essa mudança.
“O Ártico está aquecendo a uma taxa muito maior do que o resto do globo”, disse Sheesley. “Essa mudança climática está sendo impulsionada por poluentes atmosféricos, como gases de efeito estufa e partículas na atmosfera. Um dos componentes mais importantes deste material particulado atmosférico é o carbono preto, ou fuligem. O carbono negro absorve diretamente a luz do sol e aquece a atmosfera. Em locais nevados, também pode se depositar na superfície, onde aquece a superfície e aumenta a taxa de derretimento ”.
Os resultados mostraram que a combustão de combustíveis fósseis (carvão, gasolina ou diesel) é responsável pela maior parte do carbono negro no Ártico (cerca de 60% ao ano), mas que a queima de biomassa (incluindo incêndios florestais e madeira) se torna mais importante no verão.
O local, em Barrow, no Alasca, que era o foco da equipe de Baylor, diferia de outros locais, pois tinha maior contribuição de combustível fóssil para o carbono negro e era mais impactado pelas fontes norte-americanas de carbono negro do que o resto do Ártico.
Desde 2012, Sheesley vem expandindo este trabalho para investigar como as fontes de combustão e não-combustão impactam diferentes tipos de partículas atmosféricas em todo o Ártico do Alasca.

Medição de Radiação Atmosférica em Barrow, Alasca
Medição de Radiação Atmosférica em Barrow, Alasca, local de pesquisa da equipe Baylor em estudo internacional de carbono negro dentro e ao redor do Ártico.

Referência:
Source apportionment of circum-Arctic atmospheric black carbon from isotopes and modeling
BY P. WINIGER, T. E. BARRETT, R. J. SHEESLEY, L. HUANG, S. SHARMA, L. A. BARRIE, K. E. YTTRI, N. EVANGELIOU, S. ECKHARDT, A. STOHL, Z. KLIMONT, C. HEYES, I. P. SEMILETOV, O. V. DUDAREV, A. CHARKIN, N. SHAKHOVA, H. HOLMSTRAND, A. ANDERSSON, Ö. GUSTAFSSON
Science Advances 13 Feb 2019: Vol. 5, no. 2, eaau8052
DOI: 10.1126/sciadv.aau8052
http://advances.sciencemag.org/content/5/2/eaau8052

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.
in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/02/2019
"Combustão de combustíveis fósseis é o principal contribuinte para o carbono negro em todo o Ártico," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 22/02/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/02/22/combustao-de-combustiveis-fosseis-e-o-principal-contribuinte-para-o-carbono-negro-em-todo-o-artico/.


Nenhum comentário: