segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Quase um ano após o barramento definitivo do rio Xingu, indígenas e ribeirinhos denunciam impactos na região da Volta Grande, a mais impactada pela barragem.

A Volta Grande do Xingu é a casa de centenas de famílias que dependem do rio para viver. Essas famílias enfrentam as intensas transformações em suas vidas desde o início da construção da Usina de Belo Monte. Com o barramento definitivo do rio, a partir de novembro de 2015, esses impactos se multiplicaram e se agravaram radicalmente.

"Os impactos mesmo estão começando a aparecer agora. Ninguém sabe direito o que vai acontecer.  Eu venho lutando contra Belo Monte, e não é porque a obra está pronta que eu vou parar de lutar: Pelo contrário, agora que a luta começou!"
Gilliard Juruna, cacique da aldeia Myratu, na TI Paquiçamba, localizada na Volta Grande do Xingu. 
Com o fechamento das comportas, um grande volume de água deixa de passar pela Volta Grande, afetando o delicado equilíbrio da fauna e flora locais. Para se ter uma ideia, a Norte Energia, responsável pelo empreendimento, já foi responsabilizada pela morte de 16 toneladas de peixes. 

Nós do ISA estamos de olho em Belo Monte e pressionando pelo cumprimento total das condicionantes da obra. Há poucas semanas realizamos a Canoada Bye Bye Xingu, uma atividade de monitoramento da Volta Grande.

Precisamos nos manter firmes e atuantes contra os impactos dessa obra monstruosa. Você também pode fazer parte da luta pelos direitos das famílias da Volta Grande e de todo o Xingu.
Quero juntar-me ao ISA!
Saiba mais sobre a Canoada Bye Bye Xingu clicando aqui.

Muito obrigado, contamos com você!

Abraços,


André Villas-Bôas
Secretário Executivo
Instituto Socioambiental - ISA


Mais informações sobre o ISA.
Dúvidas ou comentários, ligue (11) 3515 8954 e fale com Ariel Gajardo ou escreva para ariel@socioambiental.org.

Nenhum comentário: