quinta-feira, 23 de junho de 2016


 
Anda
23/06/2016EDIÇÃO 825
 
 
CONTEÚDO ANDA
Ativistas lutam para resgatar animais do "pior zoológico do mundo"
CONTEÚDO ANDA
Denúncia revela experimentos cruéis contra animais no exército israelense 
CONTEÚDO ANDA
Orangotango explorado como animal doméstico é acolhido por santuário 
CRONICATO - ROGÉRIO ROTHJE
Deixem os animais em paz 
CONTEÚDO ANDA
Político desperta revolta ao postar imagens dos animais selvagens que matou 
FALHAS
A morte da onça Juma reaviva a polêmica do uso de animais em cerimônias 
O emocionante Henry
 
"O prêmio de Compaixão Mundial foi concedido em reconhecimento às brilhantes conquistas da Agência em informar o mundo do valor da bondade a todos os ser..."
Suprema Mestra Ching Hai
Líder mundial humanitária
+ LEIA MAIS
FaÃ?a  aqui sua doaÃ?Ã?o
R2PRO
HostGator
 

Arborizaçao Urbana Valorizada em Rio Grande/RS

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) de Rio Grande/RS, realiza o Seminário sobre Arborização Urbana “Construindo um Novo Paradigma de Arborização Urbana como Redes de Infra estrutura”, no Salão Nobre da Prefeitura, Largo João Moreira, s/n, no dia 30 de junho de 2016, às 13 horas 30 minutos.
O Movimento Nem 1 Metro de Área Verde a Menos, que tem denunciado a ausência de áreas verdes em Pelotas/RS e mobilizado sociedade para mudra esse quadro, com conquistas recentes significativas, estará presente com o Prof. Mauricio Polidori, da FAURB/UFPel.
Seminario Arborizaçao Rio Grande 2016

Mas afinal me diga porque prevalece a produção que envenena e mata?


Carnaval 2016 | Integrantes da Agapan desfilam na escola de samba Unidos da Vila Isabel

Artigo do presidente da Agapan, Leonardo Melgarejo.

A escola de samba Unidos da Vila Isabel trouxe para o carnaval gaúcho deste ano, com coragem e alegria, temas delicados como a agricultura familiar, a produção de alimentos saudáveis, a reforma agrária e a agroecologia.



Mostrou com a humildade e o despojamento honestos de uma escola enraizada no povo, em um desfile alegre e comprometido, que estas questões são atuais e merecem atenção geral.
A Unidos da Vila Isabel homenageou um homem do povo, um homem que saiu das barracas de lona preta e se tornou referência na Câmara Federal. Adão Pretto, uma voz forte e clara na defesa de pessoas modestas e despojadas, sempre revelando a indignação de quem vê, mas não entende por que “insiste em prevalecer a produção que envenena e mata, se existe neste lugar quem faça com o coração, caleja as mãos e alimenta a alma” – conforme cantava o samba-enredo da escola.
A Agapan se orgulha e agradece pela oportunidade de cantar com a Vila Isabel a música mais linda das passarelas deste ano. Participar deste ato político, incorporado à maior festa popular brasileira marca a história de nossa entidade e reforça nosso compromisso com o lema: “A vida sempre em primeiro lugar”.
Como mostra a crise ambiental que acaba de derrubar milhares de árvores em nossa cidade, como revelam as denúncias do coletivo A Cidade que Queremos, as facilidades asseguradas a interesses privados e a invisibilidade oferecida às denúncias feitas simplicidade e alegria pela Vila dificultam, mas não impedirão que os gaúchos se ergam pelo apoio à agricultura familiar, “gente humilde que sempre quis igualdade e fartura à todos, energia do povo, agricultura do país”.

Agradecemos ao presidente Cléber e a todos e todas da Vila Isabel pela honrosa oportunidade de estar com eles e assim reforçar nossa consciência de que cabe a todos: “cultivar, cuidar, amar, colher a esperança do amanhecer”.

EcoDebate - Edição 2.554 de 23/ junho / 2016

Desejamos a todos(as) um bom dia e uma boa leitura
Compreendemos desenvolvimento sustentável como sendo socialmente justo, economicamente inclusivo e ambientalmente responsável. Se não for assim não é sustentável. Aliás, também não é desenvolvimento. É apenas um processo exploratório, irresponsável e ganancioso, que atende a uma minoria poderosa, rica e politicamente influente.” [Cortez, Henrique, 2005]

quarta-feira, 22 de junho de 2016


 
Anda
22/06/2016EDIÇÃO 824
 
 
CONTEÚDO ANDA
Congresso dos EUA pressiona militares para abolir exploração animal em treinamento médico
CONTEÚDO ANDA
ndia registra morte de 39 elefantes e causas permanecem desconhecidas 
CONTEÚDO ANDA
Até 500 elefantes africanos serão realocados em tentativa de salvá-los da extinção 
CONTEÚDO ANDA
Caçadores se comunicam por código para traficar corpos de animais na Índia 
CONTEÚDO ANDA
Irmãos policiais salvam animais da morte em rodovias do Texas 
CONTEÚDO ANDA
Tribunal de Oregon reconhece que cães não são propriedades e condena agressora 
O emocionante Henry
 
"Eu acho que é da maior importância uma agência como a ANDA que traz exclusivamente notícias, informações sobre os animais porque é uma coisa que não se ..."
Laerte Coutinho
Cartunista
+ LEIA MAIS
FaÃ?a  aqui sua doaÃ?Ã?o
R2PRO
HostGator
 

Projeto controverso de usina a carvão na Índia ameaça o Tigre de Bengala e patrimônio mundial da UNESCO

Um controverso projeto de usina a carvão aumentará os já elevados riscos que ameaçam tanto o tigre de Bengala como a floresta de mangue de Sundarbans - o maior bloco de mangue arbóreo do mundo. Trata-se de uma termelétrica a carvão que deve ser construída perto da cidade de Khulna, ao lado de Sundarbans de mangue – lar do lendário do Tigre de Bengala. Ela não só ameaça este patrimônio da UNESCO e uma das mais icônicas espécie em extinção, como também produzirá eletricidade a um custo 32% maior que o preço médio em Bangladesh, apesar de pesados ​​subsídios dos governos do Bangladesh e Índia.

A controversa usina a carvão está sendo construída pela NTPC, controlada pelo Estado indiano, em conjunto com o Power Development Board Bangladesh (BPDB). Estima-se que o total de subsídios governamentais irá superar os US$ 3 bilhões.  Os fundos para a conservação do tigre de Bengala, por outro lado, dificilmente chegam a US$ 45 milhões, apesar de ser considerado o animal nacional de Índia e Bangladesh. Um censo recente feito com câmeras escondidas mostrou que apenas cerca de 100 tigres permanecem em Sundarbans - confirmando a tendência decrescente que mantém a espécie classificada como ameaçada de extinção pelo IUCN desde 2010.

Além do Tigre de Bengala, os Sundarbans – palavra que pode ser traduzida como "bela floresta" na língua Bengali - é o lar de outras 8 espécies ameaçadas de extinção. Com cerca de 10.000 quilômetros quadrados, eles abrigam crocodilos, veados, cobras, 150 espécies de peixes, 42 espécies de mamíferos, 35 répteis, 8 espécies de anfíbios e 270 espécies de plantas. Todos serão  profundamente afetados pelo projeto da termelétrica, que ficará localizada na planície do Ganges a sudoeste de Bangladesh e a apenas 14 kms ao norte da floresta de mangue de Sundarbans.

A construção de uma central elétrica a carvão maciço perto das Sundarbans iria causar um desastre nesta área ecologicamente sensível com uma  biodiversidade única. O carvão importado para abastecer a fábrica sairia de Akram Point, que está localizado dentro das Sundarbans, onde seria feita a transferência para barcaças cobertas menores para que o carvão seja então levado até o Rio Passur até o site do projeto Rampal, perfazendo um total de 400-500 viagens de barca por ano diretamente através do Sundarbans.  Esse processo exigiria a dragagem e alargamento de um trecho de 36 quilômetros do rio Passur para tornar o rio navegável entre Akram Point e a termelétrica.

O projeto contradiz os princípios de desenvolvimento sustentável pelo contínuo financiamento subsidiado pelo governo de usinas elétricas movidas a carvão, especialmente quando alternativas de baixo carbono estão disponíveis e são economicamente competitivas. As termelétricas a carvão estão entre as principais causas das mudanças climaticas, que já estão ameaçando as Sundarbans.

"Acreditamos que Bangladesh seria melhor atendida com o reforço de sua segurança energética por meio da diversificação do sistema, aproveitando a missão solar, muito bem sucedida da Índia. Isso promoveria as exportações indianas e fortaleceria o ambicioso programa 'Make-in India' do Governo, ao mesmo tempo em que apoiaria o programa de energia renovável de Bangladesh. Seria muito mais rápido para a Bharat Heavy Electricals Limited instalar uma série de usinas de energia solar em em Bangladesh ao invés de investir em uma tecnologia ultrapassada e poluidora", analisa Jai Sharda, Managing Partner, Equitorials e autor do relatório "
Risky and Over Subsidised A Financial Analysis of the Rampal Power Plant, lançado pelo Instituto de Economia da Energia e Análise financeira (IEEFA). De acordo com este relatório, o projeto Bangladesh-Índia Maitree pode efetivamente acabar em uma confusão financeira. O projeto expõe investidores, contribuintes e consumidores a um alto risco e um potencial de ativos ociosos. "Nós examinamos o projeto de energia de carvão Rampal segundo parâmetros tais como financiamento, investimento, custo de produção, fornecimento de combustível, bem como risco devido a eventos climáticos extremos. O projeto falha em todas as frentes, além de expor os investidores a um risco significativo ", sintetiza Jai Sharda.

Em primeiro lugar, um empréstimo com taxas abaixo do mercado pelo EXIM Bank indiano representa um subsídio de US$ 988 milhões efetivamente pagos pelos contribuintes indianos para os consumidores de Bangladesh. Segundo, o governo de Bangladesh está propondo uma isenção de imposto sobre o rendimento de 15 anos para a usina no total de US$ 936 milhões. Em terceiro lugar, Bangladesh faria a concessão anual de um subsídio de US$ 26 milhões por meio da realização de dragagem de manutenção para assegurar a entrega de carvão para a planta. "Subsídios para o projeto Rampal colocam um peso enorme sobre os contribuintes indianos", disse Sharda.

O EXIM Bank depende fortemente de empréstimos em moeda estrangeira dos mercados internacionais: eles representaram 41,5% do total de empréstimos no ano fiscal de 2015. No entanto, os mercados internacionais estão cada vez menos dispostos a financiar projetos ou instituições envolvidas com usinas da carvão. O Conselho de Ética do Fundo de Pensão do Governo da Noruega excluiu a NTPC de seu universo de investimentos por causa de seu patrocínio do projeto Rampal. Não há razão para acreditar que ação semelhante não será tomada por outros fundos de investimento contra o EXIM Bank ", alertou Tim Buckley, diretor de estudos de Energia Finanças, Australasia para IEEFA.

Diversos bancos multilaterais e agências de crédito à exportação em países que são membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) já se comprometeram a limitar o financiamento de usinas a carvão e atividades conexas. Isso deixa oEXIM Bank indiano em risco de que, quando o empréstimo de 12 anos proposto amadurecer, o banco não seja capaz de encontrar outras instituições financeiras internacionais dispostos a realizar o refinanciamento de Rampal, deixando o EXIM Bank com um empréstimo estagnado muito significativo.

"A exposição ao projeto Rampal é uma clara violação dos princípios do Equador, que coloca em risco a capacidade do EXIM Bank de levantar empréstimos a preços competitivos nos mercados internacionais", destacou Buckley.

A localização do projeto Rampal na "zona de risco de ventos" de Bangladesh representa um risco financeiro significativo para o projeto, uma vez que a usina seria extremamente vulneráveis ​​a tempestades e, portanto, a falhas e danos. A falta de um plano para combater até mesmo uma tempestade normal é gritante, assim como as decisões aparentemente empíricas e não científicas em torno do desenvolvimento dessa termelétrica.

O custo da eletricidade produzida será 32% superior aos custos médios de energia elétrica em Bangladesh, apesar dos vários subsídios de Bangladesh e da Índia, bem como assumindo um fator de capacidade média (PLF, na sigla em inglês) de 80%. O PLF médio para usinas de energia a carvão na China, EUA e Índia fica na faixa de 50-60%, enquanto que em Bangladesh em 2014-15 a taxa PLF média foi de 63,9%. Não há nada no projeto Rampal que sugira que essa tendência seja revertida. 

____________________________________________________________________

Link para o relatório: http://ieefa.org/step-backward-bangladesh/

Contato para mais informações:

Jai Sharda (Índia) P: +91 9737233038, jai@equitorials.com

Tim Buckley (Austrália) P: +61 408 102 127 tbuckley@ieefa.org

Hozefa Merchant, GSCC (Índia), +91 9819592410, hozefa.m@comms.global

_____________________________________________________________________

IEEFA realiza pesquisas e análises sobre as questões financeiras e econômicas relacionadas com a energia e o ambiente. A missão do Instituto é o de acelerar a transição para uma economia de energia diversificada, sustentável e rentável e reduzir a dependência de carvão e outros recursos não renováveis ​​de energia.

Clique aqui  para saber mais sobre as pesquisas da IEEFA: 
http://ieefa.org/category/subject/reports/

Austrália pode perder 1 milhão de turistas por ano por causa do branqueamento da Grande Barreira de Corais

 O branqueamento da Grande Barreira de corais da Austrália, causado pelo aquecimento global, é mais que um desastre ambiental. Segundo relatóriodivulgado pelo think tank econômico The Australia Institute, a destruição contínua dos corais causada pelas mudanças climáticas pode levar o país a perder mais de 1 milhão de visitantes e mais de US$ 900 milhões dos US$ 3,3 bilhões gastos anualmente por turistas nas regiões da barreira, colocando em risco 10 mil postos de trabalho.
O relatório examina as implicações do branqueamento do coral e da postergação de ações para conter as mudanças climáticas sobre a indústria do turismo da Austrália como um todo.  Além das regiões dos corais, esse impacto pode afetar o turismo da Austrália como um todo, com perdas adicionais de mais de 174.000 visitantes e US$ 1 bilhão em gastos de turistas.
De acordo com a pesquisa, a Grande Barreira de Corais é considerada uma das principais atrações por 73% dos potenciais visitantes da China, do Reino Unido e dos EUA. No entanto, 174.000 visitantes desses três países, que poderiam gastar mais de US$ 1 bilhão em turismo na Austrália, se sentem mais propensos a visitar um país diferente se branqueamento dos corais persistir.  
 No início de 2016, a Grande Barreira de Corais sofreu o branqueamento de coral mais grave já registrado, causado principalmente pelo aquecimento global. Osdados mais recentes do Great Barrier Reef Marine Park Authority indicam que a mortalidade já atingiu 22%. Para reduzir a ameaça de branqueamento dos recifes de corais, é preciso combater o aquecimento global. No caso da Austrália, a ação mais eficaz é eliminar o uso do carvão para gerar energia. Programas para aliviar as pressões locais sobre a barreira e melhorar sua capacidade de resiliência não são suficientes.  
 Mais de 80% das pessoas de fora da Austrália que foram entrevistadas para esse relatório acreditam que o país tem  obrigação de proteger a Barreira. Cerca de 70% deles dizem que a Austrália deve parar de aprovar novas minas de carvão e avançar para as energias renováveis para proteger os corais.  Mas a indústria do carvão se opõe a qualquer ação séria sobre o aquecimento global, como uma moratória sobre as minas de carvão, a precificação do carbono ou a expansão das energias renováveis. No entanto, sem essas medidas, a indústria do turismo do recife está em risco.
O turismo motivado pela Grande Barreira de Corais emprega 39.000 a 45.000 pessoas por ano, enquanto a mineração de carvão responde por apenas 20.000 empregos. Em 2015, a Grande Barreira de Corais atraiu 2,4 milhões de turistas australianos e 1,1 milhões de turistas internacionais, que gastaram um total de US$ 3,3 bilhões. 
<><><<><><><><><>><><><><>
Silvia Dias/Rita Silva
AViV Comunicação
Tel.: 11-4625-0605

O MUNDO ESTÁ COM FEBRE !!!

Olá, James.

O fogo incontrolável. A árvore que não floresce, a fruta que seca no pé. O peixe sem alimento. O rio sem peixe. As enchentes invadindo as roças, afogando lavouras. As andorinhas que sempre anunciam a chegada das chuvas e, agora, desaparecem.

Essas frases resumem alguns dos relatos dramáticos de 80 lideranças indígenas, quilombolas e extrativistas presentes no Encontro Florestas e Energia realizado por nós do Instituto Socioambiental (ISA) em Brasília, há poucos dias. Compartilhamos visões e desafios para, juntos, fortalecermos estratégias de adaptação e enfrentamento das mudanças climáticas. Afinal, os povos da floresta sentem os impactos e consequências das alterações do clima em seu cotidiano de forma direta.

Assista abaixo vídeo-resumo do evento:
“O desafio das alterações do clima faz com que a gente tenha que se reinventar e encontrar novas soluções. Juntar pessoas diferentes, com conhecimentos diferentes, para gerar novos conhecimentos, é a melhor forma de fazer isso”.
Adriana Ramos, Coordenadora do ISA
Precisamos da sua ajuda para seguirmos com o nosso trabalho de conscientização da sociedade com iniciativas como o Encontro Florestas e Energia. Além disso, continuar com a nossa forte atuação no campo em parceria com indígenas, quilombolas e extrativistas. Filie-se ao ISA e junte-se a nossa luta! Basta acessar o sitehttps://filiacao.socioambiental.org/ ou clicar no botão abaixo:
Quero me filiar ao ISA!
Contamos com você!

Saiba mais sobre como foi o Encontro Florestas e Energia clicando aqui.

Abraços,


André Villas-Bôas
Secretário Executivo
Instituto Socioambiental - ISA


Mais informações sobre o ISA.
Dúvidas ou comentários, ligue (11) 3515 8938 e fale com Ariel Gajardo ou escreva para ariel@socioambiental.org.

SEJA UM VENCEDOR PELOS CÃES !!!

Guardião Campeão
 
Junho de 2016
 
Olá, James
A gente sabe que você ama seu cachorro e, por isso, queremos lhe desafiar a provar que é um campeão por ele. 

O concurso cultural Guardião Campeão da World Animal Protection vai premiar e reconhecer os tutores que são verdadeiros atletas quando o assunto é o bem-estar de seus cães. 

Os vencedores ganham prêmios especiais para seus cães e ainda ajudam aqueles queaguardam por adoção em um abrigo

Veja como é fácil participar:
Passo 1
Escolha uma das provas que quer realizar. Quanto mais provas você cumprir, mais perto fica do primeiro lugar.
Passo 2
Envie-nos uma foto ou vídeo em que você e seu cão aparecem interagindo durante a atividade proposta na prova escolhida.
Passo 3
Indique uma entidade de proteção animal que mantém um abrigo para cães que você deseja beneficiar com nossa doação, caso você vença.
Passo 4
Compartilhe sua foto ou vídeo com seus amigos e inspire mais pessoas a se tornarem guardiões responsáveis.
 
Participe! Você tem até 20 de julho para enviar suas fotos e vídeos e provar que cuida bem do seu melhor amigo. Seja um Guardião Campeão pelo seu cachorro!
 
Somos World Animal Protection
Erradicamos o sofrimento desnecessário dos animais.
Influenciamos as autoridades para que coloquem os animais na agenda global.
Ajudamos o mundo a entender a importância dos animais para todos nós.
Inspiramos as pessoas a melhorar a vida dos animais.
Movemos o mundo para proteger os animais.

Ecodebate - Edição 2.553 de 22/ junho / 2016

Desejamos a todos(as) um bom dia e uma boa leitura
Compreendemos desenvolvimento sustentável como sendo socialmente justo, economicamente inclusivo e ambientalmente responsável. Se não for assim não é sustentável. Aliás, também não é desenvolvimento. É apenas um processo exploratório, irresponsável e ganancioso, que atende a uma minoria poderosa, rica e politicamente influente.” [Cortez, Henrique, 2005]

terça-feira, 21 de junho de 2016


SOS Mata Atlântica
21 de Junho de 2016
 nº. 569
Mar e Floresta

Conheça o resultado do edital que comemora os 30 anos da Fundação. Foram aprovados 24 projetos em 11 Estados da Mata Atlântica, que vão ajudar a criar e fortalecer Unidades de Conservação Municipais em ambientes costeiro-marinhos e de floresta, contribuindo para a proteção da biodiversidade e da qualidade de vida!

Conheça os projetos aprovados no edital de apoio a UCs Municipais

A Fundação SOS Mata Atlântica anuncia os 24 projetos aprovados pelo edital para o apoio à criação e implementação de Unidades de Conservação (UCs) Municipais no país. O objetivo é estimular as cidades a fortalecerem a gestão ambiental de seus territórios, investindo no planejamento e na execução de medidas que assegurem proteção e uso sustentável […]

Leia mais

Ação Pedal de Atitude supera meta e vai plantar 4.500 árvores

Com o apoio de ciclistas de todo o país, a Fundação SOS Mata Atlântica e a marca Sorine (cloreto de sódio) superaram a meta inicialmente prevista para o aplicativo Pedal de Atitude. Fruto de uma parceria entre as marcas, o app converteu o total de quilômetros (km) percorrido pelos usuários em árvores nativas para reflorestamento. […]

Leia mais

Projeto monitora baleias e golfinhos do Rio

Na região Sudeste, o Arquipélago das Cagarras e as ilhas Redonda e Rasa são os únicos locais onde esforços sistemáticos de pesquisas e monitoramento dos golfinhos flíper têm sido conduzidos entre desde de 2004. Estudos de identificação individual indicaram que a maioria dos adultos foi observada durante os censos entre 2004 e 2010, caracterizando a […]

Leia mais

Prorrogação do prazo do CAR mantém Brasil na contramão

A Fundação SOS Mata Atlântica repudia a prorrogação do prazo do Cadastro Ambiental Rural (CAR) por meio da Lei 13.295/2016, sancionada pelo presidente interino Michel Temer no último dia 14 de junho. Com a prorrogação, todos os proprietários rurais, independentemente do tamanho dos seus imóveis, terão até 31 de dezembro de 2017 para realizar o […]

Leia mais

Confira o vídeo Nós somos a Mata Atlântica

Lançado no Viva a Mata 2016, o vídeo “Nós somos a Mata Atlântica” aborda nossa relação com a floresta e apresenta a história de 3 pessoas reais, os jovens Carolina Ferrés, produtora cultural e idealizadora do Projeto Cidade Azul; o Gabriel Silva, caiçara de Ilhabela e estudante de arquitetura; e o Matias Borgstrom, cineasta independente […]

Leia mais

Mostra Ecofalante homenageia Dr. Paulo Nogueira Neto

No dia 29 de junho, durante a programação da Mostra Ecofalante de Cinema Ambiental, será realizada uma homenagem ao Dr.Paulo Nogueira Neto. Um dos autores da Lei 6938/81, que estabeleceu a nossa Política Ambiental Nacional, e primeiro Ministro de Meio Ambiente do Brasil, o Dr. Paulo é atualmente conselheiro da Fundação SOS Mata Atlântica. Paulo Nogueira […]

Leia mais
Fundação SOS Mata Atlântica
(11) 3262-4088
Avenida Paulista, 2073, Cj. 1318
Cd. Conjunto Nacional, Torre Horsa 1 - 13º andar
Bela Vista, São Paulo - SP
CEP: 01311-300