terça-feira, 31 de dezembro de 2013


 
Anda
31/12/2013EDIÇÃO 251
 
 
Crueldade
Marsupiais são jogados de cima de telhado em tradição de Ano Novo
Nova York
Ativistas entram com petição para expor abuso da indústria de carruagens
Crueldade
Vinte gatos são encontrados mortos e com marcas de torturas em cena de crime
Retrocesso
Tribunal americano aprova volta de matadouros de cavalos
Estados Unidos
Comércio de barbatana de tubarão volta a ser ameaça à proteção animal
São Paulo
Polícia acha 113 animais maltratados em fazenda de empresário em Pinhal
A cruel realidade dos laticínios
 
"A ANDA é uma das melhores iniciativas do século XXI! É forte ferramenta contra a coisificação dos animais e a formação de uma corrente de vida plena, on..."
Alexandre Pimentel
Escritor, terapeuta e palestrante
+ LEIA MAIS
Faça aqui sua  doação
R2PRO
HostGator
 
 
 
2008-2012 | ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais
anuncie | faleconosco@anda.jor.br
HostGator | R2PRO | GAP
 

"O GRITO DO BICHO " - 31/12/2013

Obrigado pela divulgação do nosso trabalho e acompanhe a coluna "Ultimas Notícias" .
Sheila Moura

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013


Resumo diário de notícias selecionadas
dos principais jornais, revistas, sites especializados e blogs,
além de informações e análises direto do ISA
 
 
HOJE:
Amazônia, Belo Monte, Povos Indígenas, Reforma Agrária
Ano 13
30/12/2013

 

Povos Indígenas

 
  A juíza federal Marília Gurgel determinou ontem que a Funai e a União adotem medidas de segurança, no prazo de 24 horas, para proteger a Terra Indígena Tenharim Marmelos, no município de Humaitá (AM). Há quatro dias, o local tem sido palco de conflitos entre índios e não indígenas após o desaparecimento de três homens perto da reserva. A juíza ordenou o retorno dos indígenas à reserva e solicitou à Funai que instale boxes de proteção aos índios para evitar uma nova invasão dos moradores de Humaitá e garantir a segurança dos índios - O Globo, 30/12, País, p.5; OESP, 30/12, Política, p.A6.
  Trezentos homens da Força Nacional, Exército, Polícia Federal e Polícia Militar montaram acampamento dentro da Terra Indígena Tenharim para procurar três pessoas que desapareceram no dia 16 deste mês. Moradores de Humaitá (AM) acreditam que os indígenas tenham sequestrado os homens após a morte do cacique Ivan Tenharim. Em retaliação, um grupo de 300 pessoas invadiu a reserva na sexta-feira e ateou fogo na sede da Funai, no Distrito Sanitário de Saúde Indígena (Dsei), em veículos das duas instituições e em moradias dos indígenas O Globo, 29/12, País, p.12; FSP, 29/12, Poder, p.A9.
  
 

Amazônia

 
  O aumento do desmatamento da Amazônia em quase 30%, entre agosto de 2012 e julho de 2013, teve como pano de fundo uma série de fatores. Na visão de especialistas, a aprovação do novo Código Florestal pode ter contribuído para este aumento. Já para o Ministério do Meio Ambiente (MMA), os estados, responsáveis pelas autorizações de supressão de vegetação, não têm controle sobre as licenças concedidas para desmatar. Na prática, as autoridades estaduais não sabem efetivamente quanto deixaram desmatar a cada ano - O Globo, 29/12, País, p.12.
  
 

UHE Belo Monte

 
  "Muita coisa mudou, no país e no projeto de Belo Monte, desde os anos 1980. Reconhecer isso não permite, contudo, deixar de apontar a repetição de barbaridades na mitigação -mal planejada, tardia, 'para inglês ver'- dos impactos sobre o ambiente ímpar da Volta Grande do Xingu e sobre as populações ribeirinha, indígena e citadina. Belo Monte ainda ficou longe de dar um exemplo de civilização e responsabilidade social à altura da engenharia que a ergueu", artigo de Marcelo Leite FSP, 29/12, Ciência, p.B12.
  
 

Reforma Agrária

 
  A presidente Dilma Rousseff assinou ontem o maior número de desapropriações de terras destinadas à reforma agrária em um só dia desde o início de seu governo. Foram 92 autorizações para retomada de áreas consideradas improdutivas pelo governo federal publicadas no "Diário Oficial" da União. Além dos decretos, o governo editou uma medida provisória concedendo benefícios (subsídios e bônus) para a liquidação de dívidas de famílias assentadas e definindo novas regras para o crédito - FSP, 28/12, Poder, p.A4; OESP, 28/12, Política, p.A5.
  
 
Imagens Socioambientais

2013, de impasse em impasse, da política ao futebol - artigo de Washington Novaes


artigo

[O Estado de S.Paulo] E chega-se ao fim do ano com o País perplexo, mergulhado em múltiplos impasses e crises em vários setores institucionais, políticos e sociais, sem vislumbrar de onde possam vir soluções – para o Executivo, o Legislativo, o Judiciário, os sistemas eleitorais, as políticas econômicas e sociais, quase tudo.
Pode-se começar pelo imbróglio mais recente: a decisão do Congresso Nacional de anular a sessão do dia 2 de abril de 1964, que declarou a “vacância” na Presidência da República e assim cassou, na prática, o mandato do então presidente João Goulart e sustentou o golpe militar e tudo o que foi consequência dele. Sem precisar entrar no mérito da decisão política, pode-se, entretanto, perguntar: e quanto a todas as decisões econômicas e políticas tomadas pelos que ocuparam o poder nos anos seguintes e que atingiram também outras pessoas? São contestáveis, têm consequências? Juristas têm argumentado com a chamada “teoria do governo de fato”, que legitimaria o que veio depois – quando nada, pela dificuldade de arguir qualquer nulidade e pelo fato de a Constituição de 1988 haver legitimado o que a antecedeu: como indenizar os prejudicados, suas famílias e herdeiros? Como repor os mandatos de quem foi cassado? E assim por diante.
Chega-se ao capítulo seguinte, das divergências entre o Judiciário e o Congresso, a respeito de doações de empresas para financiamento de partidos e campanhas eleitorais. Dos 11 ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), 4 já votaram pela inconstitucionalidade das doações de empresas – o que, se aprovado pela maioria dos ministros, já impedirá em 2014 as doações (“imorais”, segundo o ministro Luís Roberto Barroso; e representam 98% do financiamento de campanhas). Mas partidos políticos e líderes no Congresso não aceitam a restrição e dizem que a anularão, se for preciso. A maioria deles parece caminhar para reformas políticas que assegurariam às principais lideranças a reeleição, ao instituir um sistema em que grande parte da votação da legenda se destinaria exatamente à eleição dos líderes partidários escolhidos para encabeçar as listas de candidatos, independentemente dos votos que cada um obtenha nas urnas. Um conflito entre os Poderes mais altos, Judiciário e Legislativo. Quem o decidirá? E como? Vigorará ou não a proibição de que empresas concessionárias ou permissionárias do poder público contribuam para as campanhas? Até aqui, o PSOL já disse que lançará candidato à Presidência e apoia a proibição de contribuições empresariais. E ao eleitorado, vai-se perguntar?
Mas tudo se pode agitar mais com o anúncio de que em 2014, finalmente, se vai chegar, depois de uma década, ao julgamento do chamado “mensalão mineiro”, exatamente sobre financiamentos eleitorais (no mínimo) a membros do principal partido de oposição ao poder central, o PSDB. E para complicar o ex-secretário do Ministério da Justiça lança em livro depoimento em que acusa a própria pasta, na segunda gestão Lula, de favorecer a “fabricação” de dossiês contra seus adversários. Não bastasse, afirma que o próprio ex-presidente Lula, no seu tempo de dirigente sindical, era “informante” do Dops, regido pela ditadura militar. É muita confusão para uma área política só e para a cabeça do eleitor, que ainda vê, de longe, as discussões sobre espionagem dos órgãos secretos norte-americanos. E que, incrédulo, se pergunta se potências como os EUA, a Rússia ou a China deixarão de fazê-la, por algum caminho.
Nem a velha paixão pelo futebol escapa à confusão, quando, já atônito com as notícias de corrupção na área – agora dominada por dirigentes e empresários que sobrepõem seus interesses particulares aos dos torcedores -, o cidadão toma conhecimento de uma decisão do mais alto tribunal de Justiça Desportiva que rebaixa times em lugar de outros, no nível mais alto desse esporte. Então tudo se decide, também aí, no “tapetão”, como bradam os torcedores de times atingidos?
Só que não diminuem as preocupações quando se vai para os setores econômico e social. Um em cinco jovens brasileiros entre 15 e 29 anos de idade – ou 19,6% – não estuda nem trabalha, segundo os últimos estudos divulgados (Estado, 30/11). São a geração “nem-nem”. E com certeza influenciam para que as taxas de desemprego no País continuem abaixo de 5%, apesar da queda de atividades econômicas. A taxa de empregos criados em 11 meses deste ano é a menor desde 2003. Mas é alto o número dos que não procuram emprego e de idosos que se retiram e, assim, contribuem para o baixo desemprego.
A perplexidade social – que ainda é alimentada pelos dramas da mobilidade urbana, pela ausência de macroplanos para cidades -, entretanto, parece não encontrar até aqui caminhos para se expressar e influir na política. Os protestos estimulados pelas redes sociais encolheram-se, reduziram-se, no momento em que tantos analistas – inclusive em artigos nesta página – já pareciam mostrar que a falta de projetos políticos para tornar viáveis suas reivindicações levara à exaustão. Mesmo na melhor das hipóteses, de produzirem mudanças de governos nos níveis mais altos, conduziam aos mesmos impasses, como já vem ocorrendo no Norte da África, no Oriente Médio e na Ásia.
Por aí, nossas crises, que parecem tão localizadas, parecem inserir-se no quadro geral das crises planetárias, que abrangem a política, a economia, os recursos naturais, as desigualdades sociais – tudo, independentemente de otimismo ou pessimismo. A concentração, nos países “desenvolvidos”, de quase 80% da renda mundial, assim como de igual porcentagem de consumo de recursos, continua, como uma sombra, a escurecer toda a paisagem. E para elas damos a nossa contribuição. Mas países, empresas, pessoas continuam presos a lógicas que os beneficiam. E não se caminha, a não ser com acordos que apenas evitam ou adiam rompimentos.
* Washington Novaes é jornalista. E-mail: wlrnovaes@uol.com.br
Artigo originalmente publicado em O Estado de S.Paulo e reproduzido pelo EcoDebate, 30/12/2013

Portal EcoDebate - Edição 1.986, de 30 / dezembro / 2013


“Compreendemos desenvolvimento sustentável como sendo socialmente justo, economicamente inclusivo e ambientalmente responsável. Se não for assim não é sustentável. Aliás, também não é desenvolvimento. É apenas um processo exploratório, irresponsável e ganancioso, que atende a uma minoria poderosa, rica e politicamente influente.” [Henrique Cortez, 2005]

sábado, 28 de dezembro de 2013

"O GRITO DO BICHO" - edição de 28/12/2013

Obrigado pela divulgação do nosso trabalho e acompanhe a coluna "Ultimas Notícias" .
Sheila Moura

Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas projeta clima mais quente para este século

aquecimento

No ano de 2013, foram divulgados os três volumes do primeiro relatório de avaliação nacional sobre mudanças climáticas do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC). No início de setembro, o organismo científico, criado pelo governo federal em 2009 por meio dos ministérios da Ciência, Tecnologia e Inovação e do Meio Ambiente, revelou que as projeçõesmostram que haverá alta nas temperaturas do país no decorrer do século, mais períodos de seca no Norte e Nordeste e aumento das chuvas no Sul e Sudeste.
As mudanças no volume de chuva podem oscilar entre 5% e 20% e de 1 grau Celsius (°C) a 5°C na temperatura até o final do século, dependendo do aquecimento global e da emissão de gases de efeito estufa. As projeções indicam mais secas prolongadas, principalmente nos biomas da Amazônia, do Cerrado e da Caatinga. Ao divulgar as estimativas sobre o perfil das emissões de gás carbônico entre 2005 e 2010, o PBMC informou que a produção de energia foi a responsável por 32% das emissões em 2010 contra 16% do total de emissões em 2005 e foi o setor que mais cresceu no total das emissões de gás carbônico no país.
Para a rede WWF-Brasil, as informações científicas do PBMC são mais do que suficientes para demonstrar ao governo brasileiro que as mudanças climáticas não podem mais ser tratadas como tema de segunda importância em políticas públicas. “Temos de investir nos recursos abundantes de fontes renováveis de energia de baixo impacto que temos à nossa disposição, como as energias solar, eólica e de biomassa, em vez de colocar 70% dos nossos investimentos em combustíveis fósseis. O governo federal não deve oferecer incentivos a combustíveis como o carvão mineral”, disse o coordenador do Programa de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, Carlos Rittl.
A agricultura deve ser o setor da economia mais afetado pelas mudanças climáticas ao longo do século 21, de acordo com a segunda parte do primeiro relatório nacional do PBMC. Segundo o estudo, o prejuízo do agronegócio com problemas climáticos pode chegar a R$ 7,4 bilhões em 2020, e R$ 14 bilhões em 2070. Até 2030, a produção de soja, por exemplo, pode ter perdas de até 24%.
O estudo prevê que as mudanças nos regimes de chuva e a elevação da temperatura média prejudicarão a agricultura, principalmente em áreas secas como o Nordeste, região em que a distribuição de chuvas pode cair até 50%, segundo o relatório.
O terceiro volume, divulgado no início de novembro, ressaltou a necessidade de adoção de ações imediatas para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. “O benefício da ação imediata para mitigar a mudança do clima supera o custo da inação”, destacou a pesquisa.
“Nesse relatório, mostramos as opções para os tomadores de decisão para reduzir as emissões, de forma que a gente não gaste tanto em adaptação [maneiras de amenizar o impacto]. Existe realmente a possibilidade de redução das emissões, mas depende de decisões muito mais políticas do que econômicas,” disse a presidente do comitê científico do PBMC, Suzana Kahn Ribeiro.
Edição: Davi Oliveira
Reportagem de Ana Cristina Campos, da Agência Brasil, publicada pelo EcoDebate, 27/12/2013

Portal EcoDebate - Edição 1.985, de 27 / dezembro / 2013

“Compreendemos desenvolvimento sustentável como sendo socialmente justo, economicamente inclusivo e ambientalmente responsável. Se não for assim não é sustentável. Aliás, também não é desenvolvimento. É apenas um processo exploratório, irresponsável e ganancioso, que atende a uma minoria poderosa, rica e politicamente influente.” [Henrique Cortez, 2005]

" O GRITO DO BICHO " - 27/12/2013

 Link http://www.ogritodobicho.com/para ler nossas postagens de hoje:
Obrigado pela divulgação do nosso trabalho e acompanhe a coluna "Ultimas Notícias" .
Sheila Moura

 
Anda
26/12/2013EDIÇÃO 249
 
 
Phoenix, Arizona
Comercialização de cães e gatos é proibida para barrar fazendas de filhotes
Experimentos com macacos
Universidade de Harvard recebe multa após investigações sobre abuso animal
Hollywood Park
Famosa pista de corrida de cavalos fechará as portas este mês
Bombinhas
Moradores buscam preservar coruja buraqueira no Litoral catarinense
Ato Criminoso
PMA investiga morte de peixes por envenenamento em Rio Preto (SP)
Covardia
Animais marinhos são assassinados em praias de Nísia Floresta (RN)
Animais e seus direitos
 
"Os animais são seres completamente indefesos e a única voz que eles têm é a nossa. A ajuda de cada um de nós, por menor que seja, faz muita diferença na..."
Karina Howlett
Jornalista
+ LEIA MAIS
Faça aqui sua  doação
R2PRO
HostGator
 
 
 
2008-2012 | ANDA Agência de Notícias de Direitos Animais
anuncie | faleconosco@anda.jor.br
HostGator | R2PRO | GAP