segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016


 
Anda
29/02/2016EDIÇÃO 748
 
 
CONTEÚDO ANDA
Babuínos explorados em experimentos morrem por negligência em colônia secreta
CONTEÚDO ANDA
Abrigo de cães reabre após incêndio que matou 60 animais 
CONTEÚDO ANDA
Imagem mostra triste contraste entre animais de companhia e os criados para consumo 
CONTEÚDO ANDA
Senhora de 93 anos continua trabalhando como voluntária em abrigos de animais 
IGUARIA CRUEL
Decisão da Justiça libera a produção e venda de foie gras em São Paulo 
CONTEÚDO ANDA
Cães de abrigos atuam como "cãodulas" para conseguir adoção 
Aqueça seu coração
 
"Todo trabalho que eleva o padrão vibratório e através da perseverança, da fé e boa vontade é merecedor do respaldo do mais além. Vemos nesta revista vir..."
Yossefe
Pelo médium irmão Gilberto
+ LEIA MAIS
FaÃ?a  aqui sua doaÃ?Ã?o
R2PRO
HostGator
 
 
 

Governo federal espera pela prorrogação do prazo da lei que acaba com os lixões


Rio de Janeiro – Rio de Janeiro- Uma montanha de 40 toneladas de lixo foi exposta pela Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) na Praia de Copacabana, para mostrar à população e aos visitantes do Rio todo o recolhimento de lixo no Ano=Novo. Foto de Tânia Rêgo/Agência Brasil

Política Nacional de Resíduos Sólidos foi aprovada em 2010 e determina que todos os lixões do país deveriam ter sido fechados até 2 de agosto de 2014.
Estão em tramitação no Congresso Nacional dois projetos que prorrogam o prazo para que municípios passem a dar o destino adequado aos rejeitos de resíduos sólidos, fechem seus lixões e se ajustem de vez à Política Nacional de Resíduos Sólidos . A proposta que prevê o aumento escalonado do prazo, de acordo com o porte da cidade, é bem recebida pelo governo federal porque coloca os municípios na legalidade, como explica a diretora de Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente (MMA), Zilda Veloso.
“Apesar de não ser o ideal, se formos observar a Política de Meio Ambiente e a Lei de Crimes Ambientais, havia uma previsão de que os quatro anos seriam suficientes e não foram. O que a realidade nos mostra é que quem tem mais dificuldade são os pequenos municípios. Essa proposta tem uma concordância do Executivo porque ela cria critérios escalonados”, disse, explicando que o outro projeto que prevê a prorrogação linear de quatro anos seria menos justo com os municípios menores.
Para a coordenadora de Resíduos Sólidos do Instituto Pólis, Elisabeth Grimberg, a possibilidade de prorrogação da política é um desserviço e vai esticar seu processo de implantação. “Não contribui para avançar na perspectiva da mudança de padrão da gestão e destinação de resíduos. É um entrave porque quando terminar os novos prazos, de novo os municípios vão deixando pra depois”, disse.
Os problemas na implantação da política poderiam ser tratados de outra maneira, segundo Grimberg, com a atuação do Ministério Público promovendo, por exemplo, Termos de Ajustamento de Conduta junto aos municípios, estabelecendo metas e discutindo como os gestores avançariam no gerenciamento de resíduos.
A Política Nacional de Resíduos Sólidos foi aprovada em 2010 e determina que todos os lixões do país deveriam ter sido fechados até 2 de agosto de 2014 e o rejeito (aquilo que não pode ser reciclado ou reutilizado) encaminhado para aterros sanitários adequados.
O Projeto de Lei 2289/2015 , aprovado no Senado e em tramitação na Câmara dos Deputados, dá prazo até 31 de julho de 2018, para capitais e regiões metropolitanas se adequarem; até 31 de julho de 2019, para municípios com população superior a 100 mil habitantes; até 31 de julho de 2020, para municípios com população entre 50 mil e 100 mil habitantes e até 31 de julho de 2021, para aqueles com população inferior a 50 mil habitantes.
Segundo a diretora do MMA, os médios e pequenos municípios poderiam formar consórcios para construção de aterros, mas acabaram esbarrando na falta de vontade política, falta de técnicos locais para estar à frente dos projetos e de recursos financeiros. “A política hoje é mais complexa, exige que exista um plano de gestão, que o que vá para o aterro seja só rejeito, então tem que ter coleta seletiva e redução da geração de resíduos. Mas solução não é muito fácil”, explicou.
Veloso conta que aproximadamente 41% dos municípios já elaboraram seus planos de gestão e que apenas 58% dos resíduos sólidos gerado nas cidades estão indo para aterros sanitários adequados . Sem a prorrogação dos prazos, os gestores municipais que não se adequaram à política estão sujeitos a ação civil pública, por improbidade administrativa e crime ambiental.
Técnicas de tratamento diferenciadas
A coordenadora do Instituto Pólis explicou que, de todo o lixo produzido no país, 60% é orgânico, 30% é reciclável e apenas 10% é rejeito, que precisa ir para aterro. “Existem soluções práticas e tecnológicas, alternativas concretas de tratamento. Mas tem muita desinformação dos gestores, falta terem maior contato com experiência em andamento no Brasil e no mundo”, disse Grimberg, citando exemplos de iniciativas de compostagem e biodigestão, sistemas de tratamento da matéria orgânica.
Para ela, os gestores locais têm insegurança de migrar do sistema de aterro para o sistema de compostagem e /ou biodigestão, já que isso também requer um estudo em termos de orçamento. “Falta compreender que tem que haver um remanejo, uma reapropriação do recursos orçamentários para ser destinados para implantar novas formas de coleta e tratamento, como parques de compostagem e biodogestão”, disse Grimberg.
A divulgação de técnicas de compostagem, inclusive, é uma prioridade para o MMA, explicou a diretora Zilda Veloso, já que a aproximadamente 51% dos resíduos sólidos gerados são resíduos orgânicos, que nem sempre precisam ser considerados rejeito, algo que não tem aproveitamento técnico ou econômico. Apesar disso, menos de 1% das cidades brasileiras fazem a compostagem, segundo ela.
Além da utilização como adubo, a compostagem reduz a periculosidade da matéria orgânica, que normalmente gera gás e chorume, tornado-a um material inerte. “A questão ambiental tem que ser encarada como uma economia a médio e curto prazo que os governos federal e locais podem fazer, porque ela está ligada à qualidade de vida e saúde das pessoas dentro das cidades, em reduzir as contas de hospital e de recuperação de áreas contaminadas, por exemplo. Os países ricos fazem essa conta, de reduzir os custos da gestão”, disse Veloso.
Ela explica que o MMA oferta, sistematicamente, cursos a distância para gestores municipais, muito focados em pequenos municípios, que são os mais carentes de informação. “E não oferecemos só uma tecnologia, mas colocamos várias ideias necessárias para que se melhore minimamente a gestão de resíduos”, disse Veloso.
Acordos setoriais
Outro ponto da política de resíduos sólidos em implantação são os acordos de logística reversa. Das cinco cadeias prioritárias, três já estão com acordos assinados: embalagem de óleos lubrificantes, lâmpadas e embalagens em geral (plástico, metal, papelão e vidro). As cadeias de eletroeletrônicos e medicamentos ainda discutem os termos do acordo com o MMA.
Um dos impasses para estabelecer a logística reversa dos eletroeletrônicos, segundo Veloso, está no Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), cobrado pelos estados na entrada e saída de mercadorias. “Os estados não estariam reduzindo tributos, mas aplicando um imposto justo na entrada da comercialização. A não cobrança do impostos sobre o resíduo descartado vai implicar em um preço mais justo para propiciar a reciclagem”, disse, explicando que a decisão depende de negociações com os estados.
Outra questão em debate são os pontos de recolhimento de material descartável que, de acordo com a classificação de resíduos, podem ser considerados locais de armazenamento de resíduo perigoso, portanto, sujeito a licenciamento ambiental. Segundo Veloso a questão ainda está em debate no Conama mas o MMA propõe que produtos minimamente íntegros, descartados pelo consumidor, não apresentam perigo.
Neste ano, o MMA deve ainda atualizar aquelas cadeias de logística reversa estabelecidas antes da lei de resíduos sólidos.
Inclusão de catadores
A política de resíduos sólidos prevê também a inclusão socioeconômica dos catadores de material reciclável, que ficariam sem fonte de renda com o fechamento dos lixões. Segundo Zilda Veloso, apesar de não ser regra, naturalmente os municípios deveriam ofertar para eles trabalharem na coleta seletiva e centrais de triagem, por exemplo, assim como as empresas que fazem a logística reversa utilizarem a mão de obra dos catadores.
“Eu acho que para os catadores a política está sendo bem inclusiva, apesar de todas as dificuldades desse último ano. Eles estão crescendo na cadeia”, disse a diretora, citando os programas do governo federal Pró-catador, de inclusão socioeconômica de catadores, e Cataforte, que repassa recursos para cooperativas e associações desses trabalhadores.
Para Ronei Alves, da coordenação nacional do Movimento Nacional de Catadores de Materiais Recicláveis, os municípios não estão priorizando a política de resíduos sólidos e nem elaboração dos planos de gestão para acessar recursos para o gerenciamento dos resíduos. Por outro lado, ele vê com bons olhos o acordo setorial de embalagens em geral que inclui os catadores como atores importantes da logística reversa.
“As cooperativas e associações podem ser ferramentas importantes no sistema de coleta seletiva e destinação dos resíduos. Gostaríamos que os prefeitos e governadores vissem os catadores como aliados na implantação da política”, disse Alves, contando que existem em torno de 1,2 milhão de catadores no Brasil, incluindo aqueles que estão trabalhando nos lixões e nas ruas.
Sistema de informações para a população
A diretora do MMA disse que o Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos está sendo estruturado para integrar todos os dados produzidos pelo governo federal e pelos estados e municípios no atendimento à política nacional. “Vai ser um grande ganho até o final de 2016 termos implantado o sistema. Isso vai dar visibilidade a política nacional, vai fazer com que o cidadão consiga mais informações e fique mais engajado e os próprios órgãos de governo terão uma ferramenta eficiente para propor novas ações, como trabalhar a possibilidade de incluir determinado rejeito na reciclagem no futuro.”
Para Veloso, apenas aparentemente a implantação da política está devagar e logo será possível ver o afunilamento de todas as iniciativas no efetivo cumprimento da política. É uma política com pontos complexos e que mexe com vários atores, segundo a diretora, como catadores, indústria, comércio, Ministério Público e, principalmente, o cidadão. “Porque se o cidadão não fizer a parte dele a cadeia não anda. Se ele não separar em casa o resíduo úmido do seco, como você vai fazer a coleta seletiva? Não faz. Se o cidadão não descartar a lâmpada, o eletrodoméstico, a embalagem de óleo no local correto, a logística reversa não via funcionar. E o cidadão está entendendo que ele tem uma responsabilidade nessa cadeia, tudo é um processo educativo de crescimento”, disse.
Por Andreia Verdélio, da Agência Brasil, in EcoDebate, 29/02/2016


Exposição à poluição ambiental mata quase 7 milhões de pessoas por ano, alerta PNUMA



Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente alertou para o número crescente de problemas de saúde associados à degradação ambiental. Infecções transmitidas por água contaminada e imprópria para o consumo matam cerca de mil crianças por dia. Fatores ambientais seriam responsáveis por 23% das mortes prematuras. Agência da ONU também citou a zika, a malária e o ebola entre as doenças vinculadas a danos contra a natureza.

Degradação do meio ambiente e poluição estão associadas a um número cada vez maior de problemas de saúde, segundo o PNUMA. Foto: Banco Mundial / Curt Carnemark

O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) chamou a atenção, no último dia 19 de fevereiro, para a longa e crescente lista de problemas de saúde associados à degradação ambiental. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 23% das mortes prematuras em todo o mundo poderiam ser atribuídas a fatores ambientais. Entre as crianças, a percentagem sobre para 36%.
“Todos os anos, quase 7 milhões de pessoas morrem, porque são expostas à poluição em ambientes internos e externos, (envolvendo) desde a produção de energia, a utilização de fornos, o transporte, fornalhas industriais até queimadas e outras causas”, afirmou o diretor executivo do PNUMA, Achim Steiner.
O chefe da agência da ONU destacou que cerca de mil crianças morrem por dia devido a doenças transmitidas por água contaminada e imprópria para o consumo. No mundo, mais de 2 bilhões de indivíduos vivem regiões onde falta água.
O PNUMA mencionou a zika, a malária e o ebola entre as infecções cujos riscos são agravados conforme a degradação da natureza aumenta. Diferentes tipos de câncer e formas de intoxicação também foram citados.
“Há uma consciência crescente de que os humanos, pela sua intervenção no meio ambiente, desempenham um papel fundamental no recrudescimento ou na mitigação dos riscos à saúde”, disse Steiner.
Um exemplo consistente é o Protocolo de Montreal, acordo que foi implementado em 1989 e que retirou de circulação quase 100 substâncias nocivas à camada de ozônio. Segundo o PNUMA, estimativas indicam que, graças à iniciativa, cerca de 2 milhões de casos de câncer de pele serão prevenidos até 2030. Até 2060, a proibição dessas substâncias deve gerar ganhos de até 1,8 trilhão de dólares para os setores de saúde.
Outra medida lembrada pela agência foi a remoção de chumbo dos combustíveis, o que estaria contribuindo para evitar 1 milhão de mortes prematuras por ano. A eliminação do metal da composição da gasolina poderá aumentar o Produto Interno Bruto (PIB) global em até 4%.
Além de combaterem a disseminação de doenças infecciosas, investimentos em saneamento e água potável também podem ser lucrativos. O PNUMA calcula que, para cada dólar investido no setor, lucra-se entre cinco e 28 dólares.
A relação entre saúde e meio ambiente será amplamente debatida na Assembleia Ambiental das Nações Unidas, que acontecerá ao final de maio. Durante a ocasião, o PNUMA lançará um relatório sobre o tema a fim de promover a discussão sobre os vínculos entre desenvolvimento, meio ambiente, saúde e economia.
Da ONU Brasil, in EcoDebate, 29/02/2016

EcoDebate - Edição 2.479 de 29/ fevereiro / 2016

Compreendemos desenvolvimento sustentável como sendo socialmente justo, economicamente inclusivo e ambientalmente responsável. Se não for assim não é sustentável. Aliás, também não é desenvolvimento. É apenas um processo exploratório, irresponsável e ganancioso, que atende a uma minoria poderosa, rica e politicamente influente.” [Cortez, Henrique, 2005]

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

EcoDebate - Edição 2.477 de 25 e 26/ fevereiro / 2016


Compreendemos desenvolvimento sustentável como sendo socialmente justo, economicamente inclusivo e ambientalmente responsável. Se não for assim não é sustentável. Aliás, também não é desenvolvimento. É apenas um processo exploratório, irresponsável e ganancioso, que atende a uma minoria poderosa, rica e politicamente influente.” [Cortez, Henrique, 2005]



 
Anda
26/02/2016EDIÇÃO 747
 
 
CONTEÚDO ANDA
Vídeo revela crueldade de matadouro francês supostamente "humanitário"
CONTEÚDO ANDA
Pessoas salvam filhote de girafa de rio cheio de crocodilos 
CONTEÚDO ANDA
Escolas incentivam crianças a lerem para animais em abrigos 
ESCRITA LIBERTÁRIA - ROBSON FERNANDO
A oposição do veganismo interseccional à dicotomização de causas animais e humanas faz com que ambas deem certo 
COMPLICAÇÕES SEM FIM
Com dívidas acumuladas, Suipa pode fechar as portas no RJ 
DESOLAÇÃO
Animais em Gaza: famintos e à espera de ajuda 
Aqueça seu coração
 
"De todas as violências que sofremos, as que cometemos com mais frequência são as que cometemos contra nós mesmos. Nessa violência, essa crueldade, não s..."
Flávia Lippi
Jornalista, empresária e empreendedora social
+ LEIA MAIS
FaÃ?a  aqui sua doaÃ?Ã?o
R2PRO
HostGator
 
 
 
2008-2012 | ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais
anuncie | [email protected]
HostGator | R2PRO | GAP
 

E SE A NEVE COBRISSE 90 % DE SEU PAÍS ?

newsletter_head.jpg
 

Fevereiro de 2016

 

E se neve cobrisse 90% do seu país?

 
Olá James, 
Byonbadorj é um jovem de 18 anos da Mongólia que teve sua vida afetada drasticamente. Ele teve que abandonar a universidade e voltar para casa da sua mãe para ajudá-la a proteger seu único meio de subsistência: um rebanho de 500 animais, dos quais 100 já congelaram.

Em toda Mongólia, milhares de animais já morreram.
O sonho de Byonbadorj de ir à universidade já havia sido interrompido uma vez antes, quando o seu pai faleceu. Era difícil para a sua mãe gerenciar sozinha dos negócios da família e cuidar de outros três filhos. Ainda assim, o jovem conseguiu superar todos os obstáculos e entrar na Universidade de Ciência e Tecnologia. Ter um diploma o ajudaria a conseguir uma vida melhor para sua mãe e seus irmãos.
Mas o “dzud” – um fenômeno natural causado por um verão muito seco seguido de um inverno extremo – devastou as terras da sua família e obrigou Byonbadorj a deixar mais uma vez o seu sonho de lado.

dzud_jovem.jpg
A Mongólia está enfrentando condições extremas desde novembro de 2015, o que coloca milhões de animais em risco. Entre eles, os da família de Byonbadorj. Atualmente a temperatura média no país é de -25ºC durante o dia e -38ºC à noite. A situação está afetando mais de 965 mil pessoas na área rural e seus respectivos animais.
Em meados de janeiro, já se registravam mais de 5.000 mortes de animais devido às baixas temperaturas. A previsão, no entanto, é de que este inverno seja tão forte quanto o de 2010, quando 8.5 milhões de animais morreram – o equivalente a 20% da população de gado do país.

dzud_yt.jpg
O mais preocupante é que neste mês há um pico de nascimentos de gado. Infelizmente, as fêmeas prenhas estão abortando seus filhotes ou morrendo, porque o abrigo disponível não é suficiente para protegê-las neste momento tão vulnerável. Além disso, elas não conseguem alimento suficiente para seguir adiante com a gestação: os pastos estão cobertos por uma grossa camada de neve há meses.
Nossa equipe de Manejo de Desastres está no país asiático, trabalhando junto ao governo e outras instituições. Depois de avaliar as áreas mais afetadas, começamos a levar abrigo para aproximadamente 2.000 famílias. A ação, realizada em conjunto com a Cruz Vermelha e a IFRC, irá beneficiar 160.000 animais – incluindo ovelhas, cabras, vacas, cavalos e camelos.
Você também pode ajudar a proteger os animais da Mongólia e as famílias que dependem deles. Ajude-nos a compartilhar esta notícia.

Juntos, vamos mover o mundo para proteger os animais.

Um abraço,
World Animal Protection

Aulas sem crueldade

usp_newsletter.jpg

Professora da USP revoluciona ensino de técnicas cirúrgicas e é premiada pela World Animal Protection.

Você sabia?

gato_newsletter.jpg

Os gatos são bons para o meio ambiente e para o seu colesterol. Pelo menos, é o que dizem os pesquisadores.
Somos World Animal Protection
Erradicamos o sofrimento desnecessário dos animais.
Influenciamos as autoridades para que coloquem os animais na agenda global.
Ajudamos o mundo a entender a importância dos animais para todos nós.
Inspiramos as pessoas a melhorar a vida dos animais.
Movemos o mundo para proteger os animais.
World animal protection
 
World Animal Protection – Pr