sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

Mais de 25 mil tubarões foram abatidos para exportação criminosa para a China

A megaoperação da alfândega peruana interveio contra o envio de remessas de barbatanas de tubarão de origem suspeita que seriam enviadas para a Ásia. Até o momento, foi estimado em mais de 25 mil animais mortos nos mares da fronteira com o Equador, vários deles na lista de espécies ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).
Uma das maiores remessas de barbatana de tubarão suposta origem ilegal no Peru -25 toneladas no valor de US $ 630.000 e teve a China como destino foi apreendida pela Aduana da Superintendência Nacional de Administração Tributária (SUNAT) em Callao durante uma megaoperação para combater supostas organizações dedicadas à extração e ao tráfico de espécies aquáticas em perigo de extinção.
A operação – realizada na semana passada pela Brigada de Operações Especiais (BOE) da Alfândega – descobriu vários contêineres com entre 100 e 150 sacas que continham milhares de barbatanas dorsais de espécies que foram preliminarmente identificadas como pertencentes ao tubarão azul ( prionace glauca ) e ao tubarão raposa ( Alopius pelagicus ), entre outros, incluídos na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza ( IUCN ).
O número de espécimes abatidos pode crescer nas próximas horas quando for concluída com a revisão total de 25 toneladas de material encontrado em armazéns do porto Callao. “O preço desta exportação de barbatanas parece pouco (US $ 630.000) em comparação com o valor do ouro, madeira e outras matérias-primas enviados ao exterior, mas o dano final à natureza e ao ecossistema marinho é inestimável”, disse um dos responsáveis ​​pelas investigações.
A investigação estabeleceu que as empresas Angaff SAC, Huiman SAC e Lamarqocha Inversiones SAC com sede em Lima; Inversiones Peru Flippers de Callao EIRL; e Tide Blue EIRL de Tumbes são os donos das cargas. De acordo com informações financeiras, essas empresas foram criadas nos últimos cinco anos e fazem importações do Equador e exportações para a China continental e Hong Kong, mercados que vendem barbatanas de tubarão em restaurantes ou industrializar por suas propriedades afrodisíacas alegados.
“Estima-se que mais de 25 mil
espécimes de tubarão foram abatidos,
de acordo com o número de barbatanas
interceptadas pela alfândega”
Atualmente, o Peru é o terceiro exportador mundial de barbatanas de tubarão e o maior fornecedor latino-americano desse produto para a China, segundo a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O Equador está proibido de exportar as barbatanas de tubarão .
INTERVENÇÃO A Brigada de Operações Especiais (BOE) da Alfândega descobriu vários contêineres com sacos de polietileno que tinham a China como destino. Foto: Ojo-Publico.comOlho – Público . com

Empresas sob investigação

As autoridades aduaneiras estabeleceram que uma das maiores empresas Lamarqocha Inversiones SAC é constituída com Amadeo Saenz 2016 Astuñaupa como gerente geral, e Xiaoou Zheng chinês de origem e Lucila Sáenz Astuñaupa como fundadores. O exportador enviou remessas para a China por mais de US $ 7 milhões entre julho de 2016 e setembro de 2018.
Huiman também SAC, fundada em 2016 em Lima e cujos gestores Clotilde Huiman Cordova, advogado para o exportador, e seu marido Jorge Castillo Silva, fez importações do Equador por US $ 350 bilhões e as exportações para a China por US $ 880.000.
VULNERÁVEL. A raposa tubarão nesta foto é caracterizada por sua cauda longa e se tornou uma espécie cobiçada por pescadores de todo o mundo. Foto: Nicolas Voisin / Oceana.
A alfândega também interveio na empresa chalaca Inversiones Peru Flippers, criada em 2015 e cujo gerente e proprietário é Juan Quispe Huamaní. Essa empresa fez exportações para Hong Kong por mais de US $ 421 mil a partir de novembro de 2016. Enquanto isso, a Marea Blue, criada em 2017 e administrada por Miguel Ángel Vera Chevez, fez exportações para Hong Kong por US $ 57 mil. que vai de 2018.
Fontes do setor que combate o tráfico de barbatanas de tubarões revelaram a inação do Estado na luta contra as organizações dedicadas à extração e contrabando de espécies aquáticas em risco de extinção. As entidades encarregadas de articular essas ações são a Polícia Nacional, o Ministério Público Especializado em Assuntos Ambientais e a Agência Nacional de Saúde Pesqueira ( Sanipes ) do Ministério da Produção .
INVESTIGAÇÃO Cada um dos contêineres interpostos carregava entre 100 e 150 sacas com milhares de barbatanas de tubarão.  Foto: Ojo-Publico.com.Olho – Público . com .
Olho – Público . com soube que a Alfândega está em processo de investigação para estabelecer a origem real da carga, que poderia permanecer imobilizada por até 30 dias úteis, se disponível. Esta é a maior apreensão de barbatana de tubarão nos últimos anos. Desde 2015, as autoridades peruanas apreenderam mais de 27 toneladas de barbatanas desta espécie em diferentes operações realizadas nas localidades de Tumbes, Ancash e Lima.
O Ministério Público também pode levar o caso ao Judiciário pelo crime de extração ilegal de espécies aquáticas. Questionado sobre as ações habituais nestes processos, o promotor público do Ministério do Meio Ambiente Julio Guzmán disse que se o caso veio à judicializarse e acabou em uma frase (a infracção é punível com até cinco anos de prisão) a carga pode chegar a incinerado por não tem uso gastronômico ou industrial no Peru.

Fornecedores e outros suspeitos

A última operação contra essas organizações ocorreu em março passado, quando o Sunat apreendeu quase duas toneladas de barbatanas de tubarão em Chimbote (Ancash) . Então, a carga – fornecida pela Tumbes e contida em 51 malas avaliadas em US $ 31 mil – não possuía a documentação que comprova sua origem. O caso contra o acusado Poly Dicks Pinto Gonzales, pai de Brian Pinto Panduro, um dos proprietários da Angaff Peru; e os irmãos Jorge Roldán e María Amelia Ángulo Sánchez; Já está no Judiciário.
Alfândega do Sunat também identificou a empresa Genesis Naomi de Tumbes como um dos fornecedores de barbatanas de tubarão, como parte de suas investigações. A empresa, criada em 2014 e de propriedade e gerenciada por Mario Lucio Maceda Vidal , fez importações do Equador para mais de US $ 1,2 milhão entre 2015 e 2016. Este personagem foi mandado para a prisão depois de ser acusado como membro da organização ” Os Piratas de Puerto Pizarro “que opera na zona norte do Peru.
“O tubarão-azul e o tubarão estão
em risco de extinção, segundo
O tráfego dessas espécies – cuja origem real é “lavada” na exportação – segue globalmente, apesar do fato de que sua captura tem restrições em certos países e que poderia levá-los à extinção se o seu comércio não fosse controlado, de acordo com a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção ( CITES ). Na Conferência das Partes, a ser realizada no Sri Lanka em 2019, a proposta do Peru de realizar um inventário das barbatanas dessas espécies com o objetivo de limitar as licenças para seu comércio poderia ser aprovada.
O Peru tornou-se a rota de saída para países com proibições como o Equador, devido à alta demanda do mercado asiático. De acordo com o Departamento de produtos da pesca PromPerú, o país exportou mais de 360 ​​toneladas de barbatanas de tubarão nos últimos dois anos, que estavam cotadas a US $ 10 milhões em FOB (valor utilizado para calcular os montantes das exportações) valor.
Autores:
Óscar Castilla C.
OJO Publico – É uma mídia digital produzida no Peru  de jornalismo investigativo e novas narrativas que visa oferecer um coquetel cada vez mais raro: histórias relevantes, notícias reais, textos bem escritos e ferramentas de informação inovadoras sobre temas urgentes da agenda pública nacional. É uma equipe de repórteres experientes que aceitam o desafio dos leitores: desconfortáveis ​​com o poder, vigilantes da democracia, põem nossos olhos no serviço do interesse do cidadão em vez de promover os interesses dos outros. 
Neste lugar, o absurdo disfarçado de jornalismo, as fofocas infundadas e as cortinas de fumaça são proibidas. Tudo o que já resta no quiosque da esquina. Aqui praticamos a máxima que orienta os grandes empreendimentos da imprensa livre: publicamos as histórias que gostaríamos de ver e ler para sermos verdadeiramente informados. Estamos comprometidos com a vigilância e o controle do poder estatal e corporativo, do crime organizado transnacional, da corrupção em todas as suas formas e de outras ameaças contra o interesse público, o meio ambiente e os direitos humanos.

Nenhum comentário: