terça-feira, 30 de setembro de 2014

DADOS ALARMANTES : WWF afirma que em 40 anos mundo perde metade das espécies animais


30 de setembro de 2014 

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
A Ação do homem levou ao desaparecimento, entre 1970 e 2010, de mais da metade dos animais selvagens do planeta, alerta informe Planeta Vivo 2014, que será publicado pela ONGFundo Mundial para a Natureza (WWF) nesta terça-feira, na mais recente avaliação da superexploração dos recursos naturais.
Por regiões, as áreas mais afetadas foram América Latina (83%), seguida da região Ásia-Pacífico. As espécies de água doce pagaram o maior preço, com uma redução de 76%, enquanto as terrestres e marinhas recuaram 39%.
Entre 1970 e 2010, o Índice Planeta Vivo (IPV), que mede a evolução de 10.380 populações de 3.038 espécies de mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes, caiu 52%.
A redução anunciada foi maior que a informada nos relatórios anteriores, pois o modelo de cálculo foi refinado para se fazer uma representação mais fiel da distribuição mundial da espécies de vertebrados, informou esta ONG especializada na proteção de animais em perigo de extinção.
Em seu informe bienal anterior, publicado em 2012, o WWF tinha destacado uma redução de 28% das espécies selvagens entre 1970 e 2008. O índice só incluía então 2.699 espécies.
As causas do declínio foram a perda e degradação dos hábitats (por causa da agricultura, da urbanização, do desmatamento, da irrigação, de represas hidrelétricas), a caça, a superexploração pesqueira (incluindo as capturas acidentais), bem como as mudanças climáticas.
Fonte: Terra

RIO GRANDE, RS : COMDEMA faz eleições e trata da APA da Lagoa Verde


Diversas obras estão sendo realizadas (como o segundo Shopping Centre de Rio Grande) e previstas para o entorno da Lagoa Verde. Rio Grande/RS. Foto: Blog PapareiaNews.
Diversas obras estão sendo realizadas (como o segundo Shopping Center de Rio Grande) e previstas para o entorno da Lagoa Verde. Rio Grande/RS. Foto: Blog PapareiaNews.
O Conselho de Defesa do Meio Ambiente (COMDEMA), de Rio Grande/RS, é um órgão colegiado, de função deliberativa, normativa e fiscalizadora, instância superior do Sistema Municipal de Política Ambiental, integrante do Sistema Nacional do Meio Ambiente (SISNAMA). É um espaço de democracia direta para que a sociedade civil acompanhe e incida sobre a da politica ambiental, como no que se refere a aplicação do orçamento municipal para a proteção do ambiente.
Tal colegiado ambiental se realiza sua Reunião Ordinária, hoje, 30 de setembro de 2014, as 14 horas, no Auditório do Instituto Chico Mendes de Proteção à Biodiversidade (CEPERG/IBAMA), com a seguinte pauta:
- Informes gerais.
- Eleições e Regras – Eleições Novos membros COMDEMA;
- Assuntos gerais:
- Correspondência Porto do Rio Grande.
- Loteamento RealPark (Jornal Agora)
- Parque Urbano do Bolaxa
- Projeto Lagoa Verde – Cadastro SEMA
- Mineração Rio Grande – Apresentação de Proposta ao COMDEMA
O CEA, que propôs a reestruturação do COMDEMA nos anos 90, participa atualmente da direção do mesmo, na função de Secretaria, com a advogada Ieda Denise Este, como titular.
***********************************
FONTE : CEA - Centro de Estudos Ambientais.



Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Agropecuária, Água, Energia, Questão Agrária
Ano 14
30/09/2014

 

Água

 
  Um plano para lidar com a crise hídrica em São Paulo, a ser discutido nesta semana, prevê a restrição e até a interrupção diária da captação de água no sistema Cantareira. Para especialistas, se posta em prática, a estratégia poderá implicar a adoção de racionamento na Grande São Paulo. O plano, descrito em um documento do departamento estadual de águas (DAEE) e da Agência Nacional de Águas (ANA), limita a retirada de água das bacias PCJ (Piracicaba, Capivari e Jundiaí), que alimentam o sistema. Essa restrição ocorreria em duas condições: quando o nível do Cantareira cair a menos de 5% e quando as vazões dos rios estiverem muito baixas. Ontem, o volume do sistema caiu novamente, chegando a 7% FSP, 30/9, Cotidiano, p.C1.
  O terceiro protesto contra a falta de água em Itu (SP) em uma semana reuniu cerca de 400 pessoas em frente à prefeitura ontem. Elas criticavam o prefeito Antônio Tuíze (PSD) e pediam participação no comitê de crise, criado após oito meses de racionamento. Alguns foram ao condomínio onde mora o prefeito, que estava na capital paulista. Chegaram a forçar o portão: "Queremos água!". À noite, um grupo foi ao centro histórico, fechou avenidas e ateou fogo em lixo FSP, 30/9, Cotidiano, p.C1; OESP, 30/9, Metrópole, p.A24.
  Alguns dos principais rios e represas do estado de São Paulo deram lugar a vegetação alta e pasto para animais. Moradores de cidades do interior temem que a mudança repentina, resultado da pior seca das últimas oito décadas, seja um sinal de que os reservatórios não voltarão a encher como antes. Não há mais água passando pelo leito do Rio Jacareí. No local, crescem grama, arbustos e plantas de até um metro de altura. Alguns quilômetros adiante, a represa Jaguari parece um pequeno lago no meio de um imenso campo. Cheios, os dois reservatórios ocupam uma área de 50 mil quilômetros quadrados e são responsáveis por cerca de 75% de todo o Cantareira O Globo, 30/9, País, p.10.
  
 

Energia

 
  O presidente da Eletrobrás, José da Costa Carvalho Neto, disse ontem que o consórcio construtor da usina de Santo Antônio tem "grande parte da responsabilidade" pelo atraso na antecipação das obras da hidrelétrica, em construção no Rio Madeira (RO). Subsidiária da Eletrobrás, a estatal Furnas é a principal acionista da concessionária Santo Antônio Energia, que tem enfrentado dificuldades para pagar suas dívidas com a compra de energia no mercado. A Santo Antônio Energia alega que as construtoras não conseguiram cumprir integralmente o cronograma de antecipação das obras da hidrelétrica. Isso causou prejuízos milionários à concessionária, que, agora, quer dividir essa despesa com as empreiteiras OESP, 30/9, Economia, p.B7; Valor Econômico, 30/9, Empresas, p.B2.
  O conselho de administração da Eletrobrás aprovou ontem a assinatura do contrato entre a Eletronorte e a Finep para elaborar estudos de viabilidade de três novos projetos hidrelétricos na região amazônica que preveem juntos a capacidade de geração de 1,6 mil megawatts (MW). Os projetos, previstos para os Estados do Amazonas e Rondônia, são: Tabajara, Prainha e Sumaúma -Valor Econômico, 30/9, Empresas, p.B2.
  
 

Geral

 
  Na safra 2013/14, pela primeira vez desde que o Programa de Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (ABC) foi lançado, há quatro anos, o Centro-Oeste do país puxou as contratações de seus recursos, desbancando o Sudeste. No total, o montante tomado no âmbito do ABC na temporada somou R$ 3,03 bilhões, com 12.103 contratos assinados, e os produtores do Centro-Oeste abocanharam 36,4% desse bolo. Os dados foram apresentados no relatório "Análise dos Recursos do Programa ABC - visão regional", divulgado ontem em São Paulo pelo Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVces) Valor Econômico, 30/9, Agronegócios, p.B12.
  "A consciência dessa anomalia só pode fazer com que o próximo presidente da República intensifique os diálogos com a nata empresarial do agronegócio para ao menos neutralizar as inevitáveis chantagens dos representantes do terranegócio, conhecidos por ruralistas. E o primeiro ponto da pauta dessas conversas deve ser a criação de um verdadeiro imposto sobre a propriedade de terras rurais que ponha fim ao meio século dessa escandalosa empulhação chamada ITR. O Brasil é a única democracia que ainda subsidia a valorização de patrimônios fundiários", artigo de José Eli da Veiga Valor Econômico, 30/9, Opinião, p.A15.
  
 
Imagens Socioambientais

SOS Mata Atlântica
30 de Setembro de 2014
 nº. 493
Seca de ideias ambientais

Em artigo, Marcia Hirota critica a ausência do tema ?água? no debate eleitoral, mesmo em meio à grave crise que esse recurso vem enfrentando em boa parte do país. Nessa edição do Ecos da Mata você confere ainda um estudo que analisou a comercialização de pescados no Rio de Janeiro e em São Paulo. Saiba se foram encontradas espécies de peixes ameaçadas sendo vendidas em estabelecimentos destas cidades. Informe-se também sobre a agenda de eventos da Fundação. Boa leitura!

Faltou água no debate eleitoral

Artigo de Marcia Hirota*, originalmente publicado no Blog do Planeta ? É de espantar a ausência do tema ?água? no debate eleitoral, seja ele federal ou estadual. Nem mesmo a alarmante situação da falta d?água no Sudeste, região que vive uma grave crise de abastecimento, fez com o tema entrasse de forma estratégica e séria no […]

Leia mais

Portas Abertas: conheça mais de perto o trabalho da Fundação!

No próximo dia 08 de outubro (quarta-feira), das 14h às 17h, a SOS Mata Atlântica receberá, em sua sede em São Paulo, interessados em conhecer o trabalho da ONG. Trata-se de mais uma edição do programa de visitação “Portas Abertas”. Além de conhecer a sede, os participantes desta edição saberão detalhes sobre a atuação da […]

Leia mais

Um bom exemplo a ser seguido

Relato por Mariana Machado, coordenadora do Programa de Incentivo às RPPNs da Mata Atlântica – No dia 19 de setembro, representei o Programa de Incentivo às RPPNs da Mata Atlântica, parceria entre Conservação Internacional e Fundação SOS Mata Atlântica, no evento “Repasse do ICMS Ecológico em Varre-Sai (RJ): Um Modelo de Incentivo Economico à Conservação […]

Leia mais

Levantamento analisa comercialização de pescados em SP e Rio

A Fundação SOS Mata Atlântica, por meio do Programa Costa Atlântica, realizou um levantamento em feiras livres, peixarias, supermercados e restaurantes nas duas maiores cidades do país, com o objetivo de verificar quais eram as espécies de pescado disponíveis para o consumo, se elas estavam identificadas de forma correta e se as normas existentes, como […]

Leia mais

Niterói (RJ) recebe caminhão com exposição sobre a Mata Atlântica

Até o dia 05 de outubro, a cidade de Niterói (RJ) recebe a “Exposição Itinerante A Mata Atlântica é Aqui“, da Fundação SOS Mata Atlântica.  O objetivo da ação é de estimular a conscientização ambiental da população, com atividades educativas e divertidas. Gratuito e aberto ao público, o projeto consiste em um caminhão adaptado que […]

Leia mais

Fundação esteve presente ao Verdejando

A Fundação SOS Mata Atlântica participou no último domingo (28) do Verdejando, projeto de educação ambiental da Globo em parceria com a Secretaria do Verde e Meio Ambiente. O projeto integrou o Domingo Aéreo, evento promovido anualmente pela Força Aérea Brasileira (FAB) no Parque de Material Aeronáutico de São Paulo – Campo de Marte, em […]

Leia mais
Fundação SOS Mata Atlântica
info@sosma.org.br - (11) 3262-4088
Avenida Paulista, 2073, Cj. 1318
Cd. Conjunto Nacional, Torre Horsa 1 - 13º andar
Bela Vista, São Paulo - SP
CEP: 01311-300